Ecossistemas de conhecimento sobre Indústria 4.0 no Brasil: uma análise bibliométrica

Mateus Rebouças Nascimento

Resumo


Introdução: A produção de conhecimento na ciência se concretiza na interação colaborativa entre pesquisadores que investigam temáticas em comum, formando ecossistemas de conhecimento por meio de suas produções, neste sentido, o artigo objetiva mapear os principais atores (pesquisadores, universidades e agências de fomento) que constituem o ecossistema e os conhecimentos que o permeiam, em especial os centrados na indústria 4.0 em âmbito brasileiro. Método: Constitui uma pesquisa quantitativa, de cunho descritivo, utilizando técnicas bibliométricas mediante a uma análise dos trabalhos publicados sobre Indústria 4.0 na base de dados Web of Science nos últimos cinco anos, refinando a busca por país e selecionando o Brasil. Ao todo, 369 documentos produzidos no país foram analisados por meio do software métrico VOSviewer para construir redes de colaboração. Resultados: Destacam-se os autores Eduardo de Freitas Rocha Loures e Fernando Deschamps como principais produtores de conhecimento no ecossistema, bem como a CAPES e o CNPQ como atores norteadores no financiamento de pesquisas sobre a Indústria 4.0, as quais foram desenvolvidas no espaço da Universidade de São Paulo e Universidade Federal de Santa Catarina.  Conclusão: Os ecossistemas de conhecimento na Indústria 4.0 são formados por universidades e agências de fomento públicas, que utilizam recursos para desenvolver no país tecnologias de inteligência artificial, internet das coisas, sistemas ciberfísicos, dentre outros conhecimentos norteadores.


Palavras-chave


Indústria 4.0; Análise bibliométrica; Ecossistemas de Conhecimento.

Texto completo:

PDF

Referências


Araújo, R. F. de. (2017). Estudos métricos da informação na web e o papel dos profissionais da informação. Biblioteca Universitária, 2, 42-64. Retirado de: https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistarbu/article/view/3074.

Clarivate Analytics (2017). Web of Science. Retirado de http://wilearncap.asuscomm.com:81/wikipedia_en_all_novid_2017-08/A/Web_of_Science.html.

Curty, R. G., & Delbianco, N. R. (2020). As diferentes metrias dos estudos métricos da informação: evolução epistemológica, inter-relações e representações. Encontros Bibli, 25, 01-21. doi: 10.5007/1518-2924.2020.e74593.

Fapesp (2010). Análise da produção científica a partir de publicações em periódicos especializados. In Fapesp. Indicadores de Ciência, Tecnologia e Inovação em São Paulo 2010. São Paulo: Fapesp. Retirado de https://fapesp.br/indicadores/2010/volume1/cap4.pdf.

Grácio, M. C. C., & Oliveira, E. F. T. de. (2017). A pesquisa brasileira em estudos métricos da informação: proximidade entre pesquisadores de destaque e áreas afins. Informação & Sociedade, 27(2), 105-116. Retirado de https://periodicos.ufpb.br/ojs/index.php/ies/article/view/32483.

Hawley, A. H. (1986). Human ecology: a theoretical essay. Chicago: University of Chicago Press.

Järvi, K., Almpanopoulou, A., & Ritala, P. (2018). Organization of knowledge ecosystems: prefigurative and partial forms. Research Policy, 10(8), 1523-1537. doi: 10.1016/j.respol.2018.05.007

Lasi, H., Fettke, P., Kemper, H. G., Feld, T., Hoffmann, M. (2014). Industry 4.0. Business & Information Systems Engineering, 6, 239-242. doi: 10.1007/s12599-014-0334-4.

Macias-Chapula, C. A. (1998). O papel da Informetria e da cienciometria e sua perspectiva nacional e internacional. Ciência da Informação, 27(2), 132-140. doi: 10.1590/S0100-19651998000200005

Miller, F. Q. (2015). Experiencing information use for early career academics’ learning: a knowledge ecosystem model. Journal of Documentation, 71(6), 1228-1249. doi: 10.1108/JD-04-2014-0058

Morais, M. de O., Costa Neto, P. L. de O., Santos, O. S. dos, Cardoso Junior, A. P., & Sacomano, J. B. (2020). The evolution of quality in industry 4.0. Research, Society and Development, 9(10), 1-29. doi: 10.33448/rsd-v9i10.8634

Morais, S. P., & Garcia, J. C. R. (2014, maio). O estado da arte da patentometria em periódicos internacionais da ciência da informação. IV Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria. Retirado de http://hdl.handle.net/20.500.11959/brapci/45400.

