n. 51 - A TESSITURA DO PLANO NACIONAL DO LIVRO E LEITURA (2006-2016) NO BRASIL SOB A INFLUÊNCIA DE ORGANISMOS INTERNACIONAIS

Lidiane Tavares do Nascimento Gomes, Ilma de Andrade Barleta

Resumo


O artigo teve como objetivo analisar as influências de organismos internacionais na constituição da política de leitura no Brasil que originaram o Plano Nacional do Livro e Leitura (2006-2016) no contexto do Estado capitalista. Tratou-se de uma pesquisa bibliográfica e documental, embasada, principalmente, nos estudos de Evangelista (2008; 2009), Croso e Magalhães (2016), Peroni (2018), Avelar (2019), dentre outros, analisados à luz da Análise de Discurso Crítica (ADC). As principais fontes analisadas são documentos oficiais nacionais e de organismos internacionais, como o CERLALC e a OEI. A investigação apontou reflexões relevantes sobre a forma que a Política Nacional de Leitura, atualmente em curso, está organicamente alinhada à lógica global, aos auspícios dos organismos internacionais, especialmente, quando esses documentos orientam para a inserção de representantes da cadeia produtiva do livro na formulação da política de leitura e, como consequência, abrem espaço para a atuação do mercado, por meio do preceito democrático de acesso.


Palavras-chave


política de leitura, organismos internacionais, privatização, PNLL, política educacional.

Texto completo:

PDF

Referências


AVELAR, Marina. O público, o privado e a despolitização nas políticas educacionais. In: CÁSSIO, Fernando (org.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019.

BERNADI, Liane Maria; UCZAK, Lucia Hugo; ROSSI, Alexandre José. Relações do movimento empresarial na política educacional brasileira: a naturalização da associação público-privada. In: PERONI, Vera Maria Vidal; LIMA, Paula Valim de.; KADER, Carolina Rosa (orgs.). Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. São Leopoldo: Oikos, 2018.

CATINI, Carolina. Educação e empreendedorismo da barbárie. In: CÁSSIO, Fernando (org.). Educação contra a barbárie: por escolas democráticas e pela liberdade de ensinar. São Paulo: Boitempo, 2019.

CERLALC. Nueva agenda por el libro y la lectura: recomendaciones para políticas públicas en Iberoamérica. Colômbia: UNESCO, 2013. Disponível em: https://cerlalc.org/pt-br/publicaciones/nueva-agenda-por-el-libro-y-la-lectura-recomendaciones-para-politicas-publicas-en-iberoamerica/. Acesso em: 12 set. 2019.

CROSO, Camilla; MAGALHÃES, Giovanna Modé. Privatização da educação na América Latina e no Caribe: tendências e riscos para os sistemas públicos de ensino. Revista Educação e Sociedade. Campinas, v. 37, n. 134, p. 17-33, jan./mar. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-3302016000100017&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 04 out. 2017.

EVANGELISTA, Olinda. Apontamentos para o trabalho com documentos na política educacional. I Colóquio A pesquisa em trabalho, educação e políticas educacionais. Belém: UFPA, 2009.

EVANGELISTA. Olinda. Qualidade da educação pública: Estado e Organismos Multilateriais. In: LIBÂNEO, José Carlos; SUANNO, Marilza Vanessa Rosa; LIMONTA, Sandra Valéria (orgs.). Qualidade na escola pública: políticas educacionais, didática e formação de professores. Goiânia: Ceped, 2013.

FAIRCLOUGH, Norman. Análise Crítica do Discurso como método em pesquisa social científica. Tradução de Iran Ferreira de Melo. Linha d’água: estudos linguísticos e/ou novas linguagens no ensino. São Paulo: USP, n. 25, v. 2, p. 307-329, 2012.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. 8 ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LEHER, Roberto. Um Novo Senhor da educação? A política educacional do Banco Mundial para a periferia do capitalismo. Outubro Revista. ed. 3, art. 3, p. 19-30, 2015. Disponível em: http://outubrorevista.com.br/wp-content/uploads/2015/02/Revista-Outubro-Edic%CC%A7a%CC%83o-3-Artigo-03.pdf. Acesso em: 01 fev. 2020.

LIMA, Kátia Regina de Souza; MARTINS, André Silva. Pressupostos, princípios e estratégias. In: NEVES, Lúcia Maria Wanderley (org.). A nova pedagogia da hegemonia: estratégias para educar o consenso. São Paulo: Xamã, 2005.

MARQUES NETO, José Castilho. PNLL: textos e história (2006-2010). São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

OEI-CERLALC. Agenda de Políticas Públicas de Lectura. Colômbia: OEI, 2004. Disponível em: https://cerlalc.org/pt-br/publicaciones/agenda-de-politicas-publicas-de-lectura/. Acesso em: 25 jan. 2020.

PERONI, Vera Maria Vidal. Implicações da relação público-privada para a democratização da educação. In: PERONI, Vera Maria Vidal; LIMA, Paula Valim de.; KADER, Carolina Rosa (orgs.). Redefinições das fronteiras entre o público e o privado: implicações para a democratização da educação. São Leopoldo: Oikos, 2018.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/jpe.v14i0.74222

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Publicado pelo Núcleo de Políticas Educacionais (NuPE) e pela linha de pesquisa em Políticas Educacionais do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/UFPR), da Universidade Federal do Paraná (UFPR).

Published by Educational Policies Research Centre (NuPE) and by Educational Policy Research Group at Graduate Program in Education (PPGE / UFPR), Federal University of Paraná (UFPR), Brazil.

Publicado por el Núcleo de Política Educativa (NuPE) y por la línea de investigación en Políticas Educativas del Programa de Posgrado en Educación (PPGE / UFPR), de la Universidad Federal de Paraná (UFPR).

 Contatos: +55 41 35356264

E-mail: jpe@ufpr.br