Língua(s): cosmopolíticas, micropolíticas, macropolíticas

Bruna Franchetto

Resumo


O Brasil é um país decididamente multilíngue. A surpreendente diversidade de línguas e variedades dialetais, que para muitos pode ser uma descoberta, pouco conhecida e ameaçada, é o primeiro ponto para o qual este artigo quer chamar a atenção. Fala-se em “língua”, mas esta palavra e os sentidos a ela associados, sobretudo no senso comum, são raramente postos em discussão. Aquém e além de uma definição estritamente linguística, “língua” é basicamente um construto ideológico ocidental, não compartilhado, como tal, pelas línguas ameríndias, onde outras palavras, sentidos e micropolíticas são mobilizados. O mesmo pode ser dito dos mitos ocidentais sobre a “origem” da linguagem/línguas, já que palavras, falas e conceitos ameríndios apontam para outras visões e apreensões. A partir de uma interpretação da “dança dos números” a respeito das línguas originárias no Brasil, outro tema abordado diz respeito aos não poucos movimentos de retomada de línguas originárias, consideradas “extintas”, movimentos efervescentes, sobretudo no nordeste brasileiro. A última parte do texto volta às macropolíticas pressupostas e implicadas pelas desventuras das línguas ameríndias no cenário englobante da escolarização, da escrita, de leis e da retórica oficial.

Palavras-chave


línguas ameríndias; diversidade linguística; políticas linguísticas; revitalização linguística

Texto completo:

PDF

Referências


Alves, Walter. 2017. O sistema numeral da língua guató. Monografia de graduação, Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Bomfim, Anari B. 2012. Patxohã, língua de guerreiro: um estudo sobre o processo de retomada da língua Pataxó. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia.

Bomfim, Anari. B. 2017. “Patxohã: a retomada da língua do povo Pataxó”. Revista LinguiStica 13(1): 303-327. https://revistas.ufrj.br/index.php/rl/article/view/10433

Franchetto, Bruna. 2000. “Rencontres rituelles dans le Haut Xingu: la parole du chef”. Pp. 481-510 in Les Rituels du Dialogue. Promenades ethnolinguistiques en terres amérindiennes, org. A. Becquelin Monod e P. Erikson. Nanterre: Societé d´Ethnologie.

Franchetto, Bruna. 2008. “A guerra dos alfabetos: Os povos indígenas entre o oral e o escrito”. Mana 14 (1): 31-59. https://doi.org/10.1590/S0104-93132008000100002

Franchetto, Bruna. 2017. “A beleza desta língua: tempo no nome”. Mana 23 (1): 269-291. https://doi.org/10.1590/1678-49442017v23n1p269

Franchetto, Bruna. 2018. “Brasil de muitas línguas”. Pp. 77-100 in Dicionário dos Intraduzíveis: Um vocabulário das filosofias, org. F. Santoro e L. Buarque. Belo Horizonte: Autêntica Editora. (Volume Um: Línguas).

Franchetto, Bruna; Leite, Yonne. 2004. As Origens da Linguagem. Rio de Janeiro: Ed. Jorge Zahar.

Hale, Ken. 1992. “Language endangerment and the human value of linguistic diversity”. Language 68: 4-10.

Hale, Ken. 1996. “Universal Grammar and the roots of linguistic diversity”. Pp. 137-162 in Papers on Language Endagerment and the Maintenance of Linguistic Diveristy. ed. J. D. Bobaljik, R. Pensalfini e L. Storto. The MIT Working Papers in Linguistics v. 28.

Hale, Ken. 1998. “On endangered languages and the importance of linguistic diversity”. Pp. 192-216 in Endangered Languages. Language loss and community response, ed. L. A. Grenoble & L. J. Whaley. Cambridge: Cambridge University Press.

Hale, Ken. 2000. “Diversidade e universalidade linguística. Entrevista a Luciana Storto”. Mana 6(2): 147-162. https://doi.org/10.1590/S0104-93132000000200006

Krauss, Michael. 1992. “The world languages in crisis”. Language 68 (1): 4-10. https://doi.org/10.1353/lan.1992.0075

Maia, Marcus; Franchetto, Bruna (orgs.). 2017. “Educação e Revitalização Linguísticas”. LinguiStica 13 (1). https://revistas.ufrj.br/index.php/rl/article/view/10416

Maia, Marcus; Franchetto, Bruna; Lemle, Miriam; Vieira Márcia D. 2019. Línguas Indígenas e Gramática Universal. São Paulo: Editora Contexto.

Meira, Sérgio; Franchetto, Bruna. 2005. “The Southern Cariban Languages and the Cariban Family”. International Journal of American Linguistics 71(2): 127-190.

Moore, Denny. 2011. “As línguas indígenas no Brasil hoje”. Pp. 217-240 in Os contatos linguísticos no Brasil, org. H. Mello, C. Altenhofen e T. Raso. Belo Horizonte: Editora UFMG.

Nascimento, Márcia G. 2013. Tempo, Modo, Aspecto e Evidencialidade em Kaingang. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Marmion, Douglas; Troy, Jakelin; Obata, Kazuko. 2014. Community, identity, wellbeing: the report of the Second National Indigenous Languages Survey. Australian Institute of Aboriginal and Torres Strait Islander Studies (AIATSIS). http://aiatsis.gov.au/.

Mehinaku, Mutua. 2010. Tetsualü: pluralismo de línguas e pessoas no Alto Xingu. Dissertação de Mestrado, PPGAS/Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Mehinaku, Mutua. 2014. “Kagaiha akisü etĩbepügü: A chegada da língua dos brancos”. Pp. 391-434 in Políticas Culturais e Povos Indígenas, org. por M. Carneiro da Cunha e P. N. Cesarino. São Paulo: Editora Cultura Acadêmica.

Mehinaku, Mutua; Franchetto, Bruna. 2015. “Tetsualü: The pluralism of languages and people in the Upper Xingu”. Pp. 121-164 in Language Contact and Documentation. Contacto lingüístico y documentación, ed. por B. Comrie e L. Golluscio. Berlin: De Gruyter Mouton.

Mufwene, Salikoko S. 2004. “Language birth and language Death”. Annual Review of Anthropology 33: 201-222. https://doi.org/10.1146/annurev.anthro.33.070203.143852

Palácio, Adair. 1984. Guató: A língua dos índios canoeiros do rio Paraguai. Tese (doutorado), Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas.

Palácio, Adair. 1996. “Sistema numeral em guató”. Abralin - Boletim Da Associação Brasileira de Lingüística 19: 51-56.

Silva, Glauber R.; Franchetto, Bruna. 2011. “Prosodic distinctions between the varieties of the Upper-Xingu Carib language: results of an acoustic analysis”. Amerindia 35: La structure des langues amazoniennes II: 41-52.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v21i1.70519

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais 2020 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM