A alta das commodities agrícolas e o estabelecimento do milagrinho na economia brasileira do governo Lula

Igor Palma Barbosa

Resumo


O efeito positivo da alta nos preços das commodities agrícolas não é suficiente para explicar a totalidade dos efeitos positivos trazidos pelo “Milagrinho” promovido pelo governo Lula (2003-2010). A maior entrada de divisas e a formação de reservas cambiais via comércio internacional sedimentaram, no primeiro momento, as condições para a dinamização do mercado interno. O setor agrícola, por sua vez, tem sua importância confirmada não só pelos indicadores econômicos como também pela diplomacia comercial da administração petista em foros multilaterais internacionais, como é o caso da atuação brasileira na Rodada Doha da Organização Mundial do Comércio (OMC). Com o objetivo de entender a conexão entre o cenário externo otimista para as economias exportadoras de commodities e seu impacto para as decisões políticas do governo Lula, realizou-se um estudo de caso sobre a administração lulista e foi verificado que políticas de estímulo ao consumo e investimentos públicos atrelados a facilitação do acesso ao crédito, valorização do salário mínimo e criação de programas de transferência de renda, deram a tônica aos avanços sociais alcançados, principalmente, no segundo mandato do governo Lula.

Palavras-Chave: Commodities; Exportações; Crescimento; Mercados.


Texto completo:

PDF

Referências


BIANCARELLI, André M. A Era Lula e sua questão econômica principal: crescimento, mercado interno e distribuição de renda. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 58, pp. 263-288, 2014.

CACCIAMALI, Maria Cristina; TATEI, Fabio. Mercado de trabalho: da euforia do ciclo expansivo e de inclusão social à frustração da recessão econômica. Estudos avançados, v. 30, n. 87, p. 103-121, 2016.

CARVALHO, Laura. Valsa Brasileira: do boom ao caos econômico. São Paulo: Todavia, 1ª Ed., 2018.

CARVALHO, M. I. V. Condicionantes Internacionais e Domésticos: o Brasil e G20 nas Negociações Agrícolas da Rodada Doha. Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 53, nº2, PP. 405-445, 2010.

COSKERAN, Helen; KIM, Dan; NARLIKAR, Amrita. “Trade in manufactures and agricultural products: the dangerous link?”. In: DAUTION, Martin; NARLIKAR, Amrita; STERN, Robert M. (Org.). The Oxford Handbook on the World Trade Organization. New York: Oxford University Press Inc., 2012.

GONÇALVES, P. T. C. Os “jogos ocultos” do brasil e o impasse na OMC: uma análise das negociações multilaterais de comercio de 2008. 2015. 124 f. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas. 2015.

INOCALLA, Ganesh. A participação do Brasil nas negociações agrícolas da Rodada Doha da OMC na era Lula (2003-2010): uma análise da coerência entre os princípios gerais da política externa e a atuação do Brasil. 2013. 154 f. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) – Instituto de Relações Internacionais, Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

MINISTÉRIO DAS RELAÇÕES EXTERIORES. G-20 e a OMC: Textos, Comunicados e Documentos. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2007.

NARLIKAR, Amrita e TUSSIE, Diana. The G20 at the Cancum Ministerial: developing coalitions in tne WTO. Oxford and Buenos Aires. Blackwell Publishing Ltd, 2004.

NARLIKAR, Amrita. “Collective Agency, Systemic Consequences: Bargaining Coalitions in the WTO”. In: DAUTION, Martin; NARLIKAR, Amrita; STERN, Robert M. (Org.). The Oxford Handbook on the World Trade Organization. New York: Oxford University Press Inc., 2012.

OREIRO, José Luis; FEIJÓ, Carmem A. Desindustrialização: conceituação, causas, efeitos e o caso brasileiro. Brazilian Journal of Political Economy, v. 30, n. 2, p. 219-232, 2010.

