Disputas por modos de reconhecimento em políticas afirmativas no Ensino Superior brasileiro

Judit Gomes da Silva

Resumo


Neste artigo, problematizo as disputas ocorridas em diferentes momentos acerca dos mecanismos de reconhecimento de pessoas autodeclaradas negras e indígenas para o ingresso estudantil na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), por meio de políticas afirmativas. Busco evidenciar o modo como, em 2013, coletivos de estudantes negras e indígenas tensionaram a decisão do Conselho Universitário sobre as comissões de validação de autodeclaração. Em 2017, esses coletivos voltaram a se mobilizar em torno de nova decisão do Conselho a esse respeito, porém, em assembleias estudantis e audiência pública. Trata-se de uma etnografia baseada em trabalho de campo realizado na UFSC entre 2017 e 2018, bem como na observação das sessões do Conselho que trataram das políticas afirmativas, disponíveis on-line, no período de 2012 a 2017. As disputas evidenciaram os agenciamentos desses estudantes pelo controle da política e suas perspectivas distintas em relação aos modos de reconhecimento.

 

 


Palavras-chave


Ensino Superior; Políticas Afirmativas; Comissões de Validação de Autodeclaração; Modos de Reconhecimento; Direito à Educação; Processos de Decisão

Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, M. W. B. (2003). Relativismo antropológico e objetividade etnográfica. Campos, 3, 9-29. http://dx.doi.org/10.5380/cam.v3i0.1585

Almeida, S. L. (2018). Racismo estrutural. Belo Horizonte: Letramento.

Anjos, J. C. (2005). O tribunal dos tribunais: onde se julgam aqueles que julgam raças. Horizontes Antropológicos, 11(23), 232-36. https://doi.org/10.1590/S0104-71832005000100017

Bevilaqua, C. B. (2005a). A implantação do “Plano de Metas de Inclusão Racial e Social” na Universidade Federal do Paraná. Relatório. Disponível em: http://flacso.redelivre.org.br/files/2012/07/503.pdf

Bevilaqua, C. B. (2005b). Entre o previsível e o contingente: etnografia do processo de decisão sobre uma política de ação afirmativa. Revista de Antropologia, 48(1), 171-225. https://doi.org/10.1590/S0034-77012005000100005

Brasil. (2002). Decreto Legislativo nº 143, de 20 de junho de 2002. Aprova o texto da Convenção nº 169 da Organização Internacional do Trabalho sobre os povos indígenas e tribais em países independentes. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decleg/2002/decretolegislativo-143-20-junho-2002-458771-convencao-1-pl.html

Brasil. Supremo Tribunal Federal. (2012a). Arguição de descumprimento de Preceito Fundamental 186 Distrito Federal. Inteiro Teor do Acórdão. 223p. Disponível em: https://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=TP&docID=6984693

Brasil. Presidência da República. (2012b). Lei nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/

lei/l12711.htm

Brasil. Presidência da República. (2014). Lei nº 12.990, de 9 de junho 2014. Reserva aos negros 20% (vinte por cento) das vagas oferecidas nos concursos públicos. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l12990.htm

Cardoso de Oliveira, L. R. (2011). Direito legal e insulto moral. Dilemas da cidadania no Brasil, Quebec e EUA. Rio de Janeiro: Editora Garamond.

Carvalho, J. J. (2005). Usos e abusos da antropologia em um contexto de tensão racial: o caso das cotas para negros na UnB. Horizontes Antropológicos, 11(23), 237-46. https://doi.org/10.1590/S0104-71832005000100018

Carvalho, J. J. (2007). O confinamento racial do mundo acadêmico brasileiro. PADÊ, 1(1), 31-50. https://doi.org/10.5102/pade.v1i1.144

Carvalho, M. R. G. (2005). Breves reflexões suscitadas pelo artigo “Política de Cotas Raciais, os olhos da sociedade e os usos da antropologia: o caso do vestibular da Universidade de Brasília (UnB)”. Horizontes Antropológicos, 11(23), 264-67. https://doi.org/10.1590/S0104-71832005000100024

Corrêa, M. (2005). Os ciclistas de Brasília. Horizontes Antropológicos, 11(23), 268-70. https://doi.org/10.1590/S0104-71832005000100025

Democratas. (2009). Arguição de descumprimento de Preceito Fundamental - ADPF 186. Brasília-DF. 612p. Disponível em: http://www.stf.jus.br/portal/geralverPdfPaginado.asp?id=400108&tipo=TP&descricao=ADPF%2F186

Dias, G. R. M., & Tavares Jr., P. R. F. (org). (2018). Heteroidentificação e cotas raciais: dúvidas, metodologias e procedimentos. Canoas: IFRS.

Estudantes Indígenas na UFSC – EI-UFSC (2017). Ata da Assembleia da Comunidade Acadêmica Indígena da Universidade Federal de Santa Catarina, de 25 de setembro de 2017. Disponível em:https://www.facebook.com/groups/485184818337321.

Feres Jr., J., & Daflon, V. T. (2012). Políticas da igualdade racial no Ensino Superior. Cadernos do Desenvolvimento Fluminense, 5(5), 31-43. https://doi.org/10.12957/cdf.2014.14229

Fry, P. (2005). Ossos do ofício. Horizontes Antropológicos, 11(23), 271-72. https://doi.org/10.1590/

S0104-71832005000100026

Lewandowski, A. (2014). O Direito em última instância: uma etnografia do Supremo Tribunal Federal (Tese de Doutorado). Universidade de Brasília, Brasília.

Lewandowski, R. (2012). Arguição de descumprimento de Preceito Fundamental 186. Voto do relator. 47p. Supremo Tribunal Federal, Brasília. Disponível em: http://www.stf.jus.br/arquivo/cms/noticia-NoticiaStf/anexo/ADPF186RL.pdf

Maggie, Y. (2005). Políticas de cotas e o vestibular da UnB ou a marca que cria sociedades divididas. Horizontes Antropológicos, 11(23), 286-91. https://doi.org/10.1590S0104-71832005000100029

Maio, M. C., & Santos, R. V. (2005). Política de cotas raciais, os “olhos da sociedade” e os usos da antropologia: o caso do vestibular da Universidade de Brasília (UnB). Horizontes Antropológicos, 11(23), 181-214. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832005000100011

Marques, E. P. S. (org). (2019). A importância das comissões de heteroidentificação para a garantia das ações afirmativas destinadas aos negros e negras nas universidades públicas brasileiras. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros – ABPN, 11(29), 04-07. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/747

Movimento Negro em Defesa das Cotas – MNDC. (2017). Nota de repúdio às ações da SAAD. Disponível em: https://www.facebook.com/ufscnegra/posts/715288422003684. Acesso em 23 nov.2017.

Munanga, K. (1999). Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Petrópolis: Editora Vozes.

Munanga, K. (2004). A difícil tarefa de definir quem é negro no Brasil. Estudos Avançados, 18(50), 51-66. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40142004000100005

Munanga, K. (2006). Algumas considerações sobre “raça”, ação afirmativa e identidade negra no Brasil: fundamentos antropológicos. Revista USP, 68, 46-57. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9036.v0i68p46-57

Munanga, K. (2007). Políticas de ação afirmativa em benefício da população negra no Brasil: um ponto de vista em defesa de cotas. Sociedade e Cultura, 4(2), 31-43. https://doi.org/10.5216/sec.v4i2.515

Passos, J. C. (2019). A atuação da comissão de validação de autodeclarados negros da UFSC: uma experiência político-pedagógica. Revista da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros – ABPN, 11(29), 136-158. Disponível em: https://abpnrevista.org.br/index.php/site/article/view/756

Ribeiro, D. (2017). Lugar de fala. Belo Horizonte: Letramento.

Ribeiro, G. L. (2005). O mestiço no armário e o triângulo negro no atlântico. Para um multiculturalismo híbrido. Horizontes Antropológicos, 11(23), 228-31. https://doi.org/10.1590/S0104-

Schwarcz, L. M. (1994). Espetáculo da miscigenação. Estudos Avançados, 8(20), 137-52. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141994000100017

Schwarcz, L. M. (2005). O retorno do objetivismo ou dos males de ser científico. Horizontes Antropológicos, 11(23), 247-50. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832005000100019

Segato, R. L. (2005). Em memória de tempos melhores: os antropólogos e a luta pelo direito. Horizontes Antropológicos, 11(23), 273-82. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832005000100027

Silva, J. G. (2020). Etnografia de um Direito: o estabelecimento de uma política de acesso de quilombolas à Universidade Federal de Santa Catarina (Tese de Doutorado). Programa de Pós-Graduação em Antropologia e Arqueologia, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

Silveira, M. S. (2017). Um antropólogo diante dos desafios de uma política pública controversa: o caso das bancas raciais da UFPR. R@U - Revista de @ntropologia da UFSCar, 9(2), 87-105. https://doi.org/10.52426/rau.v9i2(suplemento).222

Strathern, M. (2014). O Efeito etnográfico. São Paulo: Cosac Naify.

Tassinari, A., Loris, E., Almeida, J. N., & Jesus, S. C. (2012). Relatório de avaliação do Programa de Ações Afirmativas/UFSC: vagas suplementares destinadas a indígenas. Florianópolis. 31p. Disponível: https://progacoeafirma.paginas.ufsc.br/files/2013/06/ufsc_relatorio_indigenas_2008-2012.pdf

Teixeira, S. A., & Steil, C. A. (2005). Introdução ao debate sobre cotas. Horizontes Antropológicos, 11(23), 179-80. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-71832005000100010

Tragtenberg, M., Espíndola, C., Farines, J., Tassinari, A., Muniz, M., Silva, V. & Heberle, V. (2012). Programa de Ações Afirmativas (PAA) para ampliação do acesso à Universidade Federal de Santa

Catarina com diversidade socioeconômica e étnico-Racial. Avaliação do período 2008-2012 e proposta de revisão. 39p. Disponível em: https://acoes-afirmativas.ufsc.br/files/2013/06/ufsc_relatorio_cotas_2008-2012.pdf

Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC. Conselho Universitário (1983). Regimento Interno do Conselho Universitário, de 29 de março de 1983. Das disposições iniciais, finalidades, atribuições e sua composição. Florianópolis. Disponível em: https://legislacao.paginas.ufsc.br/files/2012/01/

cun_regim.pdf

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2007). Resolução Normativa nº 08, de 10 de julho de 2007. Cria o Programa de Ações Afirmativas da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2012a). Sessão em 16 de outubro de 2012. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/78222

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2012b). Resolução Normativa nº 22, de 29 de junho de 2012. Reedita o Programa de Ações Afirmativas da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho

Universitário (2012c). Resolução Normativa nº 26, de 16 de outubro 2012. Adequa o Programa de Ações Afirmativas da Universidade Federal de Santa Catarina a Lei 12.711/2012 e normas complementares. Florianópolis.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2013a). Sessão em 12 de novembro de 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/105808

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2013b). Sessão em 13 de setembro de 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/104837

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2013c). Sessão em 17 de setembro de 2013. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/104847

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2013d). Resolução Normativa nº 33, de 17 setembro de 2013. Dispõe sobre as ações afirmativas no âmbito da Universidade Federal de Santa Catarina para o concurso vestibular de 2014. Florianópolis.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2015). Resolução Normativa nº 52, de 16 de junho de 2015. Dispõe sobre a Política de Ações Afirmativas no âmbito da Universidade Federal de Santa Catarina para os Processos Seletivos de 2016 a 2022. Florianópolis.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2017). Sessão em 27 de junho de 2017. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/177641

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2017). Resolução Normativa nº 101, de 27 de junho de 2017. Altera a Resolução Normativa nº 52/2015/CUn, que trata sobre a Política de Ações Afirmativas no âmbito da Universidade Federal de Santa Catarina para os processos

seletivos de 2016 a 2022.

Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Conselho Universitário (2019). Estatuto da universidade. Florianópolis. Disponível em: http://reitoria.ufsc.br/estatuto-versao-impressa-2/

Ródio, T. (2008). UFSC aprova transmissão ao vivo das reuniões do Conselho Universitário. Notícias

Da UFSC. Disponível em: https://noticias.ufsc.br/2008/09/ufsc-aprova-transmissao-ao-vivo-

-das-reunioes-do-conselho-universitario/

Sansone, L. (2005). O bebê e a água do banho – a ação afirmativa continua importante, não obstante

os erros da UnB! Horizontes Antropológicos, 11(23), 251-54. https://doi.org/10.1590/S0104-

Schwarcz, L. M. (1993). O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil, 1870-

São Paulo: Companhia das Letras.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i1.74201

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista