Sexualidades kanhgág e algumas de suas potencialidades no domínio da afinidade potencial

Lucas Cimbaluk

Resumo


Este trabalho procura explorar alguns aspectos da sexualidade kanhgág. Tem como base experiências bastante particulares observadas e vivenciadas em campo, em Terras Indígenas no norte do Estado do Paraná. Esboço algumas possibilidades analíticas a respeito de relações indígenas no domínio da afinidade potencial, especialmente a não indígena ou não kanhgág. Situações que contrastam com as do domínio familiar e da afinidade efetiva, constituídas por consubstancialização e filiação. Tratando do contexto de “mestiçagem” e “bagunça” na avaliação dos comportamentos sexuais, analisa como certas situações vão contra estes processos de consanguinização, implicando ou devir outro deliberado ou a capacidade de trânsito entre pontos de vista diferentes implicados nas relações sexuais.


Palavras-chave


Sexualidade indígena; construção do parentesco; mestiçagem; Kaingang

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Miguel Vale de. 2003. “Antropologia e sexualidade: consensos e conflitos teóricos em perspectiva histórica”. Pp.53-72 in A sexologia, Perspectiva Multidisciplinar, org. L. Fonseca, C. Soares e J. M. Vaz. Coimbra: Quarteto, vol.II.

BELAUNDE, Luisa Elvira. 2015a. “O estudo da sexualidade na etnologia”. Cadernos de Campo 24: 399-411. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v24i24p399-411

BELAUNDE, Luisa Elvira. 2015b. “Resguardo e sexualidade(s): uma antropologia simétrica das sexualidades amazônicas em transformação”. Cadernos de Campo 24: 538-564. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v24i24p538-564

CALHEIROS, Orlando. 2015. “O próprio do desejo: a emergência da diferença extensiva entre os viventes (Aikewara, Pará)”. Cadernos de Campo 24: 487-504. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v24i24p487-504

CIMBALUK, Lucas. 2013. A Criação da Aldeia Água Branca na Terra Indígena Kaingang Apucaraninha: “política interna”, moralidade e cultura. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Paraná.

CIMBALUK, Lucas. 2018. Nũgme to ẽpry há, Kanhkã to ẽpry kórég: caminhos kanhgág entre bem e mal. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de Santa Catarina.

CIMBALUK, Lucas. 2019. “Xamanismos kanhgág: as artes de Pedro ‘Chapéu Branco’”. Espaço Ameríndio 13(2): 211-241.

CRÉPEAU, Robert. 1997. Les Kaingang dans le contexte des études Gé et Bororo. Anthropologie et Sociétés 21(2-3): 45-66. https://doi.org/10.7202/015484ar

FRANCHETTO, Bruna. 1996. “Mulheres entre os kuikúro”. Estudos Feministas 4(1): 35-54.

GIBRAM, Paola Andrade. 2016. Penhkár: política, parentesco e outras histórias kaingang. Curitiba: Appris; Florianópolis: Instituto Nacional de Pesquisa Brasil Plural.

LAGROU, Els. 2013. “Chaquira, e inka y los blancos: las cuentas de vidrio en los mitos y en el ritual kaxinawa y amerindio. Revista Española de Antropología Americana 43(1): 245-265. https://doi.org/10.5209/rev_REAA.2013.v43.n1.42317

LASMAR, Cristiane. 2005. De volta ao Lago de Leite: gênero e transformação no Alto Rio Negro. São Paulo: Editora UNESP; ISA; Rio de Janeiro: NUTI.

LEA, Vanessa. 1994. “Gênero feminino Mebengokre (Kayapó): desvelando representações desgastadas”. Cadernos Pagu 3: 85-115.

LEA, Vanessa. 1999. “Desnaturalizando gênero na sociedade Mẽbengokre”. Estudos Feministas 7 (1 e 2): 176-194.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 1982. As estruturas elementares do parentesco. Petrópolis: Vozes.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 2006. A origem dos modos à mesa. São Paulo: Cosac Naify.

MAGNANI, José Guilherme C. 2008. “Quando o campo é a cidade: fazendo antropologia na metrópole”. In: Na Metrópole: textos de antropologia urbana, org. J. G. Magnani. São Paulo: Edusp; Fapesp.

MALINOWSKI, Bronislaw. 1932. The sexual life of savages in North-Western Melanesia. Londres: George Routledge & sons.

MALINOWSKI, Bronislaw. 2013. Sexo e repressão na sociedade selvagem. Petrópolis: Vozes.

MCCALLUM, Cecilia. 1994. “Ritual and the origin of sexuality in the Alto Xingu”. Pp. 90-114 in Sex and Violence: Issues in representation and experience, ed. P. Harvey e P. Gow. London; New York: Routledge.

MCCALLUM, Cecilia. 2013. “Intimidade com estranhos: uma perspectiva kaxinawá sobre confiança e a construção de pessoas na Amazônia”. Mana 19(1): 123-155. https://doi.org/10.1590/S0104-93132013000100005

MEAD, Margaret. 1979. Sexo e temperamento. São Paulo: Perspectiva.

NIMUENDAJÚ, Curt. 1993 [1913]. Etnografia e indigenismo: sobre os Kaingang, os Ofaié- Xavante e os índios do Pará. Campinas: Ed. da UNICAMP.

NUNES, Eduardo S. 2010. “O pessoal da cidade: o conhecimento do mundo dos brancos como experiência corporal entre os karajá de buridina”. In: Conhecimento e cultura: práticas de transformação no mundo indígena, ed. E. C. Lima e M. Souza. Brasília: Athalaia.

OLIVAR, José Miguel Nieto. 2019. “Caçando os devoradores: agência, ‘meninas indígenas’ e enquadramento neocolonial”. Revista de Antropologia 62(1): 7-34. https://doi.org/10.11606/2179-0892.ra.2019.156129

PISSOLATO, Elizabeth. 2015. “Fuga como estratégia: notas sobre sexualidade, parentesco e emoções entre pessoas mbya”. Cadernos de Campo 24: 412-426. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v24i24p412-426

ROSA, Patrícia Carvalho. 2011. “Para deixar crescer e existir”: sobre a produção de corpos e pessoas kaingang. Dissertação de Mestrado, Universidade de Brasília.

ROSA, Rogério Reus Gonçalves da. 2011. “Mitologia e xamanismo nas relações sociais dos Inuit e dos Kaingang”. Espaço Ameríndio 5(3): 98-122. https://doi.org/10.22456/1982-6524.23598

SEEGER, Anthony; DA MATTA, Roberto; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1979. “A construção da pessoa nas sociedades indígenas brasileiras”. Boletim do Museu Nacional 32: 2-19.

SISKIND, Janet. 1973. To Hunt in the Morning. Oxford: Oxford University Press.

STRATHERN, Marilyn. 2006. O Gênero da Dádiva. Campinas: Ed. da Unicamp.

VEIGA, Juracilda. 1994. Organização Social e Cosmovisão Kaingang: uma introdução ao parentesco, casamento e nominação em uma sociedade Jê Meridional. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual de Campinas.

VEIGA, Juracilda. 2000. Cosmologia e práticas rituais Kaingang. Tese de doutorado, Universidade Estadual de Campinas.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo B. 2000. “Atualização e contra-efetuação do virtual na sociedade amazônica: o processo de parentesco”. Ilha 2(1): 5-46.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 1996. “Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio”. Mana 2(2): 115-144. https://doi.org/10.1590/S0104-93131996000200005

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. 2002. “O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem”. In: A Inconstância da alma selvagem. São Paulo: Cosac Naify.

WIESEMANN, Ursula Gojtéj. 2012. Kaingang – Português; Português – Kaingang: Dicionário. Curitiba: Editora Evangélica Esperança.

WIIK, Flávio Braune. 2004. Christianity converted: an ethnographic analysis of the xokleng Laklanõ indians and the transformations resulting from their encounter with pentecostalism. Doctoral dissertation, University of Chicago.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v21i1.73917

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM