"De Criciúma para o mundo": gênero, família e migração

Gláucia de Oliveira Assis

Resumo


No final do século XX, a recente emigração de brasileiros para o exterior inseriu o Brasil nos novos fluxos da população mundial. Uma das características desses fluxos é o crescimento da participação feminina. Pesquisas recentes têm demonstrado a importância das mulheres nos fluxos migratórios contemporâneos como articuladoras de redes sociais na migração. Essas redes familiares e de parentesco são fundamentais tanto para aqueles que pretendem empreender a aventura de migrar quanto para auxiliar nos momentos da chegada ao local de destino. Este artigo pretende demonstrar que a migração não é resultado apenas de uma escolha racional, mas de estratégias familiares nas quais homens e mulheres estão inseridos. Para percorrer a trajetória dos emigrantes o trabalho de campo se realizou em dois lugares: a cidade de Criciúma (SC) e a região de Boston, nos Estados Unidos. Os dados coletados a partir de entrevistas e de observação participante têm revelado que as mulheres não apenas esperam por seus maridos ou filhos, mas participam efetivamente do processo, integrando e articulando redes de migração. Os dados também sugerem que a migração provoca rearranjos familiares e de gênero ao longo do processo.


Palavras-chave


migração; gênero; parentesco; Criciúma; Boston

Texto completo:

PDF

Referências


ARNS, Otília. 1985. A Semente Deu Bons Frutos. Criciúma 1880-1980. Florianópolis: Imprensa Oficial.

ASSIS, Gláucia de O. 1999. “Estar Aqui... Estar Lá.... Uma cartografia da emigração valadarense para os Estados Unidos”. In R. Reis & T. Sales (orgs.), Cenas do Brasil Migrante. São Paulo: Boitempo.

ASSIS, Gláucia de O. 2000. “Os Novos Fluxos da População Brasileira e os Rearranjos Familiares e de Gênero”. XXIV Encontro Anual da Anpocs. Petrópolis (RJ).

ASSIS, Gláucia de O. 2002. “Estar Aqui... Estar Lá... Uma cartografia da vida entre o Brasil e os Estados Unidos”. Textos Nepo 41. Campinas: Núcleo de Estudos de População.

ASSIS, Gláucia de O. & Elisa M. Sasaki. 2001. “Os Novos Migrantes do e para o Brasil: um balanço da produção bibliográfica”. Seminário Internacional Migrações Internacionais: contribuições para políticas - Brasil, 2000. Brasília: CNPD.

BALDIN, Nelma. 1999. Tão Fortes quanto a Vontade. História da imigração italiana no Brasil: os vêneto em Santa Catarina. Florianópolis: Insular/UFSC.

BÓGUS, L. M. & M. S. Bassanesi. “Do Brasil para a Europa. Imigrantes brasileiros na península itálica neste final de século”. In L. Bassegio (org.), O Fenômeno Migratório no Limiar do Terceiro Milênio: desafios pastorais. Petrópolis: Vozes.

BOYD, Monica. 1989. “Family and Personal Networks in International Migration: recent developments and new agendas”. International Migration Review 23(3): 639-69. https://doi.org/10.1177/019791838902300313

CHANT, Sylvia and Radcliffe. 1992. Migration and Development: the importance of gender. In S. Chant (ed.), Gender and migration in developing countries. London and New York: Belhaven Press.

CORRÊA, Mariza. 1999. “O sexo da dominação”. Novos Estudos Cebrap 54.

CORRÊA, Mariza. 2002. “Prefácio”. In: H. B. Almeida, R. G. Costa, M. C. Ramirez & E. Souza, Gênero em Matizes. Bragança Paulista: Coleção Estudos CDAPH.

DEBIAGGI, Sylvia. 2002. Changing Gender Roles: Brazilian immigrant families in U.S. New American Collection, edited by C. Suarez-Orozco & M. Suarez-Orozco. LFB Scholarly Publishing LLC.

DONATO, Katharine M. 1992. “Understanding U. S. Immigration: why some countries send women and others send men”. In D. Gabaccia (ed.), Seeking Common Ground: multidisciplinary studies of immigrant women in the United States. Westport, Connecticut/ London: Praeger.

FANTIN, Márcia. 1998. “A Reinvenção das Festas: uma contribuição para o debate”. In R. Fleuri & M. Fantin (orgs.). Culturas em Relação: comentários aos debates, cursos e atividades durante o seminário internacional Educação Intercultural e Movimentos Sociais. Florianópolis: Mover/UFSC.

FUSCO, Wilson. 1999. “Redes Sociais na Migração Internacional: o caso de Governador Valadares”. Anais do II Encontro Nacional de Migração - ABEP/GT Migração. Ouro Preto (MG).

FUSCO, Wilson. 2000. Redes Sociais na Migração Internacional: o caso de Governador Valadares. Dissertação de Mestrado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas/ Instituto de Filosofia e Ciências Humanas.

GABACCIA, Donna. 1992. Seeking Common Ground: multidisciplinary studies of immigrant women in the United States. Westport, Connecticut/London: Praeger.

GLICK-SCHILLER, Nina, Linda Bash & Cristina Blanc-Szaton. 1992. “Towards a Transnational Perspective on Migration: race, class, ethnicity, and nationalism reconsidered”. Annals of the New York Academic Sciences 645.

GRIECO, Elizabeth M. & Monica Boyd. 2001. “Women and Migration: incorporating gender into international migration theory”. Florida State University College of Social Sciences, Center for the Study of Population. Working paper.

GROSSI, Miriam Pilar. 1990. “A Trajetória do Conceito de Gênero nos Estudos sobre a Mulher no Brasil”. XVII Reunião Brasileira de Antropologia. Florianópolis.

HÉRITIER, Françoise. 1996. Masculino e Feminino: o pensamento da diferença. Lisboa: Instituto Piaget.

HOUSTON, Marion, Roger G. Kramer & Joan M. Barret. 1984. “Female Predominance of Immigration to the United States since 1930: a first look”. International Migration Review 28(4):908-63. https://doi.org/10.1177/019791838401800403

MARGOLIS, Maxime L. 1994. Little Brazil: an ethnography of Brazilian immigrants in New York City. New Jersey: Princeton University Press.

MARTES, Ana C. B. 1999. Brasileiros nos Estados Unidos: um estudo sobre imigrantes em Massachusetts. São Paulo: Paz e Terra.

MOTTA, Flávia M. 2002. Gênero e Reciprocidade numa Ilha no Sul do Brasil. Tese de doutorado em Ciências Sociais. Campinas: IFCH/Unicamp.

NASCIMENTO, Dorval. 1993. Formação Histórica de Criciúma (1880-1930). A elite dominante e a formação da cidade. Trabalho de conclusão de curso de pós-graduação em História. Universidade do Extremo Sul Catarinense.

SALES, Teresa. 1992. “Imigrantes Estrangeiros, Imigrantes Brasileiros: uma revisão bibliográfica e algumas questões para pesquisa”. Revista Brasileira de Estudos de População 9(1): 50-64.

SALES, Teresa. 1999. “Identidade Étnica entre Imigrantes Brasileiros na Região de Boston”. In R. Reis & T. Sales (orgs.), Cenas do Brasil Migrante. São Paulo: Boitempo.

SAVOLDI, A. 1998. “O Caminho Inverso: a trajetória dos descendentes de imigrantes italianos em busca da dupla cidadania”. Dissertação de mestrado em Antropologia Social. Florianópolis: UFSC.

SIMON, Rita J. 1992. “Sociology and Immigrant Women”. In D. Gabaccia (org.), Seeking Common Ground: multidisciplinary studies of immigrant women in the United States. Westport, Connecticut/London: Praeger.

STRATHERN, Marilyn. 1988. The Gender of the Gift: problems with women and problems with society in Melanesia. Berkeley: University of California Press.

TEIXEIRA, José Paulo. 1996. Os Donos da Cidade. Florianópolis: Insular.

THOMAS, William I. & Florian Znaniecki. 1984. The Polish Peasant in Europe and America. Chicago: University of Chicago Press.

YANAGIZAKO, Silvia J. 1977. “Women-centered Kin Networks in Urban Bilateral Kinship”. American Ethnologist 4(2):207-226. https://doi.org/10.1525/ae.1977.4.2.02a00010

ZLOTNIK, Hania. 1998. “International Migration 1965-96: an overview”. Population and Development Review 24(3): 429-468. https://doi.org/10.2307/2808151




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v3i0.1586

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais