EPIDEMIOLOGIA, FOME E DESENVOLVIMENTO

Paulo H. Battaglin Machado, Flávia E. Leite de Lima, Kátia Yumi Uchimura

Resumo


Entender as relações entre epidemiologia e segurança alimentar implica desvendar as causas da fome, o modo como ela se distribui na sociedade e com que intensidade afeta as populações. Partindo desse pressuposto, este ensaio busca entender a lógica da fome dentro das várias transições vivenciadas nas últimas décadas: epidemiológica, demográfica, risco, nutricional e desenvolvimento. Os reflexos da transição demográfica ocorrida no Brasil no século XX estão relacionados com a mudança dos padrões do estado nutricional da população, que passou de um quadro de alta prevalência de desnutrição para o aumento cada vez mais significativo da obesidade. Contudo, o paradoxo dessa situação reside no fato de que a maior parte dos fatores de risco, para ocorrência das doenças do mundo moderno, provém dos “excessos”, enquanto em todo o mundo milhões de pessoas ainda morrem pelas “carências”. Só a produção de alimento não assegura sua distribuição eqüitativa entre os vários grupos da sociedade. Só o acesso não garante a qualidade. As escolhas são individuais, mas as opções de estilo de vida implicam um espectro de correlações que vão da economia à cultura, tendo esse campo, em última análise uma base coletiva, dentro da esfera do meio ambiente e desenvolvimento.

Palavras-chave


Epidemiologia, Fome, Desenvolvimento

Texto completo:

PDF

Referências


ARRUDA, B. K. G. Geografia da Fome: da lógica regional à universalidade. Cad. Saúde Públ. 1997; 13(3): p. 545-549.

BERMUDEZ, O. I.; TuUCKER, K. L.Trends in dietary patterns of Latin Americanpopulations. Cad. Saúde Pública, 2003, 19 (Sup. 1) :S87-S99.

CASTRO, J. Geografia da fome: e o dilema brasileiro: pão ou aço. 10 ed. Rio de Janeiro: Antares, 1987.Documento Final paresentado na 3ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional. Documento final. Fortaleza, 2007.

EDRAZA, D. F. Disponibilidad de alimentos como factor determinante de la Seguridad Alimentaria y Nutricional y sus representaciones en Brasil. Revista Nutrição, Campinas 2005, 18(1) p. 129-143.

FOOD AGRICULTURE ORGANIZATION (FAO) - The state of food insecurity in the world1999. Disponível em: . Acesso em 13/09/2007.

FOOD AGRICULTURE ORGANIZATION (FAO). Food Security Statistics. Disponível em: http://www.fao.org/es/ess/faostat/foodsecurity/index_en.htm. Acesso em 07 set. 2007.

JONSSON U. As causas da fome. In: VALENTE, F.L.S. Fome e desnutrição: determinantes sociais. 2.ed. São Paulo: Cortez; 1989

MACHADO, P. H. B. Epidemiologia: uma abordagem reflexiva. In: Saúde coletiva:um campo em construção. Curitiba: IBPEX, 2006, p. 247-274.

MACHADO, P. H. B. Qualidade de vida em Paranaguá: uma abordagem local, Curitiba, 2003. Tese (Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento) -Universidade Federal do Paraná.

MENESES, F; BURLANDY, L.; MALUF, R. Construção de uma política de segurança alimentar e nutricional. Trabalho apresentado na 2ª Conferência Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Olinda, 2004.

SAWAYA, A. L..; SOLYMOS, G. M. B.; FLORENCIO, T. M. M. T.;MARTINS, P. A. Os dois Brasis: quem são, onde estão e como vivem os pobres brasileiros. Estudos avançados. v. 17, n.48 p. 21-45, 2003.

SCHRAMM, J. M. A., OLIVEIRA, A. F. , LEITE, I. C. et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 9, n. 4, p. 897-908, 2004.

TONIAL, S. R. Os desafios da atenção nutricional diante de sua complexidade no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 7, n. 2, p. 227-234, 2002,

UCHIMURA, K. Y.; BOSI, M. L. M. Programas de comercialização de alimentos: uma análise das modalidades de intervenção em interface com a cidadania. Revista Nutrição. v.16, n. 4, p. 387-397, 2003

WHO - WORLD HEALTH ORGANIZATION. Joint WHO/FAO Expert Consultation on Diet, Nutrition and the Prevention of Chronic Diseases. Diet, nutrition and the prevention of chronic diseases.Geneva; 2003. (WHO Technical Report Series, 916).




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v15i0.14222

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009