Antropologias em Perspectiva: Notas sobre as relações entre Estado e saber antropológico

André Luis Lopes Borges de Mattos

Resumo


Neste artigo discuto as relações entre antropologia e Estados nacionais no contexto da expansão colonial europeia, ocorrida nas primeiras décadas do século XX. Analisando particularmente a atuação de antropólogos nos três centros reconhecidamente fundadores da prática antropológica, isto é, França, Inglaterra e Estados Unidos, procuro mostrar como o saber antropológico e as ações intervencionistas do Estado colonial se articulam em processos de construção mútua, a partir de interesses de atores políticos distintos, em circunstâncias específicas. Trata-se, assim, de uma tentativa, por um lado, de mostrar as diferentes formas de se conceber e praticar a antropologia em “tradições nacionais” distintas e, por outro, de apresentar elementos capazes de fomentar o debate em torno das condições sociais de produção do conhecimento antropológico.


Palavras-chave


Antropologia; História da Antropologia; Antropologia Aplicada

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/cam.v9i2.12646

Direitos autorais