GEOGRAFIA E TERRITORIALIDADES NA UMBANDA: USOS E APROPRIAÇÕES DOS ESPAÇOS URBANOS

Sulivan Charles BARROS

Resumo


Os terreiros afro-brasileiros são considerados como espaços sociais, míticos, simbólicos, onde a natureza e seus fiéis se unem para viver uma realidade diferente daquela que o cotidiano ou a sociedade lhes apresenta como o real, na qual as pessoas que o constituem acreditam.  São vistos como lócus da força vital que pode ser conservada, manuseada e transmitida. Suas instalações estão impregnadas do simbolismo religioso e são tidas como extensões da essência vital de suas ‘entidades’ patronas vinculada ao modo de vida urbano, na construção de suas organizações e discursos subalternos e no confronto histórico de suas crenças.

Palavras-chave


cidade; terreiro; simbolismo; umbanda

Texto completo:

PDF

Referências


BARROS, S. C. Brasil Imaginário: umbanda, poder, marginalidade social e possessão. Tese (Doutorado em Sociologia). Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2004.

______ . Encantaria de bárbara soeira: a construção do imaginário do medo em Codó/MA. Dissertação (Mestrado em Sociologia). Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2000.

______ . Urbanização e umbanda: o espaço dos ho-mens e o espaço dos deuses. Monografi a (Graduação em Geografi a). Departamento de Geografi a, Universi-dade de Brasília, Brasília, 1997.

BIRMAN, P. O que é umbanda. São Paulo: Brasiliense, 1985. [Coleção Primeiros Passos].

BRUMANA, F. G.; MARTÍNEZ, E. G. Marginalia sagrada. Campinas: Ed. Unicamp, 1991.

ELIADE, M. Tratado de história das religiões. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

SILVA, V. G. da. Orixás da metrópole. Petrópolis: Vozes, 1995.

VAN GENNEP, A. Ritos de passagem. Petrópolis: Vo-zes, 1978.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v16i0.12678

Direitos autorais

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009