Revisitando o vodu: interações e movimentos entre humanos e espíritos em dois contextos haitianos

Rodrigo Charafeddine Bulamah, Flávia Freire Dalmaso

Resumo


Diferentes análises sobre o vodu haitiano apontam para o fato do termo vodou ser empregado para definir rituais que envolvem cantos, danças, tambores, comensalidade e movimentos e promovem a interação entre humanos e espíritos. Contudo, poucos(as) autores(as) exploraram a fundo esta definição, dedicando-se a enfatizar uma imagem estável do vodu. Politicamente, a criação dessa imagem possibilitou ao vodu adquirir o estatuto de religião nacional ganhando legitimidade e eficácia em disputas identitárias e territoriais das quais antropólogos(as) participam ativamente. Este artigo buscará aproximar dois contextos etnográficos de pesquisa realizadas em locais relativamente distantes, um situado no Norte e outro no Sul do Haiti. Nosso principal objetivo é elaborar uma análise das lógicas e das interações com os espíritos em uma perspectiva processual que inclua também o papel de outras agências, de materialidades diversas e de novos contextos situacionais, como as conversões religiosas e o avanço de missionários protestantes pelo país.


Palavras-chave


Haiti, espíritos, vodu, protestantismos, movimento

Texto completo:

PDF

Referências


BASTIAN, Jean-Pierre. 1992. “Les protestantismes latino-américains: un objet à interroger et à construire”. Social Compass, 39(3), p. 327-354.

BASTIDE, Roger. 2018. “O princípio de individuação (contribuição a uma filosofia africana)”. Cadernos de Campo, 27(1): 220-232.

BLANES, Ruy & Diana Espírito-Santo. “Introduction: on the agency of intangibles”. In: R. Blanes e D. Espírito-Santo (orgs.), The social life of spirits. Chicago e London: University of Chicago Press.

BROWN, Karen McCarthy. 1991. Mama Lola: A Voodoo Priestess in Brooklyn. Berkeley, CA: University of California Press.

AUTORIA1. 2013

———. 2015.

———. 2017.

CHARLIER-DOUCET, Rachelle. 2005. “Anthropologie, politique et engagement social. L’expérience du Bureau d’ethnologie d’Haïti”. Gradhiva. Revue d’anthropologie et d’histoire des arts, 1: 109–125.

AUTORIA2. 2014.

______. 2018a

———. 2018b.

FIOD, Ana. 2015. “Lougawou: feitiço, famílias e crianças em Siwvle, Haiti”. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social: Museu Nacional, Universidade Estadual do Rio de Janeiro.

FRY, Peter. 2000. “O Espírito Santo contra o feitiço e os espíritos revoltados: ‘civilização’ e ‘tradição’ em Moçambique”. Mana, 6(2): 65-95.

HURBON, Laënnec. 1988. Le barbare imaginaire. Porto-Príncipe: Éditions Henri Deschamps.

HÜWELMEIER, Gertrud & KRAUSE, Kristine (orgs.). 2010. Traveling spirits: migrants, markets and mobilities. Londres e Nova Iorque: Routledge.

LAURIÈRE, Christine. 2005. “D’une Île à l’autre: Alfred Métraux En Haïti”. Gradhiva : Revue d’histoire et d’archives de l’anthropologie 1: 181–207.

LOWENTHAL, Ira P. 1987. “Marriage Is 20, Children Are 21: The Cultural Construction of Conjugality and the Family in Rural Haiti”. Tese de doutorado, Baltimore: Johns Hopkins University.

MAUSS, Marcel. 2003. “Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca na sociedades arcaicas”. In: Sociologia e antropologia, traduzido por Paulo Neves, 183–314. São Paulo: Cosac Naify.

MÉTRAUX, Alfred. 1995 [1958]. Le Vaudou haïtien. Paris: Gallimard.

PRICE-MARS, Jean. 2009 [1929]. Ainsi parla l’Oncle. Chicoutimi: Les Classiques des Sciences Sociales. http://classiques.uqac.ca/classiques/price_mars_jean/ainsi_parla_oncle/ainsi_parla_oncle.html.

RAMSEY, Kate. 2011. The spirits and the law: Vodou and power in Haiti. Chicago: University of Chicago Press.

RICHMAN, Karen E. 2005. Migration and Vodou. Gainesville: University Press of Florida.

———. 2008. “A more powerful sorcerer: conversion, capital, and haitian transnational migration”. New West Indian Guide, 82 (1): 3-45.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v20i1.65039

Direitos autorais 2019 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista