COMO UM TEXTO – CONFIGURAÇÕES DA ESCRITA DO MUNICÍPIO COLONIAL

Justino Magalhães

Resumo


A história da administração concelhia é constituída por um elemento externo, dependente do poder central, e por uma internalidade. A fundação do município, como a modernização e o sentido evolutivo da administração e da vida concelhias foram ordenados e ficaram registados pela escrita. O município é constituído por um conjunto de órgãos e oficiais, cuja administração e ordem assentam na escrita. A formalização, a profissionalização, a especialização da escrita concelhia dão sentido ao municipalismo. A escrita foi estruturante da economia, do governo e da administração colonial. O município colonial foi um local e uma instância de representação, organização e ideação. Neste texto, incidir-se-á sobre a escrita municipal, destacando a função do escrivão e caracterizando as dimensões de adequação e configuração, legitimação, expansão, formalização, profissionalização da escrita municipal. Argumentar-se-á que a (re)significação da escrita municipal, particularmente a colonial, foi modelada pela noção de texto, portanto, como um texto. 


Palavras-chave


município colonial; escrivão; escrita municipal.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/his.v60i1.38279

Licença Creative Commons Os textos da revista estão licenciados com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional
 
História: Questões & Debates. ISSN: 0100-6932 e e-ISSN: 2447-8261.
Uma publicação do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR) - com apoio da da Associação Paranaense de História (APAH)

Universidade Federal do Paraná
Rua General Carneiro, 460, 7º andar
Curitiba – Paraná – Brasil - CEP: 80060-150