Defesa Cibernética – Um Caminho para Securitização?

Caroline Cordeiro, Ricardo Prins

Resumo


O presente artigo tem como objetivo geral entender se a defesa cibernética brasileira sinaliza um processo de securitização. De maneira mais específica os objetivos são entender o processo de securitização da Escola de Copenhague e analisar a política brasileira cibernética aplicada à teoria. O principal resultado atingido é que a defesa cibernética está politizada.

Palavras-chave: Escola de Copenhague; defesa cibernética; politização.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cg.v2i4.35600

Apontamentos

  • Não há apontamentos.