Pelos Caminhos da Rota Romântica: Etnografia da constituição de um roteiro turístico no sul do Brasil

Moisés Kopper

Resumo


Este artigo problematiza o processo de constituição do roteiro turístico Rota Romântica ao longo do trajeto de catorze municípios de colonização alemã na região nordeste do estado do Rio Grande do Sul. Busca compreender o modo pelo qual sua configuração suscitou profundas restruturações políticas, econômicas e sociais, colocando em jogo novas relações entre a cidade e seus habitantes, entre natureza e cultura, que passam a informar os cálculos em torno dos benefícios que a indústria turística poderá trazer à região. Metodologicamente, o artigo concentra-se na análise de entrevista realizada com seu atual presidente, de materiais de divulgação diversos, bem como da vida social de dois comércios familiares locais em reformulação. Reordenada em torno da nova gramática do mercado turístico, as disputas semânticas trouxeram consequências não somente para a construção de diferentes modalidades ou aptidões turísticas no interior da região, como também para a recomposição da vocação étnica e comercial dos mercados locais.

Palavras-chave


turismo; imigração alemã; mercado; rota romântica; etnografia

Texto completo:

PDF

Referências


ADLER, J. 1989. “Origins of sightseeing”. Annals of Tourism Research 16: 7–29. https://doi.org/10.1016/0160-7383(89)90028-5

AVANZA, Martina; LAFERTÉ, Gilles. 2005. “Dépasser la construction des identités’? Identification, image sociale, appartenance”. Genèses 61: 134-152. https://doi.org/10.3917/gen.061.0134

BENDIX, Regina. 1989. “Tourism and cultural displays: inventing traditions for whom?”. The Journal of American Folklore 102: 131–46. https://doi.org/10.2307/540676

BENI, Mario Carlos. 2006. Política e planejamento de turismo no Brasil. Sã o Paulo: ALEPH. BRUNER, Edward. 1987. “Of cannibals, tourists, and ethnographers”. Cultural Anthropology, 4: 438–45. https://doi.org/10.1525/can.1989.4.4.02a00070

BRUNER, Edward; KIRSHENBLATT-GIMBLETT, Barbara. 1994. “Maasai on the lawn: tourist realism in East Africa”. Cultural Anthropology 9: 435–70. https://doi.org/10.1525/can.1994.9.4.02a00010

CARVALHO, Alan. 2000. "Políticas públicas em turismo no Brasil”. Revista Sociedade e Cultura 3(1) e (2): 97-109. https://doi.org/10.5216/sec.v3i1.458

COMUNELLO, Felipe José. 2014. Em busca do frio: o turismo na Região Serrana de Santa Catarina. Tese de Doutorado. Porto Alegre, RS: UFRGS.

COUSIN, Saskia. 2008. L’identité au miroir du tourisme: usages et enjeux des politiques de tourisme culturel. Tese (doutorado) em Antropologia Social e Etnologia. Paris: Ecole des hautes études en sciences sociales.

COUSIN, Saskia. 2011. Les Miroirs du Tourisme: ethnographie de la Touraine du Sud. Paris: Descartes & Cie.

COUSIN, Saskia; RÉAU, Bertrand. 2009. Sociologie du Tourisme. Paris: La Découverte.

CRUZ, Rita. 2005. “Políticas públicas de turismo no Brasil: território usado, território negligenciado”. Revista do Departamento de Geociências 20 (40): 27-43.

ELIAS, Nobert. 1990. “Da sociogênese dos conceitos de ‘civilização’ e ‘cultura’”. In: O Processo Civilizador. Vol. 1. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

ELIAS, Norbert; DUNNING, Eric. 1992. A busca da excitação. Lisboa, Difel.

FLORES, Hilda Agnes; FLORES, Moacyr. 1996. Picada Café. Porto Alegre: Nova Dimensão.

FOUQUET, C. s/d. Der deutsche Einwanderer und seine Nachkommen in Brasilien (1808-1824-1874). São Leopoldo: Institut Hans Staden/Federação dos Centros Culturais “25 de Julho”.

FOUQUET, C. 1974. O imigrante alemão e seus descendentes no Brasil. São Paulo: Instituto Hans Staden.

GAMPER, Josef Adolf. 1981. “Tourism in Austria: a case study of the influence of tourism on ethnic relations”. Ann. Tour. Res. 8: 432–46. https://doi.org/10.1016/0160-7383(81)90007-4

HALL, Michael. 2001. Planejamento turístico: políticas, processos e relacionamentos. São Paulo: Contexto.

HENZ, Aline. 2009. Políticas públicas de turismo no Brasil. Dissertação de Mestrado. Balneário Camboriú, SC: UNIVALI.

INGOLD, Tim. 2011. The Perception of the Environment: Essays on livelihood, dwelling and skill. New York: Routledge.

JOURNET, Nicolas. 2005. “L’argent en famille”. Terrain 45: 5-12. https://doi.org/10.4000/terrain.3504

LEONG, Wai Teng. 1989. “Culture and the state: manufacturing traditions for tourism”. Critical Studies in Mass Communication 6: 355–75. https://doi.org/10.1080/15295038909366762

MACCANNELL, Dean. 1976. The Tourist: A New Theory of the Leisure Class. New York: Schocken. 2nd ed.

NASH, Dennison. 1981. “Tourism as an anthropological subject”. Current Anthropology 22: 461–81. https://doi.org/10.1086/202722

NASH, Dennison. 1996. Anthropology of Tourism. New York: Pergamon.

OBERACKER, K.H. 1957. “Neuschöpfungen der deutschen Sprache in Brasilien”. In: Staden Jahrbuch. São Paulo: Inst. Hans Staden.

OBERACKER, K.H. 1978. Der deutsche Beitrag zum Aufbau der brasilianischen Nation. São Leopoldo: Fed. dos Centros Culturais 25 de julho.

OLIVEN, Ruben George. 1992. A Parte e o Todo: a diversidade cultural no Brasil-Nação. Petrópolis: Vozes.

RADOMSKI, Guilherme. 2010. Certificação participativa e regimes de propriedade intelectual. Tese de Doutorado. Porto Alegre, RS: UFRGS.

SPERB, ngela Tereza; WERLE, Sussana M. M. (coords.). 2004. Na Trilha dos Lírios: escola e comunidade traçam seu futuro através do passado. Picada Café: Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Desporto e Turismo.

STRONZA, Amanda. 2001. “Anthropology of Tourism: forging new ground for ecotourism and other alternatives”. Annual Review of Anthropology 30: 261-283.

THIESSE, Anne-Marie. 1999. La Création des identités nationales. Europe XVIIe siècle-XXe siècle. Paris: Seuil.

THIESSE, Anne-Marie. 2002. “Ficções criadoras: as identidades nacionais”. Anos 90 15: 7-23. https://doi.org/10.22456/1983-201X.6609

TOWNER, J.; WALL, G. 1991. “History and tourism”. Annals of Tourism Research 18: 71–84. https://doi.org/10.1016/0160-7383(91)90040-I

TRESPACH, Rodrigo. 2010. “Memória e História Oral entre os imigrantes alemães no Sul do Brasil: o caso da família Schmitt”. Oficina do Historiador 2 (1): 66-77

URRY, John. 1990. The Tourist Gaze: Leisure and Travel in Contemporary Societies. London: Sage Publications.

WAGNER, Roy. 2010. “A cultura como criatividade”. In: A invenção da cultura. São Paulo: Cosac Naify.

ZANINI, Maria Catarina C. 2007. “Um olhar antropológico sobre fatos e memórias da imigração italiana”. Mana 13(2): 521-547. https://doi.org/10.1590/S0104-93132007000200009

ZELIZER, Viviana. 2009. “Dualidades Perigosas”. Mana 15 (1): 237-256 https://doi.org/10.1590/S0104-93132009000100009




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/campos.v14i1/2.42574

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Direitos autorais

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM