Sem palavra inspirada não há movimento: lições mbya de escuta e fala

Aline de Oliveira Aranha

Resumo


Este ensaio parte de uma proposta de análise da potência da palavra-nome-espírito-caminho (nhe’ẽ) entre @s Guarani Mbya e sua capacidade de inspirar e traduzir-se em movimentos e ações, passando por uma discussão da relação entre linguagem, política e gênero e pelas estratégias e cuidados, parte da ética-estética xamânica da moderação, envolvidos na produção-proteção dos corpos-espíritos, afetos e mundos guarani. É também uma tentativa de contribuir, de uma perspectiva não androcêntrica, para um entendimento possível da relação entre nhe’ẽ e as diferentes disposições coletivas que cada pessoa desempenha na diplomacia cosmopolítica mbya, valorizando, em especial, o protagonismo e agência cosmopolítica das kunhãgue (“mulheres”) e suas inspiradoras lições de escuta e fala, que implicam um aprendizado contínuo do saber ouvir-sentir-pensar-falar-agir com o coração (py’a). Essas sábias lições podem nos auxiliar na tarefa de repensar e ampliar nossas próprias concepções de polític@, linguagem, poder e gênero e, quem sabe, compor e transformar nossos modos de (r)existir.

Palavras-chave


Guarani Mbya; xamanismo; gênero; mulheres indígenas; diplomacia cosmopolítica

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, Oswald de. 1928. Manifesto Antropófago. São Paulo: Revista de Antropofagia, Ano 1, No. 1.

Benites, Sandra. 2018. Viver na lingua Guarani Nhandewa (mulher falando). Rio de Janeiro: Dissertação de Mestrado em Antropologia Social, Museu Nacional – UFRJ.

Belaunde, Luisa E. 2006. A força dos pensamentos, o fedor do sangue. Hematologia e gênero na Amazônia. São Paulo: Revista de Antropologia (USP), v. 49, n. 1, p. 205-243. https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/27234

Cadogan, León. 1959. Ayvu Rapyta: Textos míticos de los Mbyá-Guaraní del Guairá. São Paulo: FFLCH-USP.

Cadogan, León. 1992. Diccionario Mbya-Guarani. Asunción: Fundación León Cadogan, CEADUC, CEPAG.

Chamorro, Graciela. 2009. Decir el cuerpo: Historia y etnografía del cuerpo en los pueblos Guaraní. Asunción: Tiempo de Historia, Fondec.

Ciccarone, Celeste. 2001. Drama e Sensibilidade: Migração, Xamanismo e Mulheres Mbya Guarani. São Paulo: Tese De doutorado em Ciências Sociais, PUC-SP.

Ciccarone, Celeste. 2004. Drama e Sensibilidade: Migração, Xamanismo e Mulheres mbya. Revista de Indias, LXIV(230): 81-96.

Clastres, Hélène. 1978 [1975]. Terra sem Mal. O profetismo tupi-guarani. São Paulo: Brasiliense.

Clastres, Pierre. 1990 [1974]. A fala sagrada: cantos sagrados dos índios Guarani. Campinas: Papirus.

Clastres, Pierre. 2003 [1974]. A Sociedade contra o Estado: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify.

Clastres, Pierre. 2011 [1980]. Arqueologia da violência: pesquisas de antropologia política. São Paulo: Cosac Naify.

Corrêa, Mariza. 2003. Antropólogas e antropologia. Belo Horizonte: Editora da UFMG.

Dooley, Robert A. 2006. Léxico guarani, dialeto mbyá. Brasília: Sociedade Internacional de Linguística.

Franchetto, Bruna. 1996. Mulheres Entre Os Kuikúro. Revista Estudos Feministas 4(1): 35-54.

Guata Porã – Belo Caminhar. 2015. Pesquisadores Guarani de Aldeias de Santa Catarina e Paraná e Ramo y Affonso, Ana M. (Org.). São Paulo: Centro de Trabalho Indigenista.

KULICK, D. 1993. Speaking as a woman: structure and gender in domestic arguments in a New Guinea village. Cultural Anthropology. 8(4): 510–41. https://doi.org/10.1525/can.1993.8.4.02a00050

Ladeira, Maria Inês. 2007 [1992]. O caminhar sob a luz. O território mbya à beira do oceano. São Paulo: Editora Unesp.

Ladeira, Maria Inês. 2008 [2001]. Espaço Geográfico Guarani-Mbya: Significado, Constituição e Uso. Eduem, Edusp.

LASMAR, Cristiane. 1999. Mulheres indígenas: representações. Revista Estudos feministas. 7(1-2): 143-156.

Lévi-Strauss, Claude. 1993 [1991]. História de Lince. São Paulo: Companhia das Letras.

Macedo, Valéria. 2010. Nexos da diferença. Cultura e afecção em uma aldeia guarani na Serra do mar. São Paulo, Tese de Doutorado em Antropologia Social. São Paulo: PPGAS/USP.

Macedo, Valéria. 2013. De encontros nos corpos guarani. Ilha Revista de Antropologia. 15:181-210. https://doi.org/10.5007/2175-8034.2013v15n1-2p180

Macedo, Valéria e Sztutman, Renato. 2014. A parte de que se é parte. Notas sobre individuação e divinização (a partir dos Guarani). Cadernos de Campo 23: 287-302. https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v23i23p287-302

Mauss, Marcel. 2003 [1935]. As técnicas do corpo. In: Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify.

McCallum, Cecilia A. 2013. Nota sobre as categorias “gênero” e “sexualidade” e os povos indígenas. Cadernos Pagu 41: 53-61. https://doi.org/10.1590/S0104-83332013000200006

Mello, Flávia C. 2006. Aetchá Nhanderukuery Karai Retarã. Entre deuses e animais: Xamanismo, Parentesco e Transformação entre os Chiripá e Mbyá Guarani. Tese de Doutorado em Antropologia Social. Florianópolis: UFSC.

Montardo, Deise Lucy. 2002. Através do Mbaraka: Música e Xamanismo Guarani. Tese de Doutorado em Antropologia Social. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Overing, Joanna. 1986. Men Control Women? The ‘Catch 22’ in the analysis of gender. International Journal of Moral and Social Studies. 1(2): 135-156.

Passes, Alan. 2004. The place of politics: powerful speech and women speakers in everyday pa’ikwené (Palikur) life. The Journal of the Royal Anthropological Institute 10(1): 1-18. https://doi.org/10.1111/j.1467-9655.2004.00177.x

Pierri, Daniel Calazans. 2013. O perecível e o imperecível: lógica do sensível e corporalidade no pensamento Guarani-Mbya. Dissertação de Mestrado em Antropologia Social. São Paulo: PPGAS-USP.

Pimentel, Spensy K. 2012. Elementos para uma teoria política kaiowá e guarani. São Paulo: Tese de Doutorado em Antropologia Social: PPGAS-USP.

Perrone-Moisés, Beatriz. 2011. Bons chefes, maus chefes, chefões: excertos de filosofia política ameríndia. São Paulo: Revista de Antropologia. 54/2: 857-883. https://www.revistas.usp.br/ra/article/view/39649

Perrone-Moisés, Beatriz. 2015. Festa e guerra. São Paulo: Tese de Livre-Docência em Etnologia Indígena, Departamento de Antropologia, FFLCH-USP.

Pissolato, Elizabeth. 2007. A duração da pessoa: mobilidade, parentesco e xamanismo mbyá (guarani). Tese de Doutorado em Antropologia Social. Rio de Janeiro: Museu Nacional/UFRJ.

Pissolato, Elizabeth. 2012. Gênero, casamento e trocas com brancos. In: Gênero e Povos Indígenas. Sacchi, A. e Gramkow, M. (Orgs.). Rio de Janeiro, Brasília: Museu do Índio/GIZ, p. 98-109.

Prates, Maria P. 2013. Da instabilidade e dos afetos: pacificando relações, amansando Outros. Cosmopolítica guarani-mbyá (Lago Guaíba/RS-Brasil). Tese de Doutorado em Antropologia Social. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Ramo, Ana Maria. 2014. De pessoas e palavras entre os Guarani-Mbya. Niterói: Tese de Doutorado, PPGA, Universidade Federal Fluminense.

Strathern, Marilyn. 2006 [1988]. O gênero da dádiva: problemas com as mulheres e problemas com a sociedade na Melanésia. Campinas, SP: Editora da Unicamp.

Strathern, Marilyn. 2014 [1984]. Sujeito ou Objeto? As mulheres e a circulação de bens de valor nas terras altas da Nova Guiné. In: O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify.

Sztutman, Renato. 2012. O profeta e o principal: a ação política ameríndia e seus personagens. 1. ed. São Paulo: Edusp.

Sztutman, Renato. 2015. Diplomacias cosmopolíticas nas terras baixas sul-americanas – Exercícios de comparação etnográfica. São Paulo: Projeto de Auxílio à Pesquisa FAPESP.

Sztutman, Renato. 2017. Relatório Parcial: Diplomacias cosmopolíticas nas terras baixas sulamericanas – Exercícios de comparação etnográfica. São Paulo: FAPESP.

Testa, Adriana. 2014. Caminhos de saberes Guarani Mbya: modos de criar, crescer e comunicar. São Paulo: Tese de doutorado em Antropologia Social pelo PPGAS-USP.

Vanzolini, Marina. 2015. A flecha do ciúme: o parentesco e seu avesso segundo os Aweti do Alto Xingu. São Paulo: Terceiro Nome.

Viveiros de Castro, Eduardo. 1986. Araweté: os deuses canibais. Rio de Janeiro: Zahar/Anpocs.

Viveiros de Castro, Eduardo. 2002. Perspectivismo e multinaturalismo na América indígena. In: A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, p. 345-399.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v21i1.70033

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista