Avaliação de sequências de treino para formação de classes de estímulos equivalentes com função comportamental específica

Camila Maria Silveira Colodetti, Tereza Maria de Azevedo Pires Sério

Resumo


O objetivo foi avaliar os resultados produzidos por sequências de treino para formação de classes de estímulos equivalentes, com função comportamental específica, que se diferem especialmente com relação ao primeiro treino realizado, a saber, discriminação simples ou condicional. Participaram da pesquisa 32 estudantes universitários. Metade deles foi submetida a uma sequência específica de treino que se iniciava com discriminação simples, e a outra metade foi submetida à outra sequência que se iniciava com discriminação condicional. Ambos os grupos passaram pelos dois procedimentos e pela reavaliação do desempenho nos testes das relações emergentes ou discriminação simples. Os resultados mostraram que iniciar o treino com a discriminação simples facilitou o desempenho dos participantes na discriminação condicional, assim como a discriminação condicional também facilitou o desempenho na discriminação simples. Por outro lado, os dados de reavaliação dos testes de equivalência indicaram que, para os participantes que não haviam atingido o critério na primeira aplicação desses testes, o treino em discriminação simples subsequente não gerou aumento nas porcentagens de acerto na reavaliação das relações emergentes.

 


Palavras-chave


equivalência de estímulos; equivalência funcional; sequência de treino

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v21i3.49511

Direitos autorais 2017 Interação em Psicologia

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.