Open Journal Systems

QUALIDADE DA ÁGUA NAS SUB-BACIAS HIDROGRÁFICAS DOS RIOS CAPIVARI E MORTES, MINAS GERAIS

Diego Vipa Amâncio, Gilberto Coelho, Rosângela Francisca de Paula Vitor Marques, Marcelo Ribeiro Viola, Carlos Rogério de Mello

Resumo


Os recursos hídricos superficiais constituem-se na principal fonte hídrica, para múltiplos usos na região sul de Minas Gerais. Para tanto, em demandas como o abastecimento público, torna-se essencial o monitoramento da qualidade da água nos mananciais, visando a segurança hídrica e a minimização dos recursos dispendidos com tratamento de água. Objetivou-se avaliar o Índice de Estado Trófico (IET) e do Índice de Qualidade de Água (IQA) nas Unidades de Planejamento e Gestão de Recursos Hídricos (UPGRH) Alto Rio Grande (GD1) e Vertentes do Rio Grande (GD2). Foram amostrados três pontos no GD1 (PI – Rio Ingaí – Minduri, PII – Rio Capivari e PIII – Rio Ingaí – Luminárias) e três pontos no GD2 (PIV – Rio das Mortes, PV – Rio do Peixe e PVI – Ribeirão dos Tabuões). O período de monitoramento foi entre abril de 2015 a fevereiro de 2016, totalizadas oito coletas. Os parâmetros avaliados foram: pH, DBO, OD, CT, T, ST, PO43-, P, NO3- e Temperatura. Calculou-se o IET e o IQA de acordo com a metodologia proposta por Lamparelli (2004) e IGAM (2005), e realizando o enquadramento em classes conforme a DN COPAM CERH 01/2008 para classe 1 – Águas Doces. As condições ambientais para os resultados finais do IET, classificado como Hipereutrófico, sinalizando excesso de nutrientes, fator associado às poluições difusas e pontuais próximas aos pontos de coleta. Para o IQA, para todos os pontos o resultado foi Ruim. Principal fator causador foram os coliformes termotolerantes, associado a pecuária, exploração mineral e lançamento incorreto de esgoto nos pontos amostrados.

Palavras-chave: Índice de Estado trófico, índice de qualidade de água, poluições difusas e pontuais.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rsa.v19i1.53175