SISTEMATIZAÇÃO DA ALTA DE ENFERMAGEM - UMA ANÁLISE FUNDAMENTADA EM ROY

Emanuelle Caires Dias Araújo Nunes, Nilton Alves de Menezes Filho

Resumo


O estudo objetivou analisar o processo de sistematização da alta hospitalar a partir Modelo de Adaptação de Roy. Trata-se de estudo qualitativo, desenvolvido em hospital público do interior da Bahia com 12 sujeitos entre enfermeiros e pessoas/famílias, delimitados pela saturação dos dados. A coleta, realizada de junho a agosto de 2015, envolveu entrevista semiestruturada e observação não participante da equipe de enfermagem com dados tratados mediante análise temática. Os resultados foram organizados em 05 eixos: avaliação do comportamento da pessoa; avaliação dos estímulos da pessoa; estabelecimento de objetivos para alta; intervenção preparatória para alta; e avaliação do processo de alta. Os eixos foram apresentados em três ângulos: o dito, o executado e o esperado. Conclui-se que ainda é incipiente o planejamento e intervenção da alta, sugerindo aos profissionais a necessidade de sistematização do “Plano de Alta de Enfermagem” a partir de Roy.

Palavras-chave


Enfermagem; Planejamento; Alta do paciente; Adaptação; Assistência integral à saúde.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


Potter PA, Perry AG. Fundamentos de Enfermagem. 8a ed. Rio de Janeiro, Elsevier, 2013.

Harkreader H. Fundamentals of nursing: caring and clinical judgment. 3rd Philadelphia, Pennsylvania,USA: W.B Saunders Company, 2007.

Brasil, Conselho Federal de Enfermagem. Portaria n°358, de 15 de outubro de 2009. Sistematização da Assistência de Enfermagem e a implementação do Processo de Enfermagem em ambientes, públicos ou privados, em que ocorre o cuidado profissional de Enfermagem, e dá outras providências. Disponível em< http://www.cofen.gov.br/resoluo-cofen-3582009_4384.html> Acesso em 15 de novembro de 2015.

Maria MA, Quadros FAA, Grassi MFO. Sistematização da assistência de enfermagem em serviços de urgência e emergência: viabilidade de implantação. Revista Brasileira Enfermagem, Brasília, v. 65, n. 2, p. 297-303, 2012. Disponível em: Acesso em 22 de maio de 2015.

Kripalani S, Theobald CN, Anctil B, Vasilevskis EE. Reducing hospital readmission rates: current strategies and future directions. Annu Rev Med. 2014;65:471–85. doi: 10.1146/annurev-med-022613-090415. Disponível em: < http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4104507/> Acesso em: 15 de julho de 2015.

Cheade MFM et al. Residência multiprofissional em saúde: a busca pela integralidade. Cogitare Enfermagem, Paraná, v. 18, n. 3, p. 592-95, 2013. Disponível em:< http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs/index.php/cogitare/article/view/33577/21075> Acesso em 18 de maio de 2015.

Roy C, Andrews HA. Teoria da Enfermagem: Modelo de Adaptação de Roy. Porto Alegre, 1999.

Cruz AMP, Almeida MA. Competências na formação de Técnicos de Enfermagem para implementar a Sistematização da Assistência de Enfermagem. Rev Esc Enferm USP, São Paulo v. 44, n. 4, p. 921-7, 2010. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v44n4/09.pdf> Acesso em 16 de julho de 2014.

Silva EGC et al. O conhecimento do enfermeiro sobre a Sistematização da Assistência de Enfermagem: da teoria à prática. Revista Escola de Enfermagem USP, São Paulo v. 45, n. 6, p. 1380-6, 2011. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n6/v45n6a15.pdf> Acesso em 10 de junho de 2014

Freitas LM, Goes VMA, Fátima LA. Diagnóstico de enfermagem Risco de quedas: prevalência e perfil clínico de pacientes hospitalizados. Rev. Latino-Am. Enfermagem [Internet]. 2014 Apr [cited 2016 Jan 20] ; 22( 2 ): 262-268. Available from: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-11692014000200262&lng=en. http://dx.doi.org/10.1590/0104-1169.3250.2411.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: Pesquisa Qualitativa em Saúde. São Paulo, Hucitec, 2007.

Coelho SMS, Mendes IMDM. Da pesquisa à prática de enfermagem aplicando o modelo de adaptação de Roy. Esc Anna Nery, Rio de Janeiro, v. 15, p. 845-50, 2011. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/ean/v15n4/a26v15n4.pdf> Acesso em 27 de julho de 2014.

Delatorre GP, Chaves Sá SP, Valente GSC, Silvino ZR. Planejamento para a alta hospitalar como estratégia de cuidado de enfermagem: revisão integrativa. Rev enferm UFPE, 2013; 7 (esp): 7151-9.

Costa IKF et al. Pessoas com úlceras venosas: estudo do modo psicossocial do Modelo Adaptativo de Roy. Rev Gaúcha Enferm. 2011; 32 (3): 561-8. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/rgenf/v32n3/18.pdf> Acesso em 29 de junho de 2014.

Bragstad LK, Kirkevold M, Foss C. The indispensable intermediaries: a qualitative study of informal caregivers’ struggle to achieve influence at and after hospital discharge. Health Services Research 2014, 14:331 Disponível em:< http://www.biomedcentral.com/1472-6963/14/331>. Acesso em: 28 de julho de 2015.

Medeiros AL, Santos SR. Cabral RW. Sistematização da assistência de enfermagem na perspectiva dos Enfermeiros: uma abordagem metodológica na teoria fundamentada. Revista Gaúcha Enfermagem. 2012. 33 (3): 174-18. Disponível em: Acesso em 02 de junho de 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/ce.v21i2.45875 ';





Em caso de dificuldades ou dúvidas técnicas, faça contato com cogitare@ufpr.br

Versão impressa ISSN 1414-8536 (para edições publicadas até 2014)

Versão eletrônica ISSN 2176-9133