Revisitando os pressupostos da juristocracia à brasileira: mobilização judicial na Assembleia Constituinte e o fortalecimento do Supremo Tribunal Federal

Flávia Danielle Santiago Lima

Resumo


O trabalho volta-se aos pressupostos da judicialização da política no Brasil, ao questionar os fatores, na Assembleia Nacional Constituinte (1987-1988), que permitiram a expansão do papel institucional do Supremo Tribunal Federal (STF) na futura ordem constitucional. A partir do método dedutivo, parte-se da contribuição de Ran Hirschl (2004), que explica o fortalecimento das cortes, num movimento mundial de relevância dos tribunais, diante das dinâmicas entre os grupos de poder, em sua confiança de que a “juristocracia” lhes seria mais favorável no futuro (autopreservação hegemônica). O autor destaca o papel dos membros das elites jurídicas e judiciais, como parte relevante nesses processos, em sua pretensão de incrementar seu poder e/ou obter reputação internacional. O estudo de caso brasileiro é amparado na revisão de literatura sobre a transição democrática e o processo constituinte, além de pesquisa documental, para identificar a participação, influências e dissensos entre juristas e ministros do STF durante a assembleia, especialmente na Subcomissão do Poder Judiciário e do Ministério Público.

Palavras-chave


Juristocracia brasileira. Transição à democracia. Assembleia Nacional Constituinte. Supremo Tribunal Federal.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANCHES, Sérgio Henrique H. de. Presidencialismo de coalizão: o dilema institucional brasileiro. Dados: Revista de Ciências Sociais, v. 31, n. 1, p. 5-32, 1988.

ALMEIDA, Frederico Normanha Ribeiro de. A nobreza togada: as elites jurídicas e a política da Justiça no Brasil. 2010. Tese (Doutorado em Ciência Política) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

ANDRADE, Louise Dantas de. Agenda-setting: análise do comportamento do Supremo Tribunal Federal no controle concreto de constitucionalidade. Recife: Universidade Católica de Pernambuco (Mestrado em Direito), 2015.

ARTURI, Carlos S. O debate teórico sobre mudança de regime político: o caso brasileiro. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 17, p. 11-31, nov. 2001.

BACKES, Ana Luiza; AZEVEDO, Débora Bithiah de; ARAÚJO, José Cordeiro de (Org.). Audiências públicas na Assembleia Nacional Constituinte – a sociedade na tribuna. Brasília: Edições Câmara, 2009.

BRASIL. Assembleia Nacional Constituinte. Parecer Final do Relator. Disponível em: https://goo.gl/TaO0bP. Acesso em: 12 out. 2016.

BRASIL. Assembleia Nacional Constituinte. Resolução nº 2 de 1987. Dispõe sobre o Regimento Interno da Assembleia Nacional Constituinte. Disponível em: https://goo.gl/LJswGI. Acesso em: 20 dez. 2017.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 24 de fevereiro de 1891. Disponível em: https://goo.gl/sAFzr. Acesso em: 3 nov. 2012.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, de 16 de julho de 1934. Disponível em: https://goo.gl/SsgAZ. Acesso em: 3 nov. 2012.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: https://goo.gl/zaRrL. Acesso em: 3 nov. 2012.

BRASIL. Constituição da República os Estados Unidos do Brasil, de 18 de setembro de 1946. Disponível em: https://goo.gl/glZTW. Acesso em: 3 nov. 2012.

BRASIL. Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro de 1937. Disponível em: https://goo.gl/7CtHjw. Acesso em: 4 nov. 2012.

BRASIL. Decreto nº 848, de 11 de outubro de 1890. Diário Oficial da União. Rio de Janeiro, 1890. Disponível em: https://goo.gl/qonBq2. Acesso em: 15 nov. 2016.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 7, de 13 de abril de 1977. Incorpora ao texto da Constituição Federal disposições relativas ao Poder Judiciário. Disponível em: https://goo.gl/v2QkLn. Acesso em: 11 nov. 2016.

CARVALHO NETO, Ernani Rodrigues de. A ampliação dos legitimados ativos na Constituinte de 1988: revisão judicial e judicialização da política. Revista Brasileira de Estudos Políticos, n. 96, p. 293–325, jul./dez., 2007.

CARVALHO, Ernani Rodrigues de. Revisão abstrata de legislação e judicialização da política no Brasil. São Paulo: USP (Tese de Doutorado), 2005.

CARVALHO, Ernani. Trajetória da revisão de constitucionalidade no desenho institucional brasileiro: tutela, autonomia e judicialização. Sociologias, Porto Alegre, ano 12, n. 23, p. 176-207, jan./abr. 2010.

CARVALHO, Ernani; BARBOSA, Luis Felipe Andrade; GOMES NETO, José Mário Wanderley. OAB e as prerrogativas atípicas na arena política da revisão judicial. Revista Direito GV, São Paulo, p. 69-98, jan-jun., 2014.

CODATO, Adriano Nervo. Uma história política da transição brasileira: da ditadura militar à democracia. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 25, p. 83-106, nov. 2005.

CORRÊA, Oscar Dias. O Supremo Tribunal Federal, corte constitucional do Brasil. Rio de Janeiro: Forense, 1987.

COSTA, Alexandre Araújo; CARVALHO, Alexandre Douglas Zaidan de; FARIAS, Felipe Justino de. Controle de constitucionalidade no Brasil: eficácia das políticas de concentração e seletividade. Revista Direito GV, São Paulo, v. 12, n. 1, p. 155-187, jan./abr. 2016.

CRUZ, Álvaro Ricardo de Souza. Jurisdição constitucional democrática. Belo Horizonte: Del-Rey, 2004.

DELGADO, Tarcisio. A história de um rebelde. Brasília: Fundação Ulysses Guimarães, 2006.

FEREJOHN, John. Judicializing politics, politicizing law. Law and Contemporary Problems, v. 65, n. 3, p. 41-69, 2002.

GOMES, Sandra. O impacto das regras de organização do processo legislativo no comportamento dos parlamentares: um estudo de caso da Assembléia Nacional Constituinte (1987-1988). Dados, Rio de Janeiro, v. 49, n. 1, p. 193-224, 2006.

HIRSCHL, Ran. Towards juristocracy. The origins and consequences of the constitutionalism. Cambridge: Harvard University Press, 2004.

KOERNER, Andrei. Judiciário e cidadania na Constituição da República Brasileira. São Paulo: Hucitec/Departamento de Ciência Política, USP, 1998.

KOERNER, Andrei; FREITAS, Lígia Barros de. O Supremo na constituinte e a constituinte no Supremo. Lua Nova, São Paulo, n. 88, p. 141-184, 2013.

LAMOUNIER, Bolívar (org.). De Geisel a Collor: o balanço da transição. São Paulo: Idesp/Sumaré, 1990.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 5. ed. São Paulo: Unicamp, 2003.

LIMA, Flávia Santiago. Dirigismo e comunitarismo no processo constituinte brasileiro: considerações sobre a opção pelo Estado Democrático e Social de Direito. Revista da AGU, v. 8, n. 21, p. 143–162, jul./set., 2009.

LIMA, Flávia Santiago. Jurisdição constitucional e política: ativismo e autocontenção no STF. Curitiba: Juruá, 2014.

LOUBACK, Joyce. Os conceitos de igualdade, cidadania e democracia nos discursos do campo popular ao longo da Assembleia Constituinte de 1987-1988. Rio de Janeiro: UERJ (Tese de Doutorado), 2016.

PILATTI, Adriano. A Constituinte de 1987-1988 – progressistas, conservadores, ordem econômica e regras do jogo. Rio de Janeiro: PUC, 2008.

PRZEWORSKI, Adam. The Games of Transition. In: MAINWARING, S., O’DONNELL, G. & VALENZUELA, A. Issues in Democratic Consolidation: The New South American Democracies in Comparative Perspective. Notre Dame: University of Notre Dame Press, 1992.

RECONDO, Felipe. Tanques e togas – o STF e a ditadura militar. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

ROCHA, Antônio Sérgio. Genealogia da Constituinte: do autoritarismo à democratização. Revista Lua Nova, n. 88, São Paulo, p. 29-87, 2013.

SADEK, Maria Tereza. A organização do Poder Judiciário no Brasil. SADEK, Maria Tereza (Org.). Uma introdução ao estudo da Justiça. São Paulo: Sumaré, 1995, p. 9-16.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Direito e democracia: a reforma global da justiça. In: PUREZA, José Manuel, FERREIRA, António Casimiro (Org.), A teia global. Movimentos sociais e instituições. Porto: Afrontamento, 2001, p. 125-177.

SOUZA, Márcia Teixeira de. O processo decisório na Constituição de 1988: práticas institucionais. Revista Lua Nova, n. 58, São Paulo, p. 37- 60, 2003.

TAVARES FILHO, Newton. Subcomissão do Poder Judiciário e do Ministério Público. In: BACKES, Ana Luiza; AZEVEDO, Débora Bithiah de; ARAÚJO, José Cordeiro de (Org.). Audiências públicas na Assembleia Nacional Constituinte – a sociedade na tribuna. Brasília: Edições Câmara, 2009, p. 219-238.

TAYLOR, Matthew M. O Judiciário e as políticas públicas no Brasil. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 50, n. 2, p. 229-257, 2007.

VIANNA, Luiz Werneck; BURGOS, Marcelo Baumann; SALLES, Paula Martins. Dezessete anos de judicialização da política. Tempo Social (Revista de Sociologia da USP), v. 19, n. 2, p. 39-85, 2007.

VIEIRA, Oscar Vilhena. Supremo Tribunal Federal. Jurisprudência política. São Paulo: Malheiros, 2002.

VIEIRA, Oscar Vilhena. Supremocracia. Revista Direito GV, v. 4, p. 441-459, 2008.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rfdufpr.v63i2.59168

Revista da Faculdade de Direito UFPR. ISSN: 0104-3315 (impresso) 2236-7284 (eletrônico).