Segurança na União Europeia e UNASUL: entre o institucionalismo e o cosmopolitismo

Demetrius Cesário Pereira, Rafael Assumpção Rocha

Resumo


O presente artigo pretende analisar se a supranacionalização da UE e da UNASUL em termos políticos foi acompanhada de controles democráticos por meio de parlamentos regionais, na formulação e implementação da política de segurança de ambos os blocos. Para tal, utilizam-se as teorias institucionalistas e cosmopolitas, com suas visões de supranacionalidade e democracia aplicadas às relações internacionais. Desse modo, primeiramente discute-se a escola liberal-institucionalista com seu conceito de supranacionalidade, seguido das aspirações democráticas do cosmopolitismo, para então aplicar tais teorizações à UE e à UNASUL. Com isso, corrobora-se a hipótese de que a UE seria mais supranacional e democrática que a UNASUL em termos de segurança.

Palavras-chave: UNASUL; União Europeia; segurança.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cg.v4i3.45388

Apontamentos

  • Não há apontamentos.