"Toda Quebrada na Plástica" : Corporalidade e construção de gênero entre travestis paulistas

Larissa Pelúcio

Resumo


Desde a comercialização dos hormônios femininos, na forma de contraceptivos, a construção da pessoa travesti ganhou um novo impulso. Na busca de um "corpo perfeito", isto é, associado a padrões socialmente sancionados como femininos, compôs-se todo um circuito estético e de cuidados de si que burla a medicina ocidental, por um lado, mas que em alguns momentos a ela se associa. Do modelo travecão ao menininha, as travestis se submetem a inúmeros processos de intervenção corporal que se iniciam com a ingestão de hormônios, passando pela aplicação de silicone industrial até operações de redução da testa, extirpação do pomo-de-adão e renovadas sessões com "bombadeiras", pessoas que "fazem o corpo", isto é, injetam silicone nas travestis. Orientadas pela heteronormatividade compulsória, as travestis transformam seus corpos a fim de adequá-los a seus desejos, práticas e orientação sexual, reconhecidas por elas como "homossexuais". Nessa construção subvertem o gênero e paradoxalmente, também enfatizam o caráter de assujeitamento por detrás do culto contemporâneo a padrões de normalidade, saúde e beleza.

Palavras-chave


travestis; corporalidade; sexualidade; gênero; heteronormatividade; transvestites; corporality; sexuality; gender; heteronormativity

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v6i0.4509

Direitos autorais