Um foco de energia: o Collège de Sociologie e a noção de sagrado (1937-1939)

Julia Vilaça Goyatá

Resumo


O presente trabalho pretende explicitar o contexto de formação e as principais propostas de uma experiência efêmera, mas não por isso menos significativa, ocorrida na França do entreguerras: o Collège de Sociologie. Fundado em 1937 para ser um grupo de estudos em torno de alguns temas de interesse comum entre seus organizadores – Georges Bataille (1897-1962), Michel Leiris (1901-1991) e Roger Caillois (1913-1987) – o grupo teve também o intuito de ser um lócus de ação política. A noção de sagrado, clássica na teoria antropológica francesa a partir de seu uso no trabalho de Émile Durkheim (1858-1917), Les formes eléméntaires de la vie religieuse (1912), ganha no Collège grande destaque: busca-se compreender essa idéia e, mais que isso, torná-la uma prática. Nesse sentido, há uma leitura renovada da noção mobilizada pela antropologia precedente: o sagrado é tanto objeto de estudo quanto perspectiva de análise que permite olhar para a sociedade contemporânea e, no limite, transformá-la.


Palavras-chave


Collège de Sociologie, antropologia, sagrado, política, religião

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cra.v18i1-2.56652

Direitos autorais 2018 Direitos Autorais para artigos publicados nesta revista são do autor, com direitos de primeira publicação para a revista