A alteridade na pesquisa escolar: apontamentos a partir de um trabalho de campo em escolas uruguaias

Amurabi Oliveira

Resumo


A pesquisa etnográfica em contexto escolar é forjada na interface entre a antropologia e a educação e, apesar de seus avanços em período recente, podemos afirmar que a escola ainda constitui um campo relativamente pouco explorado por antropólogos brasileiros. Visando a contribuir com esse debate, parto de uma experiência de trabalho de campo para refletir sobre alguns aspectos particulares desse tipo de pesquisa. Neste artigo, foco na questão da alteridade na pesquisa etnográfica em educação, argumentando que nesse contexto radicaliza-se a alteridade mínima existente, o que nos leva a uma reflexão sobre a relação entre antropólogo e nativo no contexto escolar.


 


Palavras-chave


pesquisa educacional; etnografia escolar; Antropologia da educação; ensino de sociologia; alteridade.

Texto completo:

PDF

Referências


Barth, F. (2000). O Guru, o Iniciador e Outras Variações Antropológicas. Rio de Janeiro: Contra Capa Livraria.

Bourdieu, P. (1998). Escritos de Educação. Petrópolis: Vozes.

Bourdieu, P. (2011). Homo Academicus. Florianópolis: EDUFSC.

Bourdieu, P., & Passeron, J. (2008). A Reprodução. Petrópolis: Vozes.

Corsaro, W. (2005). Entrada no campo, aceitação e natureza da participação nos estudos etnográficos com crianças pequenas. Educação & Sociedade, 26(91), 443-464. https://doi.org/10.1590/S0101-73302005000200008

Dauster, T. (2015). An interdisciplinary experience in anthropology and education: memory, academic project and political background. Vibrant, 12(2), 451-496. https://doi.org/10.1590/1809-43412015v12n2p451

Durham, E. (2004). A dinâmica da cultura: ensaios de Antropologia. São Paulo: Cosac Naify.

Eugênio, F. (2003). De como olhar onde não se vê: ser antropóloga e ser tia em uma escola especializada para crianças cegas. In G. Velho, & K. Kuschnir (orgs.). Pesquisas urbanas: desafios do trabalho antropológico (pp. 208-220). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Geertz, C. (1989). A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: LTC.

Gomes, E. de C., & Meneses, R. A. (2008). Etnografias possíveis: ‘estar’ ou ‘ser’ de dentro. Ponto Urbe, 3, 1-23. https://doi.org/10.4000/pontourbe.1748

Gusmão, N. (1997). Antropologia e educação: origens de um diálogo. Cadernos CEDES, 18(43), 8-25. https://doi.org/10.1590/S0101-32621997000200002

Ingold, T. (2000). The perception of the environment: essays on livelihood, dwelling and skill. London: Routledge.

Latour, B. (1994). Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Editora 34.

Lave, J. (2015). Aprendizagem como/na prática. Horizontes Antropológicos, 21(44), 37-47. https://doi.org/10.1590/S0104-71832015000200003

Magnani, J. G. C. (2009). Etnografia como prática e experiência. Horizontes Antropológicos, 15(32), 129-156. https://doi.org/10.1590/S0104-71832009000200006

Magnani, J. G. C. (2002). De perto e de dentro: notas para uma etnografia urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 17(49), 11-29. https://doi.org/10.1590/S0102-69092002000200002

Maia, B. (2017). O que torna o professor um ‘bom professor’? Carisma e autoridade na escola pública. Antropolítica, 43, 73-99. https://periodicos.uff.br/antropolitica/article/view/41800

Marrero, A. (2010). Formación docente y producción de conocimiento en el sistema de educación superior uruguayo: una cuestión sin resolver. RAES. Revista Argentina de Educación Superior, 2(2),

-133. Disponível em: https://dialnet.unirioja.es/servlet/oaiart?codigo=6488175

Oliveira, A. (2013). Por que etnografia no sentido estrito e não estudos do tipo etnográfico em educação? Revista da FAEEBA - Educação e Contemporaneidade, 22(40), 69-81. http://dx.doi.

org/10.21879/faeeba2358-0194.2013.v22.n40.p69-81

Oliveira, A. (2019a). O Ensino de Sociologia em Santa Fé (Argentina): algumas pistas comparativas com o caso brasileiro. Revista Tomo, 34, 393-418. https://doi.org/10.21669/tomo.v0i34.9717

Oliveira, A. (2019b). O Ensino de Sociologia no Uruguai: uma análise a partir das narrativas dos professores., Política & Sociedade, 18(41), 261-279. https://doi.org/10.5007/2175-7984.2019v18n41p261

Oliveira, A. (2019c). Trajetórias e práticas pedagógicas entre professores de sociologia. Diálogo Educacional, 19(60), 308-327. http://dx.doi.org/10.7213/1981-416X.19.060.AO01

Oliveira, A., Boin, F., & Búrigo, B. D. (2018). Quem tem medo de etnografia? Revista Contemporânea de Educação, 13(26), 10-30. https://doi.org/10.20500/rce.v13i26.12243

Pallma, S., & Sinisi, L. (2004). Tras las huellas de la etnografía educativa. Aportes para una reflexión teórico metodológica. Cuadernos de Antropología Social, 19, 121-138. http://revistascientificas.filo.uba.ar/index.php/CAS/article/view/4482

Peirano, M. (2006). Teoria vivida e outros ensaios. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Pires, F. (2011). Roteiro sentimental para o trabalho de campo. Cadernos de Campo, 20(20), 143-148. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v20i20p143-148

Rosistolato, R. (2013). ‘Sabe como é, eles não estão acostumados com antropólogos!’: uma análise etnográfica da formação de professores. Pro-posições, 24(2), 41-54. https://doi.org/10.1590/S0103-73072013000200004

Silva, V. G. (1994). Abertura. In A Antropologia e seus espelhos: a etnografia vista pelos observados (pp. 7-10). São Paulo: Edusp.

Tardif, M. (2002). Saberes docentes e formação profissional. Rio de Janeiro: Vozes.

Valente, A. L. (1996). Usos e abusos da Antropologia na pesquisa educacional. Pro-Posições, 7(20), 54-64. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/

view/8644228

Velho, G. (1978). Observando o familiar. In E. de O. Nunes (org.). A aventura sociológica: objetividade, paixão, improviso e método na pesquisa social (pp. 36-46). Rio de Janeiro: Zahar.

Viveiros de Castro, E. (2002). O nativo relativo. Mana, 8(1), 113-148. https://doi.org/10.1590/S0104-93132002000100005




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v22i2.72163

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2021 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM