Open Journal Systems

Considerações a cerca da Geografia de Alexander von Humboldt: Teoria, Filosofia e Concepção de Natureza

Kalina Salaib Springer

Resumo


Para o conhecimento em Geografia, não se pode desconsiderar, a influência que o movimento romântico exerceu no contexto de sua sistematização enquanto conhecimento unificado por um corpo teórico e metodológico dotado de cientificidade. A ciência geográfica se consolida na Alemanha em meados do século XIX, com fundamentos teóricos, filosóficos e metodológicos advindos de uma hibridização entre concepções românticas e positivistas, de mundo, de ciência e de sociedade. Assim, este artigo tem como objetivo principal levar ao leitor um pouco da geografia desenvolvida por Alexander von Humboldt, reportando-se também ao contexto filosófico e histórico da época, bem como a discussão de natureza presente em seus textos.

Palavras-chave


Alexander von Humbold; Epistemologia da Geografia

Texto completo:

PDF

Referências


BECK, Hanno; SCHoEnWALDt, Peter. O último dos grandes: Alexander von Humboldt. Inter nationes: Bonn, 1999.

BornHEIM, Gerd. Filosofia do romantismo. In: GUInSBUrG, J. (org.). O romantismo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1985.

CAPEL, Horácio. Filosofía y ciencia en la geografía contemporánea. Barcelona: temas universitários, 1988.

FEISSt, Werner. Alexander von Humboldt 1769 – 1859: das Bild seiner zeit in 200 zeitgenössischen Stichen. 1978.

GABAGLIA, raja. Prefácio. In: HUMBoLDt, Alexander von. quadros da natureza. tradução de: Assis Carvalho. São Paulo: Ed. Brasileira, 1950. v. 1.

GÖEtHE. Werther. Goethe werke. 10. ed. Munique: C. H. Beck verlag, 1982.

______. Os sofrimentos do jovem Werther. Ediouro S. A. 1993.

GoMES, Álvaro Cardoso; vECHI, Carlos Alberto. A estética romântica: textos doutrinários. São Paulo: Atlas, 1992.

GoMES, Paulo César da Costa. Geografia e modernidade. rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

GUIMArãES, Carlos Antonio Fragoso. O movimento romântico alemão. 1997. Disponível em: . Acesso em: 10/04/2007.

GUInSBUrG, J. romantismo, historicismo e história. In: ______. (org.). O romantismo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1985

HAMPSon, norman. O iluminismo. Lisboa: Ulisséia, 1973.

HorKHEIMEr , M.; ADorno, t. W. Dialektik der Aufldãrung - Philosophische Fragmente. Frankfurt/M. 1969.

HUMBoLDt, Alejandro de. Ensayo Politico sobre el Reyno de La Nueva – España.tomo primero. Paris, 1882.

HUMBoLDt, Alexander von. Vom Orinoko zum Amazonas: reize in die äquinoktial – gegenden des neuen kontinents.Wiesbaden: F. A. Brockhaus, 1958/1978.

______. Quadros da natureza.trad. Assis Carvalho. São Paulo: Ed. Brasileira, 1950a.v. 1.

______. Quadros da natureza. trad. Assis Carvalho. São Paulo: Ed. Brasileira, 1950b. v. 2.

______. Cosmos: Ensayo de uma descripcion física del mundo. tomos I. Madrid (1851 – 1852). Córdoba, 2005a.

______. Cosmos: Ensayo de uma descripcion física del mundo. tomos II. Madrid (1851 – 1852). Córdoba, 2005b.

MEnDonçA, Francisco de Assis. Geografia e Meio Ambiente. 3. ed. São Paulo: Contexto, 1998.

MoISÉS. Massaud. História da literatura brasileira: romantismo, realismo. São Paulo: Cultrix, 1984.

MorAES, Antonio Carlos robert de. A gênese da geografia moderna. 2. ed. São Paulo: Hucitec, 2002.

nUnES, Benedito. A visão romântica. In: GUInSBUrG, J. (org.). O romantismo. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1985.

PALLArDó, F. Garrido. Los orígenes del romanticismo.Barcelona: Labor, 1968.

PAz, octavio. Os filhos do barro.rio de Janeiro: nova Fronteira, 1984.

PErEIrA, raquel Maria Fontes. Da Geografia que se ensina da gênese da Geografia moderna. Florianopolis: Ed. da UFSC, 1999.

SAFrAnSKI, rϋdiger. Romantik: Eine deutsche Affäre. Mϋnchen: Carl Hanser verlag, 2007.

SCHELLInG, Friedrich Wilhelm Joseph von. Filosofia da Arte.São Paulo: Ed. da USP, 2001.

vESEntInI, José Willian. Geografia, Natureza e Sociedade. São Paulo: Contexto, 1989.

VIttE, Antonio Carlos. Da metafísica da

natureza à gênese da Geografia Moderna. In: vIttE, Antonio Carlos (org.). Contribuições à História e à Epistemologia da Geografia. rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v18i0.13678