A expressão votiva católica na época de sua reprodutibilidade técnica

Luís Américo Silva Bonfim

Resumo


Este artigo problematiza as qualidades da originalidade e do valor estético nas artes votivas derivadas do catolicismo brasileiro. Com base no pressuposto de que “artes votivas” são as práticas e produções simbólicas que envolvem a consagração, renovação e pagamento de promessas – em geral culminadas pelos ex-votos – foi possível, a partir de exaustivo trabalho de campo, elaborar um inventário que envolveu mais de noventa sítios devocionais na região nordeste do Brasil, e se desdobrou em sistemas taxonômicos de diferentes níveis etnológicos. O texto discute o posicionamento destes artefatos de produção espontânea dentro do universo artístico e dos bens reputados como testemunhos autênticos do imaginário popular e da memória social brasileira. Além disso, apresenta o fenômeno da seriação sobre as formas expressivas das ofertas gratulatórias, considerando as dimensões de ruptura e renovação que emergem dos diversos espaços de sua manifestação


Palavras-chave


Ex-votos; Catolicismo popular; Dádiva; Reprodutibilidade; Memória

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Mário de. 1936. “A situação etnográfica no Brasil”. Jornal Síntese 1(1).

BASTIDE, Roger. 1979. Arte e Sociedade. São Paulo: Cia. Editora Nacional.

BENJAMIN, Walter. 1978. “A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica”. In T. Adorno et al.. Teoria da cultura de massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

CASCUDO, Luís da Câmara. 2000. Dicionário do folclore brasileiro. São Paulo: Global.

CLIFFORD, James. 1988. “Histories of the tribal and the modern”. In The predicament of culture: twentieth-century ethnography, literature and art. Cambridge, Massachusetts & London: Harvard University Press.

HOUAISS, Antônio & VILLAR, Mauro de Salles. 2001. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

LÉVI-STRAUSS, Claude. 2005. O pensamento selvagem. Campinas, SP: Papirus.

MALINOWSKI, Bronislaw. 1978. Argonautas do Pacífico ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. São Paulo: Abril Cultural.

MAUSS, Marcel. 2003. “Ensaio sobre a dádiva – forma e razão da troca nas sociedades arcaicas”. In Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac & Naify.

POMIAN, Krzysztof. 1984. “Coleção”. In R. Romano (Dir.) Enciclopédia Einaudi. Porto: Imprensa Oficial/Casa da Moeda.

SAIA, Luís. 1944. Escultura popular brasileira. São Paulo: Edições Gaveta.

SANTAELLA, Lúcia. 1998. “Os três paradigmas da imagem”. In E. Samain (org). O fotográfico. São Paulo: HUCITEC.

SOCIEDADE DE ETNOGRAFIA E FOLCLORE (SEF). 2004. Catálogo de acervo histórico. São Paulo: CCSP.

SERRA, Ordep. 1991. O simbolismo da cultura. Salvador: Centro Editorial e Didático da UFBA.

SILVA, Maria Augusta Machado da. 1981. Ex-votos e orantes no Brasil; leitura museológica. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional.

VALLADARES, Clarival do Prado. 1967. Riscadores de milagres – um estudo sobre arte genuína. Rio de Janeiro: Superintendência de Difusão Cultural da Secretaria de Educação do Estado da Bahia.

WALDECK, Guacira. 1999. “Exibindo o povo: invenção ou documento?”. In E. Travassos. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional– Arte e cultura popular. Brasília: MinC/IPHAN.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v13i1.28261

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais