HERESIA: DESVIO DOUTRINÁRIO OU AFIRMAÇÃO DO CONTRA-PODER?

Geraldo Pieroni

Resumo


Historicamente, o fato de a heresia ter tido um papel positivo para a própria conscientização ou esclarecimento da ortodoxia, já havia sido evidenciado por santo Agostinho na obra De Vera religione. Ele reconheceu a importância do herege ao incentivar a “busca pela verdade”. A heresia não contém somente conotações negativas. Na história da Igreja, houve heresias que, antes de serem qualificadas ou condenadas como tais, foram essenciais na trajetória da definição de um dogma. Este foi o ocorrido com a controvérsia ariana, que viu bispos e escolas teológicas inclinados a um lado ou a outro, mesmo depois do Concílio de Niceia o qual decidiu qual era a “verdadeira religião”. Neste enfoque analisaremos alguns processos de hereges existentes no mundo luso-brasileiro nos quais os inquisidores classificaram como ações iníquas e maléficas. Na sala secreta do Tribunal lisboeta, eles consultaram os livros canônicos e os regimentos da Inquisição e comprovaram que estes heréticos haviam desviado da “autêntica doutrina” e, portanto deveriam pagar suas culpas. O valor da heresia consiste, sobretudo, segundo Mazzi, na libertação do domínio do sagrado, entendido como "abstração, separação e contraposição entre as várias dimensões da nossa existência". O sagrado se torna "projeção de uma angústia não resolvida, de uma ruptura interna, de uma falta de autonomia e, enfim, de uma alienação da própria subjetividade nas mãos do poder". A novidade para se estudar a religiosidade popular consiste em fazer da heresia a chave interpretativa da história. Representa uma negação doutrinal ou uma afirmação do contra-poder?

Palavras-chave


heresias; feitiçaria; contra-poder

Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, Mikhail. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: O Contexto de Rabelais. Trad. Yara Frateschi Vieira: São Paulo/Brasília: Hucitec/Universidade de Brasília, 1987.

BARROS, José D'Assunção. Heresias entre os séculos XI e XV: Uma revisitação das fontes e da discussão historiográfica – notas de leitura. Revista Arquipélago (Revista da Universidade dos Açores – Portugal). 2007-2008.

BETHENCOURT, Francisco. O imaginário da magia - feiticeiras, salutadores e nigromantes no século XVI. Lisboa: Projeto Universidade Aberta, 1987.

DUBY, Georges. Heresias e Sociedades na Europa Pré-Industrial, séculos XI-XVIII. In: Idade Média – Idade dos Homens. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

ELIADE, Mircea. Ocultismo, Bruxaria e Correntes Culturais: ensaios em religiões comparadas. Belo Horizonte: Interlivros de Minas Gerais Ltda, 1979.

FOUCAULT, M. Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.,1997.

GIGANTE, Valério. Rivista Adista, 15-03-2010. Tradução Moisés Sbardelotto. In: http://www.ihu.unisinos.br/index.php, acesso 03/06/2011.

GINZBURG, Carlo. O Queijo e os Vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

IAN/TT (Instituto Arquivo Nacional/Torre do Tombo), Inquisição de Coimbra, processo 6808: Margarida Gonçalves.

IAN/TT, Inquisição de Évora, processo 6823: Maria Simões.

LA VALLE, Raniero. Il Manifesto, 02-04-2010. Tradução Moisés Sbardelotto. Disponível em:http://provocacoesteologicas.wordpress.com, acesso 02/06/2011.

Le Dictionnaire des Inquisiteurs (Valence, 1494). Louis Sala-Molins (direção). Paris : Galilée, 1981.

LOPES, Edward. Discurso literário e dialogismo em Bakhtin. In: BARROS, Diana Pessoa de; FIORIN, José Luiz (Orgs). Dialogismo, polifonia, intertextualidade:em torno de Bakhtin. São Paulo: EDUSP, 2003.

MAZZI, Enzo. Il valore dell’eresia. Roma: Ed. Manifestolibri, 2010.

Manuel des Inquisiteurs de Nicolau Eymerich e Francisco Pena (Avignon, 1376 e Roma, 1578). Louis Sala-Molins (introdução, tradução e notas). Paris: Mouton, 1973.

SALLMANN, Jean-Michel. Les sorcières fiancées de Satan. Paris: Gallimard, 1989.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rt.v1i1.31043