Lideranças, fala e ação política entre os Guarani Mbya

Lucas Keese dos Santos

Resumo


O presente artigo se constitui de fragmentos etnográficos e breves análises sobre modos de relacionar fala, parentesco e alteridade no âmbito da ação política realizada por lideranças guarani. Recolhidos entre os Guarani Mbya da região sul e sudeste do Brasil e com maior enfoque no estado de São Paulo, em encontros realizados entre os anos de 2015 e 2020, tais fragmentos apontam para a centralidade da fala e o uso diplomático que os Guarani Mbya dela fazem para agir entre os seus e entre os outros, notadamente em suas relações com os não indígenas, chamados genericamente por eles de jurua kuery.


Palavras-chave


Guarani Mbya, Antropologia política; Formas políticas ameríndias; resistência indígena; lideranças indígenas

Texto completo:

PDF

Referências


Bertoni, M. S. (1920). Aperçue ethnographique préliminaire du Paraguay Oriental & du Haut Parana: égard surtout aux nations ou partialités indiennes les moins connues. Mémoire présenté au Congrès des Américanistes de Rio de Janeiro. Puerto Bertoni: Imprenta y Edicción Ex Sylvis.

Bertoni, M. S. (1922). La civilización Guaraní. Parte I: Etnologia: origen, extensión y cultura de la raza Karaí-Guaraní y protohistoria de los Guaraníes. Puerto Bertoni: Imprenta y Edicción Ex Sylvis.

Cadogan, L. (1997 [1959]). Ayvu Rapyta: textos míticos de los Mbyá-Guaraní del Guairá. Assunção: Fundación León Cadogan/ Ceaduc/ Cepag.

Cariaga, D. (2019). Relações e diferenças: a ação política kaiowa e suas partes. (Tese de Doutorado). Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Carneiro da Cunha, M. (2009 [1981]). Cultura com aspas. São Paulo: Cosac Naify.

Clastres, H. (1978). A terra sem mal. São Paulo: Brasiliense.

Clastres, P. (1990 [1974]). A fala sagrada: mitos e cantos sagrados dos índios Guarani. Campinas: Papirus.

Clastres, P. (2003 [1974]). A sociedade contra o Estado. São Paulo: Cosac Naify.

Clastres, P. (2004 [1980]). A arqueologia da violência. São Paulo: Cosac Naify.

Fausto, C. (2005). Se Deus fosse jaguar: canibalismo e cristianismo entre os Guarani (séculos xvi-xx). Mana, 11(2), 385-418. https://doi.org/10.1590/S0104-93132005000200003

Gallois, D. T. (2001). Essa incansável tradução [entrevista realizada por Evelyn Schuler, Florencia Ferrari, Renato Sztutman e Valéria Macedo]. Sexta-feira, 6, 103-119. http://www.usp.br/revistasexta/ed_06.html

Gibran, P., Vanzolini, M. & Sztutman, R. (2020). Diplomacias cosmopolíticas e os desafios da linguagem: perspectivas das terras baixas sul-americanas. Campos - Revista de Antropologia, 21(1), 09-19. http://dx.doi.org/10.5380/cra.v21i1.76606

Goldman, M. & Lima, T. S. (2001) Pierre Clastres, etnólogo da América. Sexta-feira, 6, 291-311. http://www.usp.br/revistasexta/ed_06.html

Heurich, G. O. (2011). Outras alegrias: parentesco e festas mbya. (Dissertação de Mestrado). Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Latour, B. & Weibel, P. (org.) (2005). Making things public: atmospheres of democracy. Cambridge: MIT Press.

Lévi-Strauss, C. (2006 [1968]). Mitológicas III: a origem dos modos à mesa. São Paulo: Cosac Naify.

Keese dos Santos, L. (2021). A esquiva do xondaro – movimento e ação política guarani mbya. São Paulo: Elefante (no prelo).

Macedo, V. M. de. (2009). Nexos da diferença: cultura e afecção em uma aldeia Guarani na Serra do Mar. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Macedo, V. (2011). Jepota e aguyje entre os Guarani: o desejo da carne e da palavra. Anais do 35º Encontro Anual da Anpocs, Caxambu: Associação Nacional de Pesquisa em Ciências Sociais.

Monteiro, J. M. (1994). Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras.

Morais, B. M. (2017). Do corpo ao pó: crônicas da territorialidade Kaiowá e Guarani nas adjacências da morte. São Paulo: Elefante.

Pereira, V. C. (2019). O lugar do tabaco: Cachimbo e xamanismo mbya guarani. Revista de Antropologia, 62(2), 323 - 349. https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/161082

Pereira, V. C. (2018). Comissão Guarani Yvyrupa Mobilização (Cosmo)Política Mbya Guarani. Mundaú , 4, 104-120. https://www.seer.ufal.br/index.php/revistamundau/article/view/4057

Pereira, V. C. (2014). Aqueles que não vemos: etnografia das relações de alteridade entre os Mbya Guarani. (Tese de Doutorado). Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal Fluminense, Niterói.

Perrone-Moisés, B. (2018). Festa e guerra. (Tese de Livre docência). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Pierri, D. C. (2018). O perecível e o imperecível: reflexões guarani mbya sobre a existência. São Paulo: Elefante.

Pimentel, S. K. (2012). Elementos para uma teoria política kaiowá e guarani. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Schaden, E. (1974). Aspectos fundamentais da cultura Guaraní. São Paulo: Edusp.

Schuler Zea, E. (2010). Por caminhos laterais: modos de relação entre os Waiwai no Norte Amazônico. Antropologia em Primeira Mão, 119, 1-21.

Seraguza, L. (2013). Cosmos, corpos e mulheres Kaiowá e Guarani: de Aña à Kuña. (Dissertação de Mestrado). Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados.

Testa, A. Q. (2014). Caminhos de saberes Guarani Mbya: modos de criar, crescer e comunicar. (Tese de Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Valiente, C. A. (2019). Modos de produção de coletivos kaiowá na situação atual da Reserva de Amambai, MS. 192 f. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados.

Viveiros de Castro, E. (2002) A inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac Naify.

Wagner, R. (1991). The fractal person. In: M. Godelier & M. Strathern (orgs.). Big men and great men: personifications of power in Melanesia (Pp. 159-173). Cambridge: Cambridge University Press.

Xondaro Mbaraete: a força do xondaro (2013). São Paulo: CTI/ IPHAN/ CGY.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i1.76966

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista