SISTEMAS DE PRODUÇÃO OLERÍCOLA COMERCIAL DO MUNICÍPIO MATO-GROSSENSE DE ALTA FLORESTA, BRASIL

Jakeline Santos Santos Cochev, Sandra Mara Alves da Silva Neves, Santino Seabra Junior, André Nespoli, Ronaldo José Neves

Resumo


Dentre os sistemas agrícolas desenvolvido no âmbito da agricultura familiar está a olericultura, sendo esta responsável pelo abastecimento dos mercados, pela geração de empregos e subsistência humana. Desse modo, objetivou-se caracterizar a atividade olerícola comercial do município de Alta Floresta/MT, dando enfoque ao perfil social e econômico dos agricultores familiares, com o intuito de evidenciar a geração de subsídios que contribuam para o planejamento e desenvolvimento da atividade em âmbito municipal. Para isso, foram utilizados os dados do Censo Agropecuário de 2006 do IBGE relativo às variáveis: mão de obra; número de estabelecimentos agropecuários; condição do produtor; grupo de atividades econômicas e produtos da olericultura; trabalho de campo para realização de entrevista, com aplicação de questionário quali-quantitativo para avaliação das características sociais e econômicas dos agricultores e georreferenciamento das sedes e da área produtiva das propriedades através do Sistema de Posicionamento Global-GPS. Assim, verificou-se a redução do número de pessoas por família e também a evasão dos jovens da área rural para a área urbana em busca de oportunidades de emprego e renda. Constatou-se ainda, que é maior o número de homens do que mulheres, entre os entrevistados. Além disso, as dificuldades enfrentadas pelos agricultores estão na falta de mão de obra e assistência técnica especializada. Portanto, concluiu-se que o desenvolvimento da olericultura comercial no município de Alta Floresta demanda de políticas públicas que apoiem este segmento da agricultura familiar.


Palavras-chave


Desenvolvimento territorial, Agricultura Familiar, Geotecnologias

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ABRAMOVAY, R. Agricultura familiar e desenvolvimento territorial. Revista da Associação Brasileira de Reforma Agrária. v. 28, n.1, jan/dez., 1998.

ABRAMOVAY, R. Agricultura, diferenciação social e desempenho econômico. Projeto IPEA-NEAD/MDA. São Paulo: FEA-USP, 2000.

ALTIERI, M.A. Agroecologia, agricultura camponesa e soberania alimentar. Revista Nera, v. 13, n. 16, p. 22-32, jan./jun., 2010.

AMADOR, D.B.; VIANA, V.M. Sistemas agroflorestais para recuperação de fragmentos florestais. Série Técnica IPEF. v. 12, n. 32, p. 105-110, dez. 1998.

AZEVEDO, R.A.B. Análise e descrição dos sistemas agrícolas: teorias para não naturalização da agricultura. Revista Verde, v. 2, n. 2, p. 01-26, jul./dez., 2007.

BRASIL. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Instrução Especial/INCRA/Nº 20, de 28 de maio de 1980. Aprovada pela Portaria/ MA 146/80. Diário Oficial da União 12 jun. 1980.

BRASIL. Lei nº 11.326, de 24 de julho de 2006. Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. Diário Oficial da União, 2006.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. 7ed. Brasília: Câmara dos Deputados, p. 43-45.2010.

BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável. Programa de Zoneamento-Ecológico-Econômico. Caderno temático: biodiversidade no âmbito do zoneamento ecológico-econômico.Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 240p.2007.

CAMARANO, A. A.; ABRAMOVAY, R. Êxodo rural, envelhecimento e masculinização no Brasil: panorama dos últimos 50 anos.Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada-IPEA, Rio de Janeiro, p. 1-23.1999.

CAMPANHOLA, C.; VALARINI, P.J. A agricultura orgânica e seu potencial para o pequeno agricultor. Revista Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília, v.18, n.3, p.69-101, set./dez., 2001.

CAPORAL, F.R.; COSTABEBER, J.A. Agroecologia: enfoque científico e estratégico. Revista Agroecologia e Desenvolvimento Rural Sustentável, v. 3, n. 2, abr./jun., 2002.

COSTA, R.V. Percepção ambiental de pescadores do Rio Teles Pires em Alta Floresta -MT: um diálogo com a Educação Ambiental. 2009. 112 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) -Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres/MT, 2009.

DELUQUI, H.B.S.; NEVES, S.M.A.S.; SEABRA JUNIOR, S.; CARNIELLO, M.A.; NEVES, R.J.; COCHEV, J.S. Espaços produtivos da mandioca e seus usos. Campo-Território: revista de Geografia Agrária, v. 7, n. 14, p. 1-22, ago., 2012.

ESRI.ArcGIS Desktop: release 9.2. Redlands, CA: Environmental Systems Research Institute, 2007.

FERREIRA, J.C.V. Mato Grosso e seus municípios.Cuiabá, Editora Buriti,660 p.2001.

FERREIRA, L.V.; VENTICINQUE; E.; ALMEIDA, S. O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas. Revista Estudos Avançados,v. 19, n. 53, p. 157-166, 2005.

FILGUEIRA, F.A.R. Novo manual de olericultura: agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças.3. ed. Viçosa/MG: UFV, 421 p.2007.

HIRAKURI, M.H.; DEBIASI, H.; PROCÓPIO, S.O.; FRANCHINI, J.C., CASTRO, C. Sistemas de produção: conceitos e definições no contexto agrícola.Londrina/PR: Embrapa Soja, 24 p.2012.

