“Um Brasil quase desconhecido habitado por homens gigantes”: As representações do povo Ashaninka na reportagem A Última Fronteira de Vinícius Dônola

Francielle Modesto Mendes

Resumo


O objeto da análise deste artigo é a reportagem “A última fronteira”, que discorre sobre os povos Ashaninka, com texto de Vinícius Dônola e imagens de Thompson Lee Brito. Foi ao ar em 20 de maio de 2013 na Record TV. O objetivo é discutir de que forma esta reportagem articula as representações sobre os povos indígenas Ashaninka, que vivem na fronteira do Brasil-Acre/Peru, e a Amazônia brasileira acreana. A pesquisa tem cunho bibliográfico e usa como suporte os seguintes autores: Homi Bhabha (2013), Manuela Carneiro Cunha (2012, 2016), Gerson Albuquerque (2016), entre outros. Os seguintes aspectos de análise são levados em consideração como percurso metodológico: as noções de inferno/paraíso tropical; a ideia de vazio, monotonia e distanciamento; e a comparação dos espaços floresta/cidade não amazônica. Todos esses itens se articulam em torno das ideias de atraso/progresso, tradição/moderno, presente/passado que permeiam a formação da Amazônia brasileira acreana e de suas gentes, sobretudo, indígenas.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/2238-0701.2021n22.11