INTOXICAÇÃO POR CALCITRIOL APÓS TRATAMENTO DE HIPOPARATIREOIDISMO TRANSITÓRIO

Betania Longo, Bianca Bortoluzzi Corrêa, Caio Lagana, Marcela Robl, Debora Cristina Besen, Karina Zanlorenzi Basso Manosso, Sthefanie Giovanna Pallone, Felipe Wolff Schwanbach, Gisah Amaral de Carvalho

Resumo


RESUMO

Introdução: A toxicidade da vitamina D é extremamente rara e potencialmente grave. As características clínicas da hipervitaminose D são decorrentes, principalmente, da hipercalcemia. Objetivo: Relatar um caso de intoxicação por calcitriol. Relato de caso: MH, sexo feminino, 50 anos, em acompanhamento no serviço de endocrinologia e metabologia do HC-UFPR devido bócio multinodular (BMN) tóxico, sendo iniciado tratamento com tapazol. Encaminhada para tireoidectomia total pelo serviço de cirurgia de cabeça e pescoço do HC-UFPR, realizada em novembro de 2015. Anátomo-patológico com ausência de malignidade. Evoluiu, no pós operatório, com hipoparatireoidismo e hipocalcemia grave sintomática (PTH < 5,00ng/ml e cálcio total de 6,2 mg/dl), necessitando reposição de gluconato de cálcio endovenoso por vários dias. Recebeu alta hospitalar no 19º dia de pós operatório com cálcio total de 8,2mg/dl e prescrição de calcitriol 0,25mcg 6 comprimidos (cp) ao dia, carbonato de cálcio (CaCO3) 500mg 8 cp ao dia e vitamina D3 15.000U/semana e retorno ambulatorial em 2 semanas. Paciente retornou em consulta três meses após, com queixa de náuseas, vômitos, hiporexia e perda de 5,8kg em dois meses, apresentando sinais de desidratação ao exame físico e, em uso de calcitriol 0,25mcg 6 cp ao dia e CaCO3 500mg 2 cp ao dia. Cálcio total no retorno de 11,4mg/dl, PTH < 5,00pg/ml, fósforo (Pi) 3,5mg/dl, albumina (alb) 3,9g/dl, creatinina (Cr) 1,5mg/dl. Suspenso CaCO3 e vitamina D, reduzida dose de calcitriol para 2 cp ao dia e orientada hidratação via oral. Após 1 semana, relatou melhora dos sintomas, com cálcio total de 8,1mg/dl, Pi 3,9mg/dl, alb 3,8g/dl, PTH 10,70pg/ml, 25-OH-vitamina D 43ng/ml, Cr 1,1mg/dl. Mantida dose de calcitriol e reiniciado CaCO3 na dose de 1g/dia. Novo retorno em um mês, assintomática, com cálcio total de 8,3mg/dl, PTH 20pg/ml e 25-OH-vitamina D 41ng/ml, Cr 0,8mg/dl, compatível com hipoparatireoidismo transitório e intoxicação por calcitriol resolvida. Conclusão: Diante de um quadro de vômitos persistentes e hipercalcemia, na presença de hormônio da paratireódide normal ou baixo, o diagnóstico de intoxicação por vitamina D deve ser suspeitado e, a normalização de seus níveis alivia os sintomas e pode prevenir lesão renal aguda.


Palavras-chave


intoxicação, calcitriol, hipercalcemia

Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Gupta KA, Jamwal V, Malhotra P, Sakul. Hypervitaminosis D and Systemic Manifestations: A Comprehensive Review. JIMSA. 2014; 27:236-237.

Koul AP, Ahmad HS, Ahamad F, Jan AR, Khan HU.Vitamin D Toxicity in Adults: A Case Series from an Area with Endemic Hypovitaminosis D. Oman Medical Journal. 2011; 26(3):201-4

Bansal KR, Tyaji P, Sharma P, Sigla V, Arora V, Bansal N, et al. Iatrogenic hypervitaminosis D as an unusual cause of persistent vomiting: a case report. Journal of Medical Case Reports. 2014;8:74.

Kallas M, Green F, Hewison M, White C, Kline G. Rare Causes of Calcitriol-Mediated Hypercalcemia: A Case Report and Literature Review. J Clin Endocrinol Metab. 2010;95(7):3111–3117.

Donovan JP, Sundac L, Pretorius JC, Emden CM, McLeod ASD. Calcitriol-Mediated Hypercalcemia: Causes and Course in 101 Patients. J Clin Endocrinol Metab. 2013;98(10):4023–4029.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rmu.v3i2.46820

DOI (PDF): http://dx.doi.org/10.5380/rmu.v3i2.46820.g28878

Apontamentos

  • Não há apontamentos.