Justiça de Transição e os Xetá: sem anacronismos

Edilene Coffaci de Lima, Gian Carlo Teixeira Leite

Resumo


Em meados do século XX, o povo indígena Xetá, falantes de língua tupi, quase sucumbiram à violência contra eles perpetrada no contexto de avanço da colonização cafeeira rumo ao noroeste do Paraná, onde foram oficialmente contatados. O confisco de terras, deslocamento territorial forçado e a drástica redução populacional a qual foram submetidos, tal como relatado na Comissão Nacional da Verdade, situa o caso como sendo de genocídio realizado pelo próprio Estado. Atualmente, vivendo em territórios alheios, os Xetá almejam o retorno às suas antigas terras. No entanto, tal território resta apenas identificado e contestado, de modo que sua efetiva demarcação não parece prevista para o futuro próximo. A tese do Marco Temporal, ao não reconhecer a existência do grupo, tem sido o maior obstáculo político para realização deste retorno. Tese arbitrária quando se observa que uma imensa quantidade de documentos atesta o seu oposto, a saber, existência dos Xetá.


Palavras-chave


Xetá; genocídio; marco temporal; justiça de transição

Texto completo:

PDF

Referências


BAPTISTA, Patrick. 2012. Índios, índios e índios: a aldeia Kakané Porã. Monografia. Graduação. Curitiba, PR: Universidade Federal do Paraná

BENJAMIN, Walter. 1996. “Sobre o conceito da História”. In: Obras Escolhidas. 1ª ed. São Paulo: Brasiliense, pp. 222-232.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela & BARBOSA, Samuel (orgs.). 2018. Direitos Indígenas em Disputa. São Paulo: Editora Unesp.

CERTEAU, Michel de. 2002. “O lugar do morto e o lugar do leitor”. In: A Escrita da História. Rio de Janeiro: Forense Universitária. pp. 106-119.

CLASTRES, Pierre. 2014. “Do etnocídio”. In. Arqueologia da Violência. São Paulo: Cosac Naify. pp. 75-87. CNV. 2014. Violação dos direitos humanos dos povos indígenas. In: Relatório da Comissão Nacional da Verdade. Brasília, v. 2, p. 197-256.

FERNANDES, José Loureiro.1958. “Os índios da Serra dos Dourados (Os Xetá)”. Anais da III Reunião Brasileira de Antropologia. Recife, 10 a 13 de fevereiro. pp. 27-46.

GONÇALVES, José H. Rollo. 1997. “A ‘mística do pioneirismo’, antídoto contra o socialismo: Bento Munhoz da Rocha Neto, a reforma agrária e o norte do Paraná nos anos 50 e 60”, Revista de História Regional 2(1):145-171.

LEITE, Gian Carlo T. 2019. "Do contato aos dias atuais: sete décadas de notícias sobre os Xetá da Serra dos Dourados", Rev. Sociologias Plurais, 5(1): 343-367. https://doi.org/10.5380/sclplr.v5i1.68223

LIMA, Edilene Coffaci & PACHECO, Rafael. 2018. Os Xetá e seus acervos: memória histórica, política e afetiva (Paraná, Brasil). Comunicação apresentada no 56° Congresso Internacional dos Americanistas, Salamanca (Espanha).

LIMA, Edilene & ZILLI, Ana Clara F. 2020. "Fragmentos da história: os Xetá no Projeto Memória Indígena". Sociologias Plurais, 6(1): 135-158. https://doi.org/10.5380/sclplr.v6i1.71453

MOTA, Lúcio Tadeu. 2013. Os Xetá do vale do rio Ivaí – 1840-1920. Maringá: EDUEM.

MOTA, Lúcio Tadeu & FAUSTINO, Rosângela. 2018. O SPI e os Xetá na Serra dos Dourados – PR. Acervo documental 1948 a 1967. Maringá: EDUEM.

PACHECO, Rafael. 2018. Os Xetá e suas histórias: memória, estética e luta desde o exílio. Dissertação. Mestrado. Curitiba, PR: PPGA/UFPR.

PARAÍSO, Maria Hilda B. 1994. "Reflexões sobre fontes orais e escritas na elaboração de laudos periciais”. In: SILVA, Orlando Sampaio et al. (orgs.). Perícias antropológicas em processos judiciais. Florianópolis: Editora da UFSC, p. 41-52.

PÉREZ GIL, Laura. (2012). “O acervo etnográfi co do MAE-UFPR”. In: M. Xavier Cury, C. Mello Vasconcellos & J. Montero Ortiz (orgs.). Questões indígenas e museus: debates e possibilidades. São Paulo: ACAM Portinari: Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo. p. 103- 112.

SAHLINS, Marshall. 1997. "O pessimismo sentimental e a experiência etnográfica: porque a cultura não é um objeto em via de extinção". Mana 3(1). https://doi.org/10.1590/S0104-93131997000100002

SILVA, Carmen Lúcia. 2003. Em busca da sociedade perdida: o trabalho da memória Xetá. Doutorado. Tese. Brasília, DF: PPGAS/Universidade de Brasília.

SILVA, Carmen Lúcia. 1998. Os Xetá: sobreviventes do extermínio. Dissertação de Mestrado. Florianópolis, SC: PPGAS/ Universidade Federal de Santa Catarina.

SOUZA, Jurema Machado. 2017. "Remoções, dispersões e reconfigurações étnico-territoriais entre os Pataxó Hãhãhãi", Mediações 22(2): 99-124. https://doi.org/10.5433/2176-6665.2017v22n2p99

WAGNER, Roy. 2014. “A cultura como criatividade”. In: A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify, pp. 69-107.

ZILLI, Ana Clara. 2018. Os Xetá no acervo do Projeto Memória Indígena (1985-1989) do Museu de Arqueologia e Etnologia da UFPR. Monografia de Conclusão do curso de Ciências Sociais. Universidade Federal do Paraná.

Documentação Jornalística

CATALDI, Luis. 1951. “O General Café assume o comando econômico do Paraná”. Revista da Guaira – Curitiba.

COSTA, Samuel Guimarães. 1961. “Os sobreviventes da Idade da Pedra”. Revista Panorama, Curitiba - PR, ano VII, n.11, pp. 20-26.

Nova ação de despejo no oeste do PR: desta vez, Itaipu tenta desalojar os Avá-Guarani da aldeia Yva Renda. Conselho Indigenista Missionário – CIMI, 4 abr. 2019. Disponível em: https://bit.ly/35ukabq Acesso em: 24/11/2019.

UBIRATAN, Paulo. 1994. “Revolta marcada com uma cruz”. Folha de Londrina, 06 de maio.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v20i2.71857

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM