Open Journal Systems

UMA PROPOSTA DE ZONEAMENTO PARA O AEDES AEGYPTI EM MONTES CLAROS E A CORRELAÇÃO ENTRE A INFESTAÇÃO LARVÁRIA COM A TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE

Diego de Sousa Ribeiro Fonseca, Ricardo Alexandrino Garcia

Resumo


Identificar e delimitar unidades geográficas em certo espaço, conforme suas fragilidades em saúde - pode ser mais eficiente, quando a intenção é chegar aos locais prioritários para ações de combate aos problemas na saúde coletiva. Nessa perspectiva, o objetivo deste trabalho foi gerar um zoneamento das áreas com maior predisposição para infestação pelo mosquito Aedes aegypti, nos anos 2015, 2016 e 2017 na cidade Montes Claros-MG. A partir dessa região funcional, testou-se a associação entre a ocorrência desse vetor de enfermidades com a temperatura de superfície estimada. A metodologia consistiu na montagem do banco de dados com o Índice Breteau; aplicação do Índice de Moran e da álgebra entre mapas; geração das imagens com as temperaturas de superfícies estimadas (TSE); aplicação da análise descritiva, testes estatísticos, como o de hipóteses, Stepwise e regressão linear múltipla. Os resultados mostraram os lugares onde tem havido maior interação espacial para a disseminação do mosquito na cidade. Os testes estatísticos demonstraram que a correspondência entre a infestação larvária do ano 2016 (p < 0,01) foi a que mais influiu na apresentada no ano de 2017; sobretudo nas áreas com as temperaturas máximas mais elevadas (p < 0.04). Nesse modelo, a regressão linear múltipla apresentou alto poder explicativo (p < 0,01 e R² = 0,814). Concluiu-se que há relação associativa entre tempo e características do espaço habitado para as maiores taxas do A. aegypti. É preciso observar a alteração do microclima local no processo de urbanização e impermeabilização do solo, mitigando as ilhas de calor. 


Palavras-chave


saúde pública; ilhas de calor; regressão linear múltipla.

Texto completo:

Artigo Autorização

Referências


AJUZ, L.C.; VESTENA, L. Influência da pluviosidade e temperatura ambiente na longevidade e fecundidade dos Aedes aegypti e Albopictus na cidade de Guarapuava-PR e possibilidade de superinfestação. Revista Hygeia, Uberlândia, n. 10, v. 18, p. 1-18, 2014.

ALMEIDA, A.S; MEDRONHO, R.A.; VALÊNCIA, L.I.O. Análise espacial da dengue e o contexto socioeconômico no município do Rio de Janeiro, RJ. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 43, n. 4, p. 666-673, 2009.

ALMEIDA, R. B.; CASTRO, M.B. Espacialização da dengue: indicadores socioespaciais e aspectos climáticos no processo saúde-doença. Revista Ra’e Ga, Curitiba, v. 45, p. 200-213, 2018.

ALMEIDA, C, A. P.; SILVA, R. M. Análise da ocorrência dos casos de dengue e sua relação com as condições socioambientais em espaços urbanos: os casos de João Pessoa, Cabedelo e Bayeux, no Estado da Paraíba – Brasil. Revista Hygeia, Uberlândia, v. 14, n. 27, p. 56-79, 2018.

ANSELIN, L. Exploring Spatial Data with GeoDaTM: A Workbook. University of Illinois: Urbana, 2005.

ANSELIN, L. Interactive techniques and exploratory spatial data analysis. In.: LONGLEY, P; GOODCHILD, M; MAGUIRE, D.; RHIND, D. (eds.). Geographical Information Systems: principles, techniques, management and applications. New York: Jonh Wiley & Sons, 1999. Cap. 17, p. 456-266.

AYRES, M. BioEstat: aplicações estatísticasnas áreas das ciências Bio-Médicas. Belem: UFPA, 2007.

BRACARENSE, P.A.; GUIMARÃES, U.V. Métodos Quantitativos Aplicados a Negócios. Curitiba: IESDE Brasil S.A, 2008.

BRAZ, C. K. R.; FONSECA, D. S. R.; AMARAL, V.B.; MIRANDA, W. A. Teste da correlação entre hipsometria e índices de ocorrência do mosquito Aedes aegypti na cidade de Montes Claros-MG com dados dos anos 2009 e 2010. Caminhos de Geografia, Uberlândia, v. 14, n. 47, p. 199-207, 2013.

CAMPOS, G. S; BANDEIRA, A. C.; SARDI, S. I. Zika virus outbreak, Bahia, Brazil. Emerging Infectious Diseases, Atlanta, v. 21 n. 10, p. 1885–1886, 2015.

CAMPOS, M. B.; MACEDO, D. R. Agrupamentos de emigração internacional no Brasil: o papel das redes sociais na formação dos espaços de emigração. Geografia, Londrina, v. 39, n. 2, p. 257-272, 2014.

CARLOS, A. F. A. A reprodução do espaço urbano como momento da acumulação capitalista. In: CARLOS, A. F. A (Org). Crise urbana. São Paulo: Editora Contexto, 2018. Cap. 2, p. 25-35.

CARVALHO, J. R. P; ASSAD, E. D.; PINTO, H. S. Interpoladores geoestatísticos na análise da distribuição espacial da precipitação anual e de sua relação com altitude. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília-DF, v. 47, n. 9, p. 1235-1242, 2012.

