IGREJAS E MOVIMENTOS INCLUSIVOS

Sérgio Rogério Junqueira, Acir Brito Filho

Resumo


Este artigo é o resultado da pesquisa do Programa Concepções e Recursos do Ensino Religioso no projeto Concepções e produção científica do Ensino Religioso do Grupo de Pesquisa Educação e Religião e tem o objetivo de analisar o contínuo processo de construção da identidade do Ensino Religioso, como componente curricular no cenário da educação brasileira. Esta é uma pesquisa qualitativa, descritiva e documental a partir de legislações e documentos da História da Educação; buscou-se reorganizar o percurso estabelecido para identificar o primeiro modelo de Ensino Religioso utilizado no Estado Brasileiro no período de 1827 a 2010. A partir deste percurso histórico é possível estabelecer o conceito e estrutura do modelo que é identificado como aquela parte de uma mesma confissão religiosa, e que transmite o que é próprio desta tradição religiosa (visão de mundo, formulações de fé, ética, costumes, práticas rituais, etc.).

Palavras-chave


Ensino Religioso; confessional; história da educação.

Texto completo:

PDF

Referências


APPOLINÁRIO, F. Dicionário de metodologia científica: um guia para a produção do conhecimento científico. São Paulo, Atlas, 2009.

Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 6023. Informação e Documentação: referencias: elaboração. Rio de Janeiro. 2002

Bíblia de Jerusalém. São Paulo: Paulus, 2002. Tradução do original em língua francesa: Les Éditions Du Cerf, Paris, 1998.

Bíblia do peregrino. 2ª ed. São Paulo: Paulus, 2006.

Bíblia sagrada. Trad. ALMEIDA, J. A. Barueri, SP: Sociedade

Bíblica do Brasil, 1993.

Bíblia sagrada: edição catequética popular. São Paulo: Editora Ave Maria, 2012.

Bíblia sagrada: edição da família. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2001.

Bíblia: tradução ecumênica. 2ª ed. São Paulo: Edições Loyola Jesuítas, 2015.

ENDSJO, D. O. Sexo e religião: do baile de virgens ao sexo sagrado homossexual. São Paulo: Geração Editorial, 2014.

FRANCISCO, E. F. Antigo testamento interlinear hebraico-português. Vol. 1: pentateuco. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2012.

GIL, C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª. Edç. São Paulo, Atlas, 2002.

HELMINIAK, D. A. O que a Bíblia realmente diz sobre homossexualidade. São Paulo: Summus, 1998.

JUNQUEIRA, S. R. A. et. al. Amor sacralizado e o amor banido: gênero, orientação sexual e espiritualidade. Curitiba: CRV, 2015.

LIVERANI, M. Para além da Bíblia: história antiga de Israel. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

MOSER, A. O enigma da esfinge: a sexualidade. São Paulo: Editora Vozes, 2001.

MUSSKOPF, A. S. Via(da)gens teológicas: itinerários para uma teologia queer no Brasil. São Paulo: Fonte Editorial, 2012.

Novo testamento interlinear grego-português. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 2004.

PEDROSA, T. D. L. Arqueologia e interpretação: a criação de dois modelos arqueológicos para a Amazônia. PUC-RS: Pontifícia Universidade do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Programa de Pós-graduação em História. 2008. Dissertação (Mestrado).

QUINET, A. e JORGE, M. A. C. (org.). As homossexualidades na psicanálise: na história de sua despatologização. São Paulo: Segmento Farma, 2013.

RAMIRES NETO, L. Habitus de gênero e experiência escolar: jovens gays no ensino médio em São Paulo. FEUSP: Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo: Programa de Pós-graduação em Educação. Dissertação (Mestrado).

SOUZA, J. O. M. L. Terapias do “armário”: clínica, ética e homofobia. UniCEUB:Centro Universitário de Brasília. Brasília: Bacharelado em Psicologia. Monografia (Conclusão de Curso).

TORRES, M. L. A evidência linguística e extralinguística para a tradução de arsenokoitai. Revista Hermenêutica, Seminário Adventista Latino-americano de Teologia. Disponível em: https://getiunasp.files.wordpress.com/2012/06/artigo-sobre-arsenokoitai_milton-torres.pdf; também em: http://www.seer-adventista.com.br/ojs/index.php/hermeneutica/article/view/270. Acesso em: 17 de janeiro de 2017.

TREVISAN, J. S. Devassos no paraíso: a homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. 5ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2002.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v7i1.61620