HRYCYK, P. Influência das queimadas no clima de Alta Floresta. 2007. 26 f. Monografia (Especialização em Geografia e Gestão Ambiental). Universidade do Estado de Mato Grosso, Alta Floresta/MT, 2007.

HURTIENE, T. A Agricultura familiar e o desenvolvimento sustentável: problemas conceituais e metodológicos no contexto histórico da Amazônia. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 30, p.442-466, dez.,1999.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Agropecuário de 2006. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/default.sht. Acesso em: 05 de março de 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades. Rio de Janeiro, IBGE, 2013.

MARAFON, G.J. Agricultura familiar, pluriatividade e turismo rural: reflexões a partir do território fluminense. Campo-Território: revista de Geografia Agrária, v. 1, n. 1, p. 17-60, fev., 2006.

MARCATTO, C. Agricultura sustentável: conceitos e princípios. In:Rede Ambiente, 2002. Disponível em: http://www.redeambiente.org.br. Acesso em: 05 de agosto de 2012.

MATO GROSSO (Estado). Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral. Plano de Longo Prazo de Mato Grosso: macro-objetivos, metas globais, eixos estratégicos e linhas estruturantes. In: PRADO, J. G. B.; BERTCHIELI, R.; OLIVEIRA, L. G. (Orgs.). Plano de Longo Prazo de Mato Grosso. Cuiabá: Central de Texto, v. 4, 2012. 108p. Disponível em: http://www.seplan.mt.gov.br/mt20/mt20.htm. Acesso em: 22 nov. 2013.

MIRANDA, C.; TIBÚRCIO, B. Emprego e trabalho na agricultura na agricultura brasileira.Brasília: IICA, 2008.

MORENO, G.; HIGA, T. C. S. Geografia de Mato Grosso: território, sociedade, ambiente.Cuiabá, MT: Entrelinhas, 296p.2005.

MOUGEOT, L.J.A. Urban agriculture: definition, presence, potentials and risks. In: Bakker et al. (Eds.). Growing cities, growing food, urban agriculture on the policy agenda. Canadá: International Development Research Centre, p. 1-42.2000.

MOURA, A.M.P.; SILVA, G.M.G. Agricultura Familiar: perspectivas de permanência dos jovens no campo do município de Igaci/Alagoas. Anais...XXI Encontro Nacional de Geografia Agrária. Uberlândia/MG, Universidade Federal de Uberlândia-UFU-Campus de Santa Mônica, 15 a 19 de outubro de 2012.

NOVAES FILHO, J.P.N.; SELVA, E.C.; COUTO, E.G.; LEHMANN, J.; JOHNSON, M.S.Distribuição de carbono em solos sob floresta primária na Amazônia Meridional. Revista Árvore, v. 31, n. 1, p 83-92, 2007.

PEREIRA, A.S.; FIRKOWSKI, O.L.C.F. Proposta de definição dos lugares urbanos, periurbanos e rurais para a região metropolitana de Curitiba. In: Seminário Nacional de Governança e Desenvolvimento Metropolitano, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal/RN, Anais...Natal: p. 1-15.2010.

RAIOL, C.S.; ROSA, L.S. Sistemas Agroflorestal na Amazônia Oriental: o caso dos agricultores familiares de Santa Maria do Pará, Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias, v. 8, n. 2, p. 258-265, 2013.

ROBOREDO, D.; NASCIMENTO, T.C.O.; CAVALLI, D.F.; ROQUE, C.G.; YAMASHITA, O.M. Empoderamento da associação de mães Ouro Verde no município de Alta Floresta–MT. Revista de Ciências Agro-Ambientais, Alta Floresta, v.5, n.1, p.95-103, 2007.

RODRIGUES, T.E. Solos da Amazônia. In: ALVAREZ V.V.H.; FONTES, L.E.F.; FONTES, M.P.F., eds. Osolo nos grandes domínios morfoclimáticos do brasil e o desenvolvimento sustentado. Viçosa/MG: SBCS; UFV; DPS, p.19-60.1996.

ROSS, J.S.O relevo no processo de produção do espaço. In:MORENO, G.; HIGA, T.C.S. Geografia de Mato Grosso: território, sociedade, ambiente.Cuiabá: Entrelinhas, 296p.2005.

SCHNEIDER, S. As transformações recentes da agricultura familiar no Rio Grande do Sul: o caso da agricultura em tempo-parcial. Ensaios FEE, v. 16, n. 1, p. 105-129, 1995.

SEABRA JUNIOR, S.;NEVES, S.M.A.S.; NUNES, M.C.M.;INAGAKI, A.M.; SILVA, M.B.;RODRIGUES,C.; DIAMANTE, M.S. Cultivo de alface em Cáceres/MT: perspectivas e desafios. Revista Conexão UEPG, v. 8, n. 1, p. 130-137, jun., 2012.

TARIFA, J.R. Mato Grosso: clima –análise e representação cartográfica. Cuiabá: Entrelinhas, 102p.2011.

TEDESCO, J.C. Agrodiversidade e agricultura familiar: o papel das agroindústrias caseiras e do artesanato tradicional no meio rural. Anais...1º Encontro da Rede de Estudos Rurais. Niterói/RJ. Universidade Federal Fluminense-UFF, 04 a 07 de julho de 2006.

WHA. World Health Association. Qualitative Research for Health Programmes. Geneva: WHA, 102 p.1994.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v32i0.35789

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009