CASTRO, F. S; PEZZOPANE, J. E. M; CECILIO, R. A; PEZZOPANE, J. R. M; XAVIER, A. C. Avaliação do desempenho dos diferentes métodos de interpoladores para parâmetros do balanço hídrico climatológico. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, Campina Grande, v. 14, n. 8, p. 871–880, 2010.

CCZ, CENTRO DE CONTROLE DE ZOONOZES. Prefeitura Municipal de Montes Claros. Divisão de epidemiologia. Guia prático do LIRAa (2015-2017). Montes Claros, 2017.

CHAVES, T. S. S; PELLINI, A. C. G; MASCHERETTI, M; JAHNEL, M. T; RIBEIRO, A. F; RODRIGUES, S. G; VASCONCELOS, P. F. C.; BOULOS, M. Travelers as sentinels for Chikungunya Fever, Brazil. Emerging Infectious Diseases, Atlanta, v. 18, n. 3, p. 529-530, 2012.

FONSECA, D.S.R.; BRAZ, C.K.R. Investigação epidemiológica da distribuição geográfica do Aedes aegypti na cidade de Montes Claros com uso de geotecnologia. Revista Brasileira de Cartografia, Monte Carmelo, v. 62, n. 03, p. 489-503, 2010.

FONSECA, D, S. R.; GARCIA, R. A. Análise exploratória entre: infectados por dengue e dados socioeconômicos, relativos a 2010, dos municípios da Região Sudeste do Brasil. Cadernos do Leste, Belo Horizonte, v. 17, p. 59-74, 2017.

HAESBAERT, R. Regional-global: dilemas da região e regionalização na Geografia contemporânea. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

HISSA, C. E. V. A mobilidade das fronteiras: inserções da geografia na crise da modernidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

IBGE, INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades (2017). Disponível em: . Acesso: Dez. 2017.

INMET, INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA. BDMEP - Banco de Dados Meteorológicos para Ensino e Pesquisa. Disponível em: . Acesso em: Mai. 2018.

INPE, INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS. Modelo TOPODATA (2008). Disponível em: . Acesso: Mar. de 2018.

JENTES, E. S.; POUMEROL, G.; GERSHMAN, M. D.; HILL, D. R.; LEMARCHAND, J.; LEWIS, R. F.; STAPLES, J. E.; TOMORI, O.; SMITH, A. W.; MONATH, T. P. The revised global yellow fever risk map and recommendations for vaccination, 2010: consensus of the Informal WHO Working Group on Geographic Risk for Yellow Fever. The Lancet, London v. 11, p. 622-632, 2011.

LANA, R.M; MORAIS, M. M; LIMA, T. F. M; CARNEIRO, T. G. S; STOLERMAN, L. M; SANTOS, J. P. C; CORTÊS, J. C; EIRAS, A. E.; CODEÇO, C. T. Assessment of a trap based Aedes aegypti surveillance program using mathematical modeling. PLoS ONE, San Francisco, v. 13, n. 1, p. 1-16, 2018.

MAGNUSSON, W. E. Estatística, delineamento e projetos integrados: a falta de coerência no ensino e na prática. Brazilian Journal of Ecology, São Paulo, v. 3, n. 1, p. 37-40, 1999.

MARTINS, G. A. Estatística geral e plicada. São Paulo: Atlas, 2010.

MONTEIRO, C. A. de F.; MENDONÇA, F. Clima Urbano. São Paulo: Contexto: 2003.

MONTEIRO, C.. A. F. A interação homem-natureza no futuro da cidade. Geosul, Florianópolis, n. 14, p. 07-48, 1992.

MORENO, E. S.; BARATA, R. C. B. Methodology for definition of yellow fever priority areas, based on environmental variables and multiple correspondence analyses. PLoS Biology, San Francisco, v. 6, n. 7, p. 1-7, 2012.

MS, MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Levantamento Rápido de Índices para Aedes Aegypti (LIRAa) para vigilância entomológica do Aedes aegypti no Brasil: metodologia para avaliação dos índices de Breteau e Predial e tipo de recipientes. Brasília: Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/manual_liraa_2013.pdf>. Acesso: Jan. 2018.

NEVES, D. P. Parasitologia humana. São Paulo: Atheneu, 2005.

OLIVEIRA, M.M.F. A dengue em Curitiba/PR: uma abordagem climatológica do episódio de março/abril – 2002 . Revista RA´E GA, Curitiba, n. 8, p. 45-54, 2004.

PABLO, C. T. L. Cartografia ecológica: conceptos e procedimientos para la representación espacial de ecosistemas. Boletin da Real Sociedad Española de la Historia Natural Seción Geológica, Madrid, v. 96, n. 1/2, p. 57-68, 2000.

RATMANOV, P.; MEDIANNIKOV, O.; RAOULT, D. Vector borne diseases in West Africa: geographic distribution and geospatial characteristics. Transactions of the Royal Society of Tropical Medicine and Hygiene, London, v. 107, p. 273-284, 2013.

RIZZI, C. B; RIZZI, R. L; PRAMIU, P. V; HOFFMANN, E.; CODEÇO, C. T. Considerações sobre a dengue e variáveis de importância à infestação por Aedes aegypti. Revista Hygeