Comunidade sem portas: imaginando o Cariri a partir de um bar de fim de noite

Roberto Marques

Resumo


Em Crato (CE), encontra-se um bar aberto 24 horas. O "Guanabara" não tem portas, servindo bebidas e refeições o dia inteiro ao som de Altemar Dutra, Roberto Carlos e Nelson Gonçalves. Em 2010, o bar completou 52 anos de existência. Informados pelas contribuições de Bourdieu, Said e Foucault para pensar espacialidades como reapresentações calcadas em signos identitários, interessa-nos refletir como tais signos funcionam em lugares de confluência para grupos distintos e concomitância de gramáticas sociais. Para isso, recorremos a autores como Clifford e Bakthin, a fim de tencionar as imagens usuais do Cariri e do Nordeste com alegorias postas em ação nesse modelo de comunidade sem portas.


Palavras-chave


bares; espacialidades; alegorias; anonimato; Cariri

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JR, Durval Muniz de. 2001. A invenção do Nordeste e outras artes. Recife: Masangana; São Paulo: Cortez.

ANDRADE, Iarê Lucas de. 2000. Da linha do trem pra lá: O discurso sobre a prostituição na cidade de Crato (1940/1960). Dissertação de Mestrado em História Social. Rio de Janeiro: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

BAKHTIN, Mikhail. 2010. Questões de literatura e de estética: a teoria do romance. São Paulo: Hucitec.

BARBOSA, Francisco Salatiel de Alencar. 2007. O Joaseiro celeste: tempo e paisagem na devoção ao Padre Cícero. São Paulo: Attar.

BARROS, Luitgarde Oliveira C. 1988. A terra da mãe de Deus. Rio de Janeiro: Francisco Alves; Brasília: INL.

BENÍTEZ, Elvira. 2007. “Buraco da Lacraia”. In G. VELHO (org.). Rio de Janeiro: cultura, política e conflito. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

BOURDIEU, Pierre. 1998. “A identidade e a representação. Elementos para uma reflexão crítica sobre a ideia de região”. In: P. Bourdieu . O Poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

CLIFFORD, James. 2002. A experiência etnográfica: Antropologia e literatura no século XX. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

CONNELL, Robert. 1995. “Políticas de Masculinidade”. Educação e Realidade 20(2): 185-206.

CORDEIRO, Maria Paula Jacinto, 2011. Entre chegadas e partidas: dinâmicas das romarias em Juazeiro do Norte. Fortaleza: Imeph.

CORTEZ, Antonia Otonite de Oliveira. 2000. A construção da Cidade da Cultura: Crato (1889-1960). Dissertação de Mestrado em História Social. Rio de Janeiro: Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

DELLA CAVA, Ralph. 1976. Milagre em Joaseiro. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

FACÓ, Rui. 2009 [1963]. Cangaceiros e fanáticos: gênese e lutas. Rio de Janeiro: Ed. UFRJ.

FACCHINI, Regina. 2008. Entre Umas e Outras: mulheres, (homo)sexualidades e diferenças na cidade de São Paulo. Tese de Doutorado em Antropologia. Campinas, SP: Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas.

FOUCAULT, Michel. 1979. “Sobre a geografia”. In R. Machado (org.) Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal.

FOUCAULT, Michel. 1979. “Verdade e poder”. In R. Machado (org.) Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Graal.

FRANÇA, Isadora Lins. 2009. “Na ponta do pé: quando o black, o samba e o GLS se cruzam em São Paulo”. In Maria Elvira e Carlos Eduardo Figari (orgs.) Prazeres Dissidentes. Rio de Janeiro: Garamond.

FRY, Peter. 1982. Para Inglês ver. Rio de Janeiro: Zahar.

GASPAR. Maria Dulce. 1985. Garotas de Programa. Prostituição em Copacabana e Identidade Social. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

GONÇALVES, Marco Antônio Teixeira. 2008. O real imaginado: Etnografia, cinema e surrealismo em Jean Rouch. Rio de Janeiro: Topbooks.

MARQUES, Roberto. 2004a. “A Identidade como estratégia: Modernização, Memória e Política no Cariri (1950)”. In Marinalva Vilar de Lima e Roberto Marques (orgs.) Estudos Regionais: Limites e Possibilidades. Crato, CE: NERE/ Ceres.

MARQUES, Roberto. 2004b. Contracultura, tradição e oralidade: (re)inventando o sertão nordestino na década de 70. São Paulo: Annablume.

MARQUES, Roberto. 2008. “Entre a ordem social e os afetos: o patriarcalismo como metáfora”. In: Liliana da Escóssia e Eduardo Leal Cunha (orgs.) A psicologia entre o indivíduo e sociedade. São Cristóvão: Ed. UFS.

MARQUES, Roberto. 2009. “Deslocando corpos e significados: espaço, tempo e política entre romeiros do padre Cícero”. Religião & Sociedade 29: 256-260. https://doi.org/10.1590/S0100-85872009000100012

MARQUES, Roberto. 2011. O Cariri do forró eletrônico: Festa, gênero e criação no Nordeste contemporâneo. Tese de Doutorado em Antropologia Cultural. Rio de Janeiro, RJ: Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

MARTINS, Edson Soares. 2003. “O cordel, o homossexual e o poeta 'maudito': novelo de discursos no folheto de Salete Maria e Fanka Santos”. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea 22: 125-136.

OLIVEIRA, Leandro de. 2006. Gestos que pesam: Performances de gênero e práticas homossexuais em contexto de camadas populares. Dissertação de Mestrado em Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, RJ: Instituto de Medicina Social, Universidade Estadual do Ceará.

PAZ, Renata Marinho. 2011. Para onde sopra o vento: Igreja Católica e romarias em Juazeiro do Norte. Fortaleza: IMEPH.

PENNA, Maura. 1992. O que faz ser nordestino: identidades sociais, interesses e o ‘escândalo’ Erundina. São Paulo: Cortez.

PERLONGHER, Nestor. 1984. “Antropologia das Sociedades complexas: Identidades e territorialidade, ou como estava vestida Margaret Mead”. In: . Acessado em 09/07/2008.

PERLONGHER, Nestor. 1987. O negócio do michê: A prostituição viril. São Paulo: Brasiliense.

PRADO, Rosane Manhães. 1997. “Cidade pequena: paraíso e inferno da pessoalidade”. Cadernos de Antropologia e Imagem 4: 31-54.

PRATT, Mary Louise. 1999a. “Pós-colonialidade: projeto incompleto ou irrelevante?” In Luiz Eugênio VÉSCIO e Pedro Brum Santos (orgs.) Literatura & História: perspectivas e convergências. Bauru, SP: EDUSC.

PRATT, Mary Louise. 1999b. Os olhos do império: relato de viagem e transculturação. Bauru: EDUSC.

RAGO, Margareth. 2001. “Prefácio: Sonhos de Brasil”. In Durval Muniz de Albuquerque Jr. A invenção do Nordeste e outras artes. Recife: FJN, Masangana. São Paulo: Cortez.

ROUCH, Jean. 1995. “54 anos sem tripé”. Cadernos de Antropologia e Imagem 1: 65-74.

SAID, Edward. 1990. Orientalismo: O Oriente como invenção do Ocidente. São Paulo: Companhia das Letras.

SHIRLEY, Robert. 1977. O fim de uma tradição. São Paulo: Perspectiva.

SILVA, Luiz Antônio Machado da. 1969. “O Significado do Botequim”. Revista América Latina 12(3): 160-182.

SLATER, Candace. 1986. Trail of miracles: Stories from pilgrimage in northeast Brazil. Berkeley: University of California Press.

SOUZA, Rolf Ribeiro de. 2003. A Confraria da esquina: O que os homens de verdade falam em torno de uma carne queimando - etnografia de um churrasco de esquina no subúrbio carioca. Rio de Janeiro: Bruxedo.

STRATHERN, Marilyn. 2005. Partial Connections. California: Altamira Press.

STRATHERN, Marilyn. 2006. O Gênero da Dádiva. Campinas: Ed. Unicamp.

WHITE, William Foote. 2005 [1943]. Sociedade de esquina: a estrutura social de uma área urbana pobre e degradada. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

WILLEMS, Emílio. 1947. Cunha: Tradição e transição em uma cultura rural no Brasil. São Paulo: Secretaria de Agricultura, Diretoria de Publicidade Agrícola.

WOORTMANN, Ellen. 1995. Herdeiros, Parentes e Compadres. São Paulo: Hucitec.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v12i2.30615

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais