A PAIXÃO MILITANTE; OS ESCRITOS DE HANNAH ARENDT SOBRE O EU REVOLUCIONÁRIO

Marion Brepohl

Resumo


Partindo de excertos sobre temas como “revolução”, “classe trabalhadora”, “engajamento” e “promessa”, analisados nos livros e artigos de Hannah Arendt, pretendo refletir sobre a figura do eu-revolucionário, ilustrado pela autora em diversos momentos de seu trabalho.

Trata-se do feito extraordinário (ainda que aquele em pequena escala), realizado pelo homem comum, que se destaca devido a seu compromisso, resistência, oposição. O objetivo deste artigo é, a partir de algumas leituras de Hannah Arendt, discutir os sentimentos e sensibilidades que motivam o engajamento político, sua linguagem e dinâmica interna, tanto quanto a quase inevitável oscilação ente o desejo de liberdade e a disposição à obediência, o sincero amor à causa e a tendência à mentira.

 


Palavras-chave


Militância; paixão revolucionária; Hannah Arendt; movimentos sociais; partidos; política

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v66i2.53959

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150