Nokẽ mevi revõsho shovima awe: "o que é transformado pelas pontas das nossas mãos"

Nelly Barbosa Duarte Dollis

Resumo


Este artigo resulta de uma dissertação, na qual apresentei a importância do trabalho manual das mulheres marubo, com foco nas suas próprias palavras, as principais inspiradoras da pesquisa de mestrado e que são oriundas das aldeias Boa Vista e Nazaré do rio Ituí e nas aldeias Maronal e São Sebastião do rio Curuçá, na Terra Indígena do Vale do Javari (Amazônia ocidental). Explico a relação entre o saber-fazer dessas mulheres e o pertencimento de cada uma delas aos diversos subgrupos clânicos marubo, de forma a ressaltar, a partir do seu próprio ponto de vista, as distinções no trabalho das artesãs conforme cada subgrupo clânico e a diferenciação entre mevῖsho shovima awe, ‘trabalho das mãos’, e mevi revõsho shovima awe, ‘produção das pontas das mãos’. Incluo um pequeno relato sobre as descobertas de novos materiais para a confecção de adornos no contato com nawa-rasῖ, seus valores e significados, a imbricação de tradição e inovação.


Palavras-chave


marubo, clãs marubo, mulheres indígenas, artes marubo

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v19i1.61162

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista