Neoliberalismo e desdemocratização no Brasil (1990 - 2016): Uma leitura a partir dos estudos de Wolfgang Streeck

Maria Raphaela Campello, Brenda Fontana

Resumo


Partindo da análise de Wolfgang Streeck sobre a Europa, este artigo busca demonstrar como o avanço do neoliberalismo no Brasil - a despeito das especificidades de cada caso - teve efeitos igualmente corrosivos para a democracia. A partir da reconstrução histórica das políticas e reformas realizadas por Collor, FHC, Lula e Dilma, observa-se que a cartilha neoliberal, ao mesmo tempo que contribuiu para a desindustrialização de nossa economia, alienou também a população das decisões sobre a condução da política econômica ao longo das três décadas sobre as quais nos debruçamos. Dessa maneira, tal como na Europa, as tentativas estatais de conciliar justiça de mercado e justiça social explicitaram os limites do capitalismo democrático no Brasil.

Palavras-Chave: Neoliberalismo; Democracia brasileira; Capitalismo democrático; Wolfgang Streeck.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAUJO, Cicero; BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Para Além do Capitalismo Neoliberal: As Alternativas Políticas. Dados, v. 61, n. 3, p. 551-579, 2018.

BOITO JR, Armando. As relações de classe na nova fase do neoliberalismo no Brasil. In: CAETANO, G.; MAYA, ML (org.). Sujetos sociales y nuevas formas de protesta en la historia reciente de América Latina. Buenos Aires: CLACSO Libros, p. 271-296, 2006.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A construção política do Brasil: sociedade, economia e Estado desde a Independência. 3a ed. São Paulo: Editora 34, 2016.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A crise financeira global e depois: um novo capitalismo?. Novos estudos CEBRAP, n. 86, p. 51-72, 2010.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. A lógica perversa da estagnação: dívida, déficit e inflação no Brasil. Revista Brasileira de Economia, v. 45, n. 2, p. 187-212, 1991.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos. Modernidade neoliberal. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 29, n. 84, p. 87-102, 2014.

BRESSER-PEREIRA, Luiz Carlos; OREIRO, José Luis; MARCONI, Nelson. Macroeconomia Desenvolvimentista: Teoria e política econômica do novo desenvolvimentismo. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil, 2016.

BRUNO, M. et al. Finance-Led Growth Regime no Brasil: estatuto teórico, evidências empíricas e consequências macroeconômicas. Brazilian Journal of Political Economy, v. 31, n. 5, p. 730-750, 2011.

BRUNO, Miguel. Financeirização e crescimento econômico: o caso do Brasil. ComCiência, n. 128, p. 0-0, 2011.

BRUNO, Miguel; PAULANI, Leda. Developmentalist policies in financialized economies: contradictions and impasses of the Brazilian case. In: Workshop of New Developmentalism: Theory and Policy for Developing Countries, 4, 2019, São Paulo. Disponível em: < https://cnd.fgv.br/sites/cnd.fgv.br/files/Miguel_Bruno_VF.pdf>. Acesso em 3 ago. 2020.

CARVALHO, Laura. Valsa brasileira: do boom ao caos econômico. Editora Todavia SA, 2018.

CHANG, Ha-Joon; GRABEL, Ilene. Reclaiming development: An alternative economic policy manual. Zed Books Ltd., 2014.

CARDOSO, Fernando Henrique. Empresário industrial e desenvolvimento econômico no Brasil. Difusão Européia do Livro, 1972.

DOWBOR, Ladislau. A era do capital improdutivo. São Paulo: Autonomia Literária, 2017.

GREMAUD, Amaury P.; SAES, Flávio A. M de e TONETO JR., Rudinei. Formação Econômica do Brasil. São Paulo: Atlas, 1997.

GRIFFITH-JONES, Stephany; SUNKEL, Osvaldo. O fim de uma ilusão: as crises da dívida e do desenvolvimento na América Latina. São Paulo: Brasiliense, 1990.

HARVEY, David. Introduction. In HARVEY, David (Ed.) A Brief History of Neoliberalism. Nova Iorque: Oxford University Press, 2007, 1-5.

KALECKI, Michal. Political aspects of full employment. The political quarterly, v. 14, n. 4, p. 322-330, 1943.

MACIEL, David. O governo Collor e o neoliberalismo no Brasil (1990-1992). Revista UFG, v. 13, n. 11, 2011.

MORGAN, Marc. Extreme and persistent inequality: New evidence for Brazil Combining National accounts, surveys and fiscal data, 2001-2015. World Inequality Lab Working Papers, 12, 2017.

OREIRO, José Luis. A grande recessão brasileira: diagnóstico e uma agenda de política econômica. Estudos Avançados, v. 31, n. 89, p. 75-88, 2017.

OREIRO, José Luis; D’AGOSTINI, Luciano. Macroeconomic policy regimes, real exchange rate overvaluation, and performance of the Brazilian economy (2003–2015). Journal of Post Keynesian Economics, v. 40, n. 1, p. 27-42, 2017

"O QUE está acontecendo no Brasil é um golpe branco'". Entrevista com Noam Chomsky. Instituto Humanitas Unisinos, 7 jun. 2016. Disponível em:. Acesso em: 9 set. 2020.

PIKETTY, Thomas. O crescimento: ilusões e realidades. In PIKETTY, Thomas (Ed.) O capital no século XXI. Rio de Janeiro: Editora Intrínseca, 2014, 163-243.

RODRIGUES, João. Streeck, Wolfgang (2013), Tempo comprado–A crise adiada do capitalismo democrático. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 101, p. 153-157, 2013.

SINGER, André. Cutucando onças com varas curtas: o ensaio desenvolvimentista no primeiro mandato de Dilma Rousseff (2011-2014). Novos estudos CEBRAP, n. 102, p. 39-67, 2015.

SINGER, André. O lulismo em crise: um quebra-cabeça do período Dilma (2011-2016). Editora Companhia das Letras, 2018. Edição Kindle.

STREECK, Wolfgang; SCHMTTER, P. From national corporatism to transnational pluralism: organized interests in the single European market. Politics & Society, v. 19, n. 2, p. 133-164, 1991.

STREECK, Wolfgang. Taking capitalism seriously: towards an institutionalist approach to contemporary political economy. Socio-Economic Review, v. 9, n. 1, p. 137-167, 2011a.

STREECK, Wolfgang. E pluribus unum? Varieties and commonalities of capitalism. The sociology of economic life, v. 3, p. 419-455, 2011b.

STREECK, Wolfgang. As crises do capitalismo democrático. Novos estudos CEBRAP, n. 92, p. 35-56, 2012a.

STREECK, Wolfgang. How to study contemporary capitalism?. European Journal of Sociology/Archives Européennes de Sociologie, v. 53, n. 1, p. 1-28, 2012b.

STREECK, Wolfgang. Buying time: The delayed crisis of democratic capitalism. Verso Books, 2014.

TARDELLI, Brenno. Análise: Dilma Rousseff foi afastada do cargo sem ter cometido crime de responsabilidade. Justificando, 31 ago.2017. Disponível em: . Acesso em: 9 set. 2020.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cg.v9i2.75800

Apontamentos

  • Não há apontamentos.