Open Journal Systems

CARACTERIZAÇÃO E COMPORTAMENTO FÍSICO-HÍDRICOS DO SISTEMA PEDOLÓGICO DA TOPOSSEQUÊNCIA DE SOLOS DOURADOS, CAMBIRA, PR, BRASIL

Alan Charles Fontana, Hélio Silveira, Francieli Sant'ana Marcatto, Maria Teresa de Nóbrega

Resumo


Com o objetivo de compreender melhor os solos do compartimento basáltico da bacia do rio Pirapó, foi caracterizado o sistema pedológico da topossequência de solos Dourados, localizada no município de Cambira, PR, Brasil. A metodologia seguiu o proposto para a Análise Bidimensional da Cobertura Pedológica, com a diferenciação dos horizontes ao longo da vertente e realização de ensaios físicos e hídricos para os horizontes. A topossequência de solos Dourados apresenta sistema pedológico composto por Latossolo Vermelho – Nitossolo Vermelho – Cambissolo – Neossolo Litólico – Nitossolo Vermelho – Latossolo Vermelho – Neossolo Litólico, no sentido do topo para o sopé da vertente. Os horizontes superficiais apresentam alterações de suas características, com mudança na estrutura do solo devido ao processo de compactação e à redução da floculação da argila. A estrutura morfológica, as características físicas e a condutividade hidráulica saturada permitiram compreender que no terço superior da vertente onde as declividades são menores estão os solos mais evoluídos e a infiltração de água é predominantemente vertical, ao passo que a partir da média vertente, os valores de declividade aumentam, passam a ocorrer os Nitossolo Vermelho que condicionam a existência de fluxos hídricos laterais subsuperficiais. A transformação lateral do Nitossolo em Cambissolo ocorre devido à redução da espessura do solo, associado ao contato das camadas de basalto e às maiores declividades. Quando o solo se torna ainda menos espesso, o horizonte B incipiente deixa de ocorrer, estando o horizonte Ap diretamente sobre o horizonte C ou sobre a rocha, formando os Neossolos.


Palavras-chave


Análise Bidimensional da Cobertura Pedológica; Condutividade Hidráulica Saturada; Latossolo Vermelho; Nitossolo Vermelho

Texto completo:

PDF

Referências


BONIFÁCIO, C. M. Fragilidade ambiental e qualidade da água na Unidade Hidrográfica do Pirapó, Paranapanema III e IV, Paraná. (Tese de doutorado) Maringá: Programa de Pós-graduação em Geografia / UEM. 2019. 205f.

BOULET, R. Uma evolução recente da pedologia e suas implicações no conhecimento da gênese do relevo. In: Congresso da ABEQUA, 3, 1992, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte, p. 43-58, 1992.

BOULET, R.; CHAUVEL, A.; H. F-X; LUCAS, Y. Analyse structurale et pédologie I. Prise em compte de l’organisation bidimensionnelle de la couverture pédologique: les études de toposéquences et leurs principaux apports à la connaissance des sols. Cahiers ORSTOM, v. 19, n. 4, p. 309-322, 1982.

BOULET, R.; HUMBEL, F. X.; LUCAS, Y. Analyse structurale et cartographie en pedologie II. Une méthode d’analyse prenant en compte l’órganisation tridimensionnelle des couvertures pédologiques. Cahiers ORSTOM, v. 19, n. 4, p. 323-339, 1982a.

BOULET, R.; HUMBEL, F. X.; LUCAS, Y. Analyse structurale et cartographie en pedologie III. Passage de la phase analytique à une cartographie géneral synthétique. Cahiers ORSTOM, v. 19, n. 4, p. 341-351, 1982b.

BOUSQUET, E.; HOLVECK, S. Interações Homem-Solo sobre a Microbacia do Ribeirão Bandeirantes do Note (Paraná-Brasil). Londrina: Ed. UEL, 1999.

DEMARCHI, J. C.; PIROLI, E. L.; ZIMBACK, C. R. L. Estimativa de perda de solos por erosão laminar e linear na bacia hidrográfica do ribeirão das Perobas (SP), nos anos de 1962 e 2011. Revista Ra’e Ga, Curitiba, v. 46, n. 1, p. 110-131, 2019.

DIKAU, R.; RASEMANN, S.; SCHMIDT, J. Hillslope, Form. In: GOUDIE, A. Encyclopedia of Geomorphology. International Association of Geomorphologists, v. 1, p. 516-521, 2004.

ELRICK, D. E.; REYNOLDS, W. D.; TAN, K. A. Hydraulic conductivity measurements in the unsaturated zone using improved well analyses. Summer, p. 184-193, 1989.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisas de Solo. Manual de métodos de análise de solo. 3 ed. rev. amp. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2017.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisas de Solo. Sistema Brasileiro de Classificação de solos. 5 ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2018.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Folha SF-22 Paranapanema: geologia, geomorfologia, pedologia, uso potencial da terra. Rio de Janeiro, IBGE, 2018.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual Técnico de Pedologia. Rio de Janeiro, IBGE, 2015.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa geomorfológico do Brasil. Rio de Janeiro, IBGE, 2019.

