PROTOCOLO DE AVALIAÇÃO RÁPIDA DE RIOS COMO REFERENCIAL PRÁTICO PARA UMA EDUCAÇÃO ECOSSISTÊMICA E TRANSDISCIPLINAR

Janaina Cassia Campos, João Carlos Nucci, Cassiana Oliveira

Resumo


Vislumbrando uma educação ecossistêmica e transdisciplinar, propôs-se a utilização de um método de análise integrada e holística de ecossistemas fluviais, o Protocolo de Avaliação Rápida de Rios (PAR), por estudantes do 9º ano do Ensino Fundamental. O PAR foi aplicado no terço inferior do Rio Palmital, no município de Pinhais (PR). O teste estatístico não-paramétrico Kruskal-Wallis demonstrou que, quando analisada a variável total, não houve diferença significativa entre as avaliações dos alunos e nem destas em relação à referência. A comparação entre os parâmetros se deu pela análise da porcentagem de notas atribuídas a cada parâmetro, ordenadas de acordo com a condição equivalente e contrastadas com referência, denotando um panorama geral das condições do rio em cada ponto. O grau de variação dos dados indica a dificuldade de entendimento dos parâmetros ou de interpretação da realidade, refletindo a falta de adaptação prévia dos parâmetros às especificidades locais. Após a aplicação do protocolo, os estudantes preencheram um questionário cujo intuito foi avaliar o potencial do PAR enquanto referencial prático para uma educação ecossistêmica e transdisciplinar. O resultado do questionário apontou para uma relação positiva entre a teoria e prática no processo de ensino e aprendizagem proporcionado pelo protocolo, além da promoção de uma visão ecossistêmica e transdisciplinar.


Palavras-chave


Paradigma Sistêmico; Complexidade; Ecologia Urbana; Planejamento da Paisagem; Rio Urbano

Referências


ANDREOLI, C. et al. Os Mananciais de Abastecimento do Sistema Integrado da Região Metropolitana de Curitiba –RMC. Revista Técnica da Sanepar, Curitiba, v.12, n. 12, 1999. Disponível em: http://www.sanepar.com.br/sanepar/sanare/V12/Mananciais/

mananciais.html. Acesso em: 02 ago. 2018.

BARBOUR, M. T. et al. Rapid Bioassessment Protocols For Use in Streams and Wadeable Rivers: Periphyton, Benthic Macroinvertebrates, and Fish. Washington: Environmental Protection Agency, cap. 5, v. 2, 1999.

BERGMANN M.; PEDROZO C. S. Explorando a bacia hidrográfica na escola: contribuições à educação ambiental. Revista Ciência & Educação, Bauru, v. 14, n. 3, p. 537-553. 2008.

BIZERRIL, M. X. A.; FARIA, D. S. A escola e a conservação do cerrado: uma análise no ensino fundamental do Distrito Federal. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 10, p. 19-31, 2003.

CALLISTO, M. et al. Aplicação de um protocolo de avaliação rápida da diversidade de habitats em atividades de ensino e pesquisa (MG-RJ). Acta Limnologica Brasiliense, Sorocaba, v. 14, n. 1, p. 91-98, 2002.

CAPRA, F.; LUISI, P. L. A visão sistêmica da vida: uma concepção unificada e suas implicações filosóficas, políticas, sociais e econômicas. São Paulo: Cultrix, 2014. 615 p.

GUIMARÃES, A.; RODRIGUES, A. S. L.; MALAFAIA, G. Adequação de um protocolo de avaliação rápida de rios para ser usado por estudantes do ensino fundamental. Ambi-Agua, Taubaté, v. 7, n. 3, p. 241-260, 2012.

GUIMARÃES, A. Q. et al. Uso de ferramentas alternativas para auxiliar saídas de campo e construção de valores conservacionistas. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL, 5., 2006, Joinville Anais... Brasília: MMA, 2006.

KRUPEK, R. A. Análise comparativa entre duas bacias hidrográficas utilizando um protocolo de avaliação rápida da diversidade de habitats. Ambiência, Guarapuava, v. 6, n. 1, p. 147-158, 2010.

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001. 343 p.

MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente: implicações na formação do professor e nas práticas pedagógicas. Em Aberto, Brasília, ano 16, n. 70, p. 57-69, abr./jun. 1996.

MORAES, M. C.; VIEIRA, A. J. H. A docência no paradigma educacional emergente. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 12., Curitiba. Anais... Curitiba: PUCPR, 2015. ISSN 2176-1396. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/

_8237.pdf. Acesso em: 16 jul. 2018.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2011. 120 p.

NASCIMENTO, P. L. Educação eco-sistêmica e transdisciplinar: práticas e resultados em 26 anos do trabalho da escola vila. 224 f. Dissertação (Mestrado em Educação: Currículo) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

NICOLESCU, B. et al. Educação e Transdisciplinaridade. Brasília: UNESCO, 2000. 185 p.

RODRIGUES, A. S. L. Adequação de um protocolo de avaliação rápida para o monitoramento e avaliação ambiental de cursos d’água inseridos em campos rupestres. 118 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Naturais). Programa de Pós Graduação em Evolução Crustal e Recursos Naturais, Universidade Federal de Ouro Preto, Ouro Preto, 2008.

RODRIGUES, A. S. de L.; CASTRO, P. de T. A. Protocolos de avaliação rápida: instrumentos complementares no monitoramento dos recursos hídricos. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 13, n. 1, p. 161-170, 2008a.

RODRIGUES, A. S. de L.; CASTRO, P. de T. A.Adaptation of a rapid assessment protocol for rivers on rocky meadown. Acta Limnologica Brasiliense, Sorocaba, v. 20, n. 4, p. 291-303, 2008b.

RODRIGUES, A. S. L.; MALAFAIA, G.; CASTRO, P. T. Protocolos de avaliação rápida de rios e a inserção da sociedade no monitoramento dos recursos hídricos. Revista Ambiente & Água: An Interdisciplinary Journal of Applied Science, Taubaté, v. 3 n. 3, 2008.

SANTOS, A. Complexidade e transdisciplinaridade em educação: cinco princípios para resgatar o elo perdido. Rev. Bras. Educ. Rio de Janeiro, v. 13, n. 37, p. 71-83, 2008. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782008000100007&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 12 abr. 2018.

SUDERHSA. Plano Diretor de Drenagem para Bacia do Iguaçu na Região Metropolitana de Curitiba. Relatório Final, Vol. 4. Curitiba, 2002.

SUDERHSA. Plano Bacia do Alto Iguaçu e Afluentes do Alto Ribeira. Relatório de Diagnóstico. Curitiba, 2007. Disponível em: http://www.recursoshidricos.pr.gov.br/

modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=47. Acesso em: 27 nov. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v50i0.67289

Direitos autorais 2021 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009