Etnografias em contextos pedagógicos: formar docentes, ensinar antropologia, rever epistemologias

Juliane Bazzo, Eva Scheliga

Resumo


Nesta terceira e última parte do dossiê Etnografias em contextos pedagógicos, discorremos sobre as contribuições dos artigos a duas frentes de pesquisa tidas por clássicas na Antropologia da Educação realizada no Brasil: a escolarização intercultural indígena, bem como a formação para docência no Ensino Básico de maneira sensível à alteridade como questão. Adicionalmente, apresentamos textos com aportes aos debates sobre ensino da Antropologia em nível superior no país, um domínio investigativo que, embora não seja novo, vem revelando singular frescor, como consequência de reviravoltas empíricas na contemporaneidade. Dentre estas, assinalamos a interiorização do Ensino Superior, as interpelações por uma educação decolonial e a efervescência da prática da etnografia em universos pedagógicos formais.

Palavras-chave


educação escolar indígena; formação docente; etnografia escolar; ensino de Antropologia

Texto completo:

PDF

Referências


Baniwa, G. (2019). Educação escolar indígena no século XXI: encantos e desencantos. Rio de Janeiro: Mórula, Laced.

Bazzo, J., & Scheliga, E. (2020). Etnografias em contextos pedagógicos: alteridades, agências e insurgências. Campos - Revista de Antropologia, 21(2), 11-27. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v21i2.79672

Brasil. (2020). Ministério da Educação. Parfor. https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/parfor. Acesso em: 18/10/2021.

Buti, R. P. (2021). História quilombola no chão: No caminho para o ensino de uma antropologia imersa na vida. Novos Debates, 7(1), e7126. https://doi.org/10.48006/2358-0097-7126

Carniel, F., & Thomaz, D. (2021). Quando o campo é o estágio: etnografia e formação docente. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 115-131. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.72968

Castro, M. Z. G. de. (2021). O professor-liderança Huni Kuin e os seus contextos de atuação: Uma etnografia das relações. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 51-75. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.73388

Coelho, E., Paladino, M., & García, S. (2010). Apresentação: Povos indígenas e processos educacionais. Revista Pós Ciências Sociais, 1, 9-16. http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/rpcsoc/article/view/490

Colares, P. (2021) Sobre a escola na produção da vida em comunidade: experiências ashaninka no rio Amônia. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 28-50. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.74154

Couceiro, L. (2021). Briga de galos no Maranhão: didáticas através de apropriações de textos de antropologia. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 176-197. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.72728

Dauster, T. (2004). “Entre a Antropologia e a Educação” – a produção de um diálogo imprescindível e de um conhecimento híbrido. Ilha, 6(1-2), 197-207. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/16610/15272

Dauster, T. O universo da escola e dos profissionais da área da educação: tensões e proximidades entre a antropologia e a educação. In S. L. Guedes & T. A. Cipiniuk (eds). Abordagens etnográficas sobre educação: adentrando os muros das escolas (pp. 25-36). Niterói: Alternativa.

Foucault, M. (1999 [1975]). Disciplina. In Vigiar e punir: nascimento da prisão (pp. 115-192). Petrópolis: Vozes.

Gama, F., & Fleischer, S. (2016). Na cozinha da pesquisa: relato de experiência na disciplina “Métodos e Técnicas em Antropologia Social”. Cadernos de Arte e Antropologia, 5(2), 109-127. https://doi.org/10.4000/cadernosaa.1145

Geertz, C. (2008 [1973]). Um jogo absorvente: notas sobre a briga de galos balinesa. In A interpretação das culturas (pp. 185-213). São Paulo: LTC Editora.

Gow, P. (1991). Of Mixed Blood. Kinship and History in Peruvian Amazonia. Oxford: Clarendon.

Groisman, A. (2006). Ensino de Antropologia em “outros cursos”. In M. P. Grossi, A. Tassinari, & C. Rial (eds). Ensino de Antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além fronteiras (pp. 333-349). Blumenau: Nova Letra.

Grossi, M. P. (2004). A dor da tese. Ilha, 6(1-2), 221-232. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/16680/15274

Grossi, M. P., Tassinari, A., & Rial, C. (eds). (2006). Ensino de Antropologia no Brasil: formação, práticas disciplinares e além fronteiras. Blumenau: Nova Letra.

Guedes, S. (2004). Produzir antropólogos: algumas reflexões. Ilha, 6(1-2), 185-196. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/16609

Gusmão, N. (2014). Trajetória, percalços e conquistas da antropologia da educação no Brasil. In S. L. Guedes & T. A. Cipiniuk (eds). Abordagens etnográficas sobre educação: adentrando os muros das escolas (pp. 13-24). Niterói: Alternativa.

Horta, A., & Bongianino, C. F. (2021). Para aprender e ensinar antropologias. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 198-219. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.73285

Ingold, T. (2018). Anthropology and/as education. London, New York: Routledge.

