Variações do mito da Ilíada: Da intercessão divina ao abandono dos mortais

Anelise Angeli De Carli

Resumo


Neste artigo, são comparadas duas formas de apresentação do mito da Ilíada: no romance épico de Homero e no filme Troy. São utilizadas as definições de sagrado e de mito de Mircea Eliade e da derivação do mito em Gilbert Durand para elaborar uma leitura simbólica comparativa. O objetivo é tirar consequências para o sentido do mito através da descrição das cenas no cinema contemporâneo e na literatura arcaica. Conclui-se que o apagamento dos deuses como personagens amplifica a esfera de ação dos homens, ao mesmo tempo em que inviabiliza o ensinamento de modelos exemplares e deixa a humanidade abandonada a seus melhores instintos, os sentimentos nobres e moralmente aceitos em determinado momento histórico.

Palavras-chave


Ilíada; Imaginário; Imagem; Mito.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5380/2238-0701.2019n19-06