PABIS, Jonatas Luis. “Acorrentando Gúlliver: a atuação dos BRICS nas negociações sobre agricultura da Rodada Doha da OMC”. In Anuario Mexicano de Derecho Internacional, v.15, n.1, pp. 659-699, 2015.

PEET, Richad. “The World Trade Organization”. In: Unholy Trinity: IMF, World Bank and the WTO. Nova York: PalgraveMacmillan, 2009.

PIMENTA JÚNIOR, José Luiz. Coalizões Internacionais e o G-20: aspectos da liderança brasileira na rodada Doha de desenvolvimento na OMC. 2012. Dissertação (Mestrado em Relações Internacionais) – Instituto de Relações Internacionais, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

RAMANZINI JÚNIOR, Haroldo; LIMA, Thiago. “Diplomacia comercial agrícola: as posições do Brasil na Rodada Doha da OMC”. In. AYERBE, Luis Fernando; BOJIKIAN, Neusa Maria Pereira (Orgs.). Negociações Econômicas Internacionais: Abordagens, atores e perspectivas desde o Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2011.

RAMANZINI JUNIOR, Haroldo; VIANA, Manuela Trindade. Países em desenvolvimento em uma ordem internacional em transformação: coalizões e soluções de disputas na OMC. Revista Brasileira de Política Internacional, Brasília, vol. 55, nº 2, PP. 48-69, 2012.

RAMAZINI JÚNIOR, Haroldo. O Brasil e as negociações no sistema GATT/OMC: uma análise da Rodada do Uruguai e da Rodada Doha. 2012. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.

SERRANO, Franklin; SUMMA, Ricardo. Demanda agregada e a desaceleração do crescimento econômico brasileiro de 2011-2014. Nova Economia, v. 25, pp. 803-833, 2015.

SICSÚ, João. Governos Lula: a era do consumo? BrazilianJournalofPoliticalEconomy/Revista de Economia Política, v. 39, n. 1, pp. 128-151, 2019.

SILVA, José Alderir da; LOURENÇO, André Luís Cabral de. Restrição Externa: A Economia Brasileira na Década Recente e o Modelo de Thirlwall. Revista Economia & Tecnologia, v. 10, n. 4, pp.9-35, 2014.

SILVA, L. A. F. da; CUNHA, Marcelo Pereira da. Preço internacional das Commodities e impactos na atividade econômica brasileira: Simulações por equilíbrio geral computável. Revista ESPACIOS, v. 37, n. 30, pp. 29-46, 2016.

SILVA, L. A. F. da; LOPREATO, F. L. C. Comércio internacional brasileiro: Considerações para os setores industriais e de commodities. Revista ESPACIOS, v. 38 n.9, pp. 10-23, 2017.

WASQUES, Renato Nataniel; TRINTIN, Jaime Graciano. “Doença Holandesa”: aspectos teóricos e evidências empíricas para a economia brasileira. Revista de Estudos Sociais, v. 20, n. 41, pp. 160-186, 2018.

WILKINSON, Rorden. Crisis in Cancun. Global Governance, v. 10, n. 2, p. 149-155, 2004.

WILKINSON, Rorden. The WTO in Hong Kong: what it really means for the Doha Development Agenda. New Political Economy, v. 11, n. 2, p. 291-304, 2006.

WILKINSON, Rorden. What's Wrong with the WTO and How to Fix It. John Wiley & Sons, 2014a.

WILKINSON, Rorden .“Emerging powers and the Governance of Global Trade”. In. PAYNE, A. J.; PHILLIPS, N. (Orgs.). The Handbook of the International Political Economy of Governance. Cheltenham: Edward Elgar, 2014b.

WILKINSON, Rorden. Conclusions: Emerging Powers in the WTO–Beware the Glass Ceiling. International Negotiation, v. 21, n. 2, p. 327-341, 2016.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cg.v9i2.75712

Apontamentos

  • Não há apontamentos.