Jesus de Santana, J. V., & Cohn, C. (2017). Antropologia, etnografia e educação: questões de/para a pesquisa a partir da etnologia indígena. Práxis Educacional, 13(25), 112-138. https://doi.org/10.22481/praxis.v13i25.956

Leal, N. S., Vega Sanabria, G., & Cariaga, D. (2021). Apresentação do Dossiê “Novas universidades, novos campi, novas antropologias: docências, alteridades e expansão do Ensino Superior no Brasil”. Anuário Antropológico, I (1), 25-38. https://doi.org/10.4000/aa.7652

Lins de Barros, M. (2004). Até onde vai o olhar antropológico? Ilha, 6(1-2), 145-163. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/16600

Magnani, J. G. (2002). De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17(49), 11-29. https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000200002

Moraes, V. C. (2021). A importância da escola no processo de afirmação da identidade linguística Kiriri. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 76-96. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.73401

Oliveira, A. (2021a). A alteridade na pesquisa escolar: apontamentos a partir de um trabalho de campo em escolas uruguaias. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 97-114. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.72163

Oliveira, A. (2021b). Uma análise da antropologia da educação nas Reuniões Brasileiras de Antropologia (2000-2020). Educação e Pesquisa, 47, e224182. https://doi.org/10.1590/S1678-4634202147224182

Oliveira, A., & Brum, C. (2015). Apresentação: Ensino de Antropologia no Brasil. Revista Café com Sociologia, 4(2), 35-40. https://revistacafecomsociologia.com/revista/index.php/revista/article/view/526

Oliveira, A. A. de, & Borba, C. dos A. (2021). Quem é negra, quem é branca, quem fala, quem pode falar: etnografia de mulheres negras em uma turma de formação de docentes. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 132-152. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.74150

Ortner, S. B. (2016). Dark anthropology and its others: Theory since the eighties. Hau: Journal of Ethnographic Theory, 6(1), 47-73. https://doi.org/10.14318/hau6.1.004

Pavão, A. (2021). Professores comprometidos: a interação social na orientação de trabalhos de conclusão de curso. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 153-175. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.74225

Peirano, M. (2000). A Antropologia como ciência social no Brasil. Etnográfica, IV(2), 219-232.

Peirano, M. (2004). A teoria vivida – reflexões sobre a orientação em antropologia. Ilha, 6(1-2), 209-218. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/16679

Pinheiro, M. F. C. (2021). Perspectivas para o ensino de

Antropologia no curso de Design de Moda. Campos – Revista de Antropologia, 22(2), 220-245. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.71819

Sartori, A. (2010). A “experiência” como mediadora no ensino da antropologia para quem não vai ser antropólogo (Tese de doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Scheliga, E., & Bazzo, J. (2021). Etnografias em contextos pedagógicos: alteridades em jogo. Campos – Revista de Antropologia, 22(1), 11-32. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i1.80837

Scott, P. (2004). Pontos críticos e poder convergente no processo de orientação: fábulas, casos, palcos e bastidores. Ilha, 6(1-2), 165-183. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/16608/15270

Sennett. R. (2003). A corrosão do caráter: as consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. 7ª ed. Rio de Janeiro: Record.

Simião, D. S., & Feldman-Bianco, B. (eds). (2018). O campo da Antropologia no Brasil: retrospectiva, alcances e desafios. Rio de Janeiro: Associação Brasileira de Antropologia.

Silva, A. L., & Ferreira, M. K. L. (orgs.). (2001). Antropologia, história e educação. São Paulo: Global.

Souza Lima, A. C. (2012). Nota sobre a organização. In Antropologia & Direito: temas antropológicos para estudos jurídicos (pp. 23-31). Blumenau: Associação Brasileira de Antropologia, Laced, Nova Letra.

Taddei, R., & Gamboggi, A. L. (2016). Educação, antropologia, ontologias. Educação e Pesquisa, 42(1), 27-38. https://doi.org/10.1590/s1517-9702201506134264

Tassinari, A. (2008). A educação escolar indígena no contexto da Antropologia brasileira. Ilha, 10(1), 217-244. https://doi.org/10.5007/2175-8034.2008v10n1p217

Tassinari, A., Grando, B. S., & Albuquerque, M. A. (orgs.). (2012). Educação indígena: reflexões sobre noções nativas de infância, aprendizagem e escolarização. Florianópolis: Editora UFSC.

Tavares, F., Guedes, S. L., & Caroso, C. (eds). (2010). Experiências de ensino e prática em Antropologia no Brasil. Brasília: Ícone Gráfica e Editora.

Todorov, T. (1983). A conquista da América: a questão do outro. São Paulo: Martins Fontes.

Vega Sanabria, G., & Duarte, L. F. D. (2019). O ensino de Antropologia e a formação de antropólogos no Brasil hoje: de tema primordial a campo (possível) de pesquisa (antropológica). BIB, 90, 1-32.

http://anpocs.com/images/BIB/n90/Guillermo_Luis_BIB_0009010_RP.pdf

Vega Sanabria, G.; Santos, S. B. dos; Bazzo, J.; Campoy, L.; Greco, L; Bolletin, P. (orgs). (2021). Aprendendo e ensinando Antropologia durante a pandemia: dilemas, desafios e oportunidades. Webinário da Associação Brasileira de Antropologia (ABA), 13 out. https://youtu.be/OC-8GfCfJn0?list=PLobe-LHB675-rntnjUaTuKaRzNBY07e3U

Velho, G. (2004). Orientação e parceria intelectual: dilemas e perspectivas. Ilha, 6(1-2), 135 - 143. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/16599




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.83524

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM