ZONEAMENTO E CLASSIFICAÇÃO DAS ÁREAS DE RISCO A INUNDAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ALEGRETE, RS

Daniel Junges Menezes, Luís Eduardo de Souza Robaina, Romario Trentin

Resumo


O risco é uma função do processo potencialmente perigoso e do modo como as populações se expõem a esse processo, ou a vulnerabilidade. O objetivo desse trabalho é a identificação e mapeamento das áreas sujeitas à ocorrência de processos de inundação que resultem em danos e ameaça a sociedade no município de Alegrete (RS). A integração do perigo de ocorrência de um evento, causador de danos, com os condicionantes de vulnerabilidade da área afetada permitiram a hierarquização de riscos. O índice é apresentado em valores agrupados em classes, sendo estabelecido Risco baixo, Risco moderado, Risco médio, Risco alto e Risco muito alto. O risco mais elevado (R5) ocorre para 32 edificações localizadas, principalmente, na foz do arroio Regalado quando desagua no rio Ibirapuitã, no bairro Canudos. Estas edificações se localizam em áreas com tempo de recorrência de 2 anos e vulnerabilidade de média a alta. Nas condições de risco alto (R4) mais 179 edificações são afetadas. Esse grau de risco é caracterizado por condições severas de tempo de retorno de 2 anos, mas com vulnerabilidade caracterizada por áreas bem estruturadas em termos de infraestrutura e padrão de construção e, também, associado a áreas de tempo de retorno de 5 anos e vulnerabilidades de médio a alto.

Palavras-chave


vulnerabilidade; perigo; risco; desastres

Referências


BERTONE, P.; MARINHO, C. Gestão de riscos e resposta a desastres naturais: a visão do planejamento. In: VI Congresso Consad – Trabalhos Apresentados. Centro de Convenções Ulysses Guimarães. Brasília/DF. 16, 17 e 18 de abril de 2013. 24 p.

BOTELHO, R. G. M. Bacias Hidrográficas Urbanas. In. GUERRA, A.J. T. Org.: Geomorfologia Urbana. Editora Bertrand, Rio de Janeiro, 2004.

BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Secretaria Nacional de Defesa Civil. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Universitário Dde Estudos e Pesquisas Sobre Desastres. Comunicação de riscos e de desastres. Curso a distância / Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. Florianópolis: CEPED, 2010. 183 p.

BRASIL. Ministério das Cidades / Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT Mapeamento de Riscos em Encostas e Margem de Rios / Celso Santos Carvalho, Eduardo Soares de Macedo e Agostinho Tadashi Ogura, organizadores – Brasília: Ministério das Cidades; Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 2007, 176 p.

CUNHA, L. e LEAL, C.; Natureza e sociedade no estudo dos riscos naturais. Exemplos de aplicação ao ordenamento do território no município de Torres Novas (Portugal). In Passos, M. M., Cunha, L. e Jacinto, R. (Org.). As novas geografias dos países de língua portuguesa. Paisagens territórios e políticas no Brasil e em Portugal, Geografia em Movimento, São Paulo, pp. 4766, 2011.

CUTTER, S. et al. A place-based model for understanding community resilience to natural disasters. Global Environmental Change, n. 18, p. 598-606, 2008.

ESRI - Enviromental Systems Research Institute. ArcGIS Desktop help. Redlands, 2012. Disponível em: http://resources.arcgis.com. Acesso em: jun/2015. ESRI - Enviromental Systems Research Institute. What is Arc GIS? Disponível em: www.esri.com. Acesso em: jun/2015.

FLORES, A. R. (Org.) Actores y roles en la gestión de riesgos. Asunción: Arte Nuevo. 2006 p. 114 p.

JULIÃO, R.P.; NERY, F.; Ribeiro, J. L.; BRANCO, M.C.; ZÊZERE, J.L. Guia Metodológico para Produção de Cartografia Municipal de Risco e para Criação de Sistemas de Informação Geográfica (SIG) de base Municipal. Porto / Portugal: Autoridade Nacional de Proteção Civil. 2009.

KORMANN, T. C.; ROBAINA, L. E. S.; SCHIRMER, G. J.; Mapeamento do risco de inundação na área urbana de Alegrete – RS. In: Encontro de geógrafos da américa latina, 13., 2011. San Juan – Costa Rica. Anais... San Juan: 2011. CDROM. s/p

KUHNEN, A. Meio ambiente e Vulnerabilidade: a percepção ambiental de risco e o comportamento humano. Geografia, Londrina, v. 18, n. 2, p.37-52 2009.

KUSKY, T. M. Floods: hazards of surface and groundwater systems. The Hazardous Earth. 2008.144p.

LOURENÇO, L.. Risco, perigo e crise. Trilogia de base na definição de um modelo conceptual operacional. Realidades e desafios na gestão dos riscos. Diálogo entre ciência e utilizadores, NICIF/FLUC, Coimbra, 2015. p. 61-74. Disponível em: DOI: http://dx.doi.org/10.14195/978-972- 8330-23-1_6.

MACÍAS, J. D. (org). Desastres naturales. Aspectos sociales para suprevención y tratamento en México. Instituto de Investigaciones Económicas, UNAM, México, 1996, 293 p.

MARANDOLA JR., E. HOGAN, D.J. Natural hazards: o estudo geográfico dos riscos e perigos. Ambiente & Sociedade, Campinas, ANPPAS, v.7, n.2, p.95-109, jul./dez. 2004.

MENEZES, D. J.. Zoneamento das áreas de risco de inundação na área urbana de Santa Cruz do Sul – RS. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências) - Universidade Federal de Santa Maria, RS, 2014. 137 p.

MENEZES, D. J.; SCCOTII, A. A. V.. Inventário de registro de inundações no estado do Rio Grande do Sul entre 1980 e 2010. In: Luís Eduardo de Souza Robaina; Romário Trentin. (Org.). Desastres Naturais no Rio Grande do Sul. Editora da UFSM, 2013, v. 1, p. 163-179.

MORI, K; PERRINGS, C. Optimal management of the flood risks of floodplain development. Science Of The Total Environment, 2012, Vol.431, pp.109-121

PREFEITURA MUNICIPAL DE ALEGRETE. Plano diretor do município de Alegrete. Disponível em Acesso em : 10 de jan. 2015.

REBELO, F. Um Novo Olhar Sobre os Riscos? O Exemplo das Cheias Rápidas (Flash Floods) em Domínio Mediterrâneo. Territorium, v. 15, p. 7-14, 2008.

RECKZIEGEL, B.. W.. (2007). Levantamento dos Desastres desencadeados por Eventos Naturais Adversos no Estado do Rio Grande do Sul no Período de 1980 a 2005. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2007.

ROBAINA, L. E. de S.; TRENTIN, R. (Org.). Desastres naturais no Rio Grande do Sul. Editora UFSM, Santa Maria, 2013. 496 p.

ROBAINA, L.E.S.; SCHIRMER, G. J.; KORMANN, T. C. Zoneamento das inundações na área urbana de Alegrete - Rio Grande do Sul – Brasil. Geociências (São Paulo. Online), v. 32, p. 378-387, 2013.

SARAIVA, R.G. A abordagem comportamental do direito e da economia das catástrofes naturais. In: Carla Amado Gomes / Rute Gil Saraiva (Coord.), Atas do colóquio Catástrofes Naturais: uma realidade multidimensional, ICJP – Lisboa. 24 Outubro 2012.

SAUERESSIG, S. R. Zoneamento das áreas de risco a inundação da área urbana de Itaqui-RS. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Santa Maria. Centro de Ciências Naturais e Exatas. Programa de Pós-Graduação em Geografia e Geociências. Santa Maria, RS, 2013.

SIENA; Victor MARCHEZINI e Juliano Costa GONÇALVES (Orgs.). Sociologia dos desastres – construção, interfaces e perspectivas no Brasil: Carlos :RiMa Editora, 2009. 146 - 159 p. il.

UFSC-CEPED. Universidade Federal de Santa Catarina. Centro Universitário de Estudos e Pesquisas sobre Desastres. Atlas brasileiro de desastres naturais 1991 a 2010: volume Brasil. Florianópolis: CEPED UFSC; 2012.

VEYRET, Y. Os Riscos: O homem como agressor e vítima do Meio Ambiente. Tradução: Dílson Ferreira da Cruz. São Paulo: Contexto, 2007.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v50i0.69424

Direitos autorais 2021 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009