Florestas e lutas por reconhecimento: território, identidades e direitos na Mata Atlântica brasileira

Pedro Castelo Branco Silveira

Resumo


O artigo trata de como a constituição pública, no Brasil, de categorias legais – e socialmente reconhecidas – beneficiárias de direitos especiais, tais como populações tradicionais e comunidades quilombolas, produziu o acesso de múltiplas noções identitárias entre moradores de uma área florestal da Mata Atlântica do Estado de São Paulo. Esta reelaboração identitária consiste numa acomodação de suas lutas por reconhecimento às categorias legais. Como conclusão, diagnostica-se que o acesso a categorias especiais de direitos que buscam o reconhecimento das particularidades (direito à diferença) acaba por constituir uma maneira paradoxal de busca por reconhecimento de padrões mínimos de cidadania (direito à igualdade) historicamente negados a tais grupos.


Palavras-chave


Identidades; conflitos socioambientais; conservação ambiental; populações tradicionais, quilombos.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v11i2.26092

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais