A potência do nome: política onomástica no rio Uaupés (AM)

Diego Rosa Pedroso

Resumo


Neste artigo proponho uma análise dos nomes pessoais no alto rio Negro. Especificamente, detenho-me nas falas e práticas dos Kubeo do alto Uaupés brasileiro acerca do pupui amiya, noção comumente traduzida no português local como “nome de benzimento”. Argumento que uma política onomástica assentada em certa concepção agentiva da linguagem pode ser divisada nas práticas de atribuição do nome bem como nas formulações acerca de sua substância metafísica.

Palavras-chave


Linguagem; Política; Onomástica; Alto rio Negro; Kubeo

Texto completo:

PDF

Referências


Andrello, Geraldo. 2006. Cidade do Índio: Transformações e cotidiano em Iauaretê. São Paulo: Editora UNESP: ISA; Rio de Janeiro: NUTI.

Andrello , Geraldo. 2014. Peixes e pessoas: reflexões sobre o parentesco tukano. Ms.

Andrello , Geraldo. 2016. “Nomes, posições e (contra) hierarquia. Coletivos em transformação no alto rio Negro”. Ilha – Revista de Antropologia 18:57-97.

Arhem, Kaj. 1981. Makuna social organization: a study in descent, alliance, and the formation of corporate groups in the North-Western Amazon. Uppsala Studies in Cultural Anthropology. Stockholm: Almqvist & Wiksell.

Barreto, João Rivelino Rezende. 2013. Formação e transformação de coletivos indígenas no Noroeste Amazônico: do mito à sociologia das Comunidades. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal do Amazonas.

Cabalzar, Flora F. S. D. 2010. Até Manaus, até Bogotá. Os Tuyuka vestem seus nomes como ornamentos: Geração e Transformação de conhecimentos a partir do alto rio Tiquié (noroeste Amazônico). Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo.

Hugh-Jones, Christine. 1979. From the Milk River: Spatial and Temporal Processes in Northwest Amazonia. Cambridge: Cambridge University Press.

Hugh-Jones , Stephen. 1979. The Palm and the Plêiades: Initiation and cosmology in Northwest Amazonia. Cambridge: Cambridge University Press.

Hugh-Jones , Stephen. Nomes secretos e riqueza visível: nominação no noroeste amazônico. Mana, 2002, 8(2):45-68.

Goldman, Irving. 1963. The Cubeo: Indians of the Northwest Amazon. Urbana: The University of Illinois Press.

Goldman, Irving. 1993. “Hierarchy and Power in the Tropical Forest”. In Configurations of Power: Holistic Anthropology in Theory and Practice, ed. J. S. Henderson e P. J. Netherly. Ithaca: Cornell University Press.

Goldman, Irving. 2004. Cubeo Hehénewa Religious Thought: Metaphysics of a Northwestern Amazonian People. New York: Columbia University Press.

Koch-Grünberg, Theodor. 2005. Dois anos entre os indígenas: viagens ao noroeste do Brasil (1903-1905). Manaus: EDUA/FSDB.

Lolli, Pedro. 2010. As redes de trocas rituais dos Yuhupdeh no igarapé Castanha, através dos benzimentos (mihdiid) e das flautas Jurupari (Tí). Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo.

Pedroso, Diego Rosa. 2019. O que faz um nome: etnografia dos Kubeo do alto Uaupés (AM). Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade de São Paulo.

Reichel¬dolmatoff, Gerardo. 1971. Amazonian Cosmos: The Sexual and Religious Symbolism of the Tukano Indians. Chicago: The University of Chicago Press.

Rodrigues, Raphael. 2019. Descendo o rio: memórias, trajetórias e nomes no baixo Uaupés (AM). Tese (Doutorado, Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Universidade Federal de São Carlos.

Rocha, Pedro. 2007. Bahsare Wamã. Parentesco e onomástica na Bacia do Uaupés. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social – PPGAS/Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Valencia, Simon. s/d. Los Yuremawa. Mitú. Ms.

Viveiros de Castro, Eduardo. 2006. “Appendix to chapter 4: On Tukanoan Onomastics: four remarks and a diagram”. In: The Anthropology of Names and Naming, ed. G. Vom Bruck e B. Bodenhorn. Cambridge: Cambridge University Press.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v21i1.70269

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista