Roque de Barros Laraia - Entre a Antropologia e o Indigenismo: Reflexões sobre uma Trajetória

Edilene Coffaci de Lima, Márnio Teixeira Pinto

Resumo



Bacharel em História pela UFMG, Roque de Barros Laraia integrou a primeira turma do
Curso de Especialização em Antropologia Social do Museu Nacional, em 1960. Desde
então, dedicou-se integralmente à Antropologia, em particular à Etnologia Indígena. Aluno
de Roberto Cardoso de Oliveira e, mais tarde, de Florestan Fernandes, Roque Laraia procurou
em seus estudos analisar tanto a relação entre índios e brancos (como em Índios e
Castanheiros, escrito em parceria com Roberto Da Matta) quanto a organização social e a
cosmologia ameríndia (como em Tupi: índios do Brasil atual). Professor Aposentado da UnB
após quarenta anos de vida acadêmica, Roque Laraia assumiu, durante nove meses do ano
passado, a Diretoria de Assuntos Fundiários (DAF) da Fundação Nacional do Índio (FUNAI).
Nesta entrevista, realizada em Curitiba após uma breve conversa em Petrópolis, durante a
XIV Reunião da Associação Nacional de Pós-Graduação em Ciências Sociais (ANPOCS), da
qual é atualmente presidente, Roque Laraia falou sobre sua trajetória acadêmica e sua
atuação na política indigenista.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v1i0.1557

Direitos autorais