UMA LEITURA DA GREVE DA FORÇA PÚBLICA DE SÃO PAULO (13 E 14 DE JANEIRO DE 1961) – ENTRE O CORPORATIVISMO E A POLÍTICA

André Rosemberg

Resumo


Em janeiro de 1961, os policiais da Força Pública de São Paulo entraram em greve durante dois dias. O ato dramático, em que foi tomado o quartel do Corpo de Bombeiros no centro da capital, e paralisado o serviço em outras companhias, reivindicava aumento salarial e paridade de vencimentos com o quadro do funcionalismo civil. Ainda que inicialmente as demandas dos grevistas fossem de ordem corporativa e profissional, havia um forte aspecto político na paralisação. O evento paredista não pode ser tomado como um ato isolado: ele está plenamente embebido no contexto político-social dos anos que precederam o golpe de 1964.


Palavras-chave


Força Pública; greve; corporativismo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v64i1.47680

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150