ITCG – Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná. Mapa Geológico do Grupo Serra Geral no Estado do Paraná: nota explicativa. Curitiba: ITCG, 2018a. Disponível em: http://www.documentador.pr.gov.br/documentador/pub.do?action=d&uuid=@gtf-escriba-minerop@ae132ac5-6014-4b3b-9859-8be138b43939, acessado em 11/10/2020.

ITCG – Instituto de Terras, Cartografia e Geologia do Paraná. Mapa Geológico do Grupo Serra Geral no Estado do Paraná. Curitiba: ITCG, 2018b. Disponível em: http://www.documentador.pr.gov.br/documentador/pub.do?action=d&uuid=@gtf-escriba-minerop@5ee9a08d-c8a2-49ef-bee7-1384a87c024e, acessado em 11/10/2020.

KLUTE, A. Laboratory measurement of hydraulic conductivity of saturated soil. In: BLACK, C. A.; EVANS, D. D.; WHITE, J. L.; ENSMINGER, L. E.; CLARK, F. E. (Ed.). Methods of soil analysis – Part 1: physical and mineralogical properties, including statistics of measurement and sampling. Madison: Ameriacan Society of Agronomy, 1965. p. 210-221.

MAACK, R. Geografia física do Estado do Paraná. 4 ed. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2012.

MAGALHÃES, V. L.; CUNHA, J. E.; NÓBREGA, M. T. Dinâmica físico-hídrica de um sistema pedológico Latossolo-Nitossolo. Mercator, v. 16, e16022, 2017.

MARQUES, A. J.; SANTIL, F. L. P.; CUNHA, J. E. O uso do clinômetro no levantamento topográfico. Estudo de caso: levantamento pedológico. Boletim de Geografia, Maringá, v. 18, n. 1, p. 135-141, 2000.

MINEROPAR – Minerais do Paraná. Mapa geológico do Paraná: folhas Londrina e Presidente Prudente. Curitiba: MINEROPAR. 2006. 2 Mapas digitais.

MUNSELL, L. Munsell soil color charts. Baltimore, USDA, 1975.

NÓBREGA, M. T.; SERRA, E.; SILVEIRA, H.; TERASSI, P. M. B.; BONIFÁCIO, C. M. Landscape structure in the Pirapó, Paranapanema 3 and 4 Hydrographic Unit, in the state of Paraná, Brazil. Braz. J. Biol., v. 75, n. 4:2, p. S107-S119, 2015.

NUNES, L.A.P.L.; DIAS, L.E.; JUCKSCH, I.; BARROS, N.F. Atributos físicos do solo em área de monocultivo de cafeeiro na zona da mata de Minas Gerais. Bioscience Journal, v.26, n.1, p. 71-78, 2010.

QUEIROZ NETO, J. P. Relações entre as vertentes e os solos: revisão de conceitos. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 12, n. 3, p. 15-24, 2011.

REICHERT, J.M.; REINERT, D.J.; BRAIDA, J.A. Qualidade dos solos e sustentabilidade de sistemas agrícolas. Ciência e Ambiente, v.27, p.29-48, 2003.

ROCHA, A. S. As vertentes características e os sistemas pedológicos como instrumentos de análise para a identificação das fragilidades e potencialidades ambientais na bacia hidrográfica do Paraná 3. (Tese de doutorado) Maringá: Programa de Pós-graduação em Geografia / UEM. 2016. 165f.

RUBIRA, F. G.; BARREIROS, A. M.; VILLELA, F. N; J.; PEREZ FILHO, A. Sistemas pedogeomorfológicos na interpretação da evolução de paisagens quaternárias em climas tropicais úmidos. Mercator, v. 18, p. 1-17, 2019.

SANTOS, R. D.; LEMOS, R. C.; SANTOS, H. G.; KER, J. C.; ANJOS, L. H. C. Manual de descrição e coleta de solo no campo. Viçosa: SBCS. 5ª ed. 2005.

SOUBIÉS, F.; CHAUVEL, A. Présentation de quelques systèmes de sols observes au Brésil. Cahiers ORSTOM, v. 21, n. 4, p. 237-251, 1984-1985.

SPERA, S. T.; DENARDIN, J. E.; ESCOSTEGUY, P. A. V.; SANTOS, H. P. FIGUEROA, E. A. Dispersão de argila em microagregados de solo incubados com calcário. R. Bras. Ci. Solo, v. 32, n.spe, p. 2613-2620, 2008.

SUDERHSA – Superintendência de Desenvolvimento de Recursos Hídricos e Saneamento Ambiental. Bacias hidrográficas do Paraná. Curitiba: SUDERHSA. 2007. 1 Mapa digital.

TERASSI, P. M. B.; SILVEIRA, H.; OLIVEIRA JUNIOR, J. F. Variabilidade pluviométrica e a erosividade das chuvas na unidade hidrográfica Pirapó, Paranapanema III e IV – Paraná. Revista Ra’e Ga, Curitiba, v. 39, p. 76-91, 2017.

TRICART, J. As relações entre a morfogênese e a pedogênese. Notícia Geomorfológica, v. 8, n. 15, p. 5-18, 1968.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v53i0.79511