Moreira, P. S. da C., Guimarães, A. J. R., & Tsunoda, D. F. (2020). Qual ferramenta bibliométrica escolher? um estudo comparativo entre softwares. P2P e Inovação, 6(2), 140-158. doi: 10.1016/j.joi.2017.08.007.

Nascimento, M. R. (2021). Ecossistemas de conhecimento e a Ciência da Informação: os estudos métricos da informação na mensuração do conhecimento científico. In C. R. S. Barbalho, D. O.

Inomata, & T. B. Fernandes (Orgs.). Sustentabilidade Informacional em Ecossistemas de Conhecimentos. Manaus, AM: Editora da Universidade Federal do Amazonas. Retirado de http://riu.ufam.edu.br/handle/prefix/5856.

Robertson, J. (2020). Competition in Knowledge Ecosystems: A Theory Elaboration Approach Using a Case Study. Sustainability, 12(18), 1-20. doi: 10.3390/su12187372.

Santos, B. P., Alberto, A., Lima, T. D. F. M., Charrua-Santos, F. B. B. (2018). Indústria 4.0: desafios e oportunidades. Revista Produção e Desenvolvimento, 4(1), 111-124. doi: 10.32358/rpd.2018.v4.316.

Schwab, K. (2017). The Fouth Industrial Revolution. Nova Iorque: Crow Business.

Silva, I. O. (2016). Webometria e análise de redes sociais. Revista ACB, 21(2), 294-308. Retirado de: https://revista.acbsc.org.br/racb/article/view/1137.

Thomson, A. J. (2007). How should we manage knowledge ecosystems? Using adaptive knowledge management. In K. M.

Reynolds, A. J. Thomson, M. Köhl, M. A. Shannon, D. Ray, & K. Rennolls. Sustainable forestry: from monitoring and modelling to knowledge management and policy science. Wallingford: CABI.

Valkokari, K. (2015). Business, Innovation, and Knowledge Ecosystems: How They Differ and How to Survive and Thrive within Them. Technology Innovation Management Review, 5(8), 17-24. Retirado de https://timreview.ca/article/919.

Van Eck, N. J., & Waltman, L. (2018). VOSviewer manual. Holanda: Universiteit Leiden.

Vanti, N. A. P. (2005). Os links e os estudos webométricos. Ciência da Informação, 34(1), 78-88. doi: 10.1590/S0100-19652005000100009.

Vermulm, R. (2018). Políticas para o desenvolvimento da indústria 4.0 no Brasil. São Paulo: IEDI. Retirado de: http://web.bndes.gov.br/bib/jspui/handle/1408/15486

Wilkesmann, M., Wilkesmann, U. (2018). Industry 4.0: organizing routines or innovations?. Journal of Information and Knowledge Management Systems, 48(2), 238-254. doi: 10.1108/VJIKMS-04-2017-0019.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/atoz.v10i3.81513

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Serviços de indexação e agregadores

Web of Science
Directory of Open Access Journals
Sumários.org: sumários de revistas brasileiras
Google Acadêmico
LivRe! Portal para periódicos de livre acesso na Internet
InfoBCI
Latindex Catálogo
Bielefeld Academic Search Engine
INFOBILA: Información Bibliotecológica Latinoamericana
REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação Brapci (Base de Dados Referencial de Artigos de Periódicos em Ciência da Informação

Universidade Federal do Paraná
Mestrado e Doutorado Interdisciplinar em Gestão da Informação
ISSN: 2237-826X
Qualis (2013-2016):
B2 - Comunicação e Informação
B4 - Planejamento Urbano e Regional/Demografia; Saúde Coletiva; Interdisciplinar
B5 - Arquitetura, Urbanismo e Design; Engenharias III
Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional
Esta obra foi licenciada sob uma Licença
Creative Commons Atribuição 4.0 Não Adaptada