OS PROTAGONISMOS DO CRUEL E DO CRU, ANTES DOS FAVORITOS DE FERNÃO LOPES E PERO LOPEZ DE AYALA

Marcella Lopes Guimarães

Resumo


Não é possível ignorar a matéria referente a Castela na Crônica de D.Pedro
de Fernão Lopes. A fonte principal do cronista português foi o texto de Pero
Lopez de Ayala mas, assim como Lopes foi funcionário da nova dinastia, de
Avis, Ayala o foi da dinastia iniciada pelo irmão e assassino de Pedro Cruel,
Henrique Trastâmara. As crônicas de Lopes e Ayala que tematizam a vida
dos dois Pedros, tio e sobrinho, dão-nos um perfil de monarca singular e
semelhante, mesmo levando em consideração o contraste entre o amor pela
justiça do português e os crimes do castelhano. O rei de Portugal teria sido
necessário àqueles tempos, porque ele trabalhava sem cessar pela ordem dos
negócios do reino, e assim o povo perdoava os seus excessos. Entretanto, é
a personalidade excessiva o traço que aproxima Pedro Cru e Pedro Cruel.

Palavras-chave


representação; legitimidade; monarquia medieval; justiça e temperança; representation; legitimacy; medieval monarchy; justice and temperance

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v41i0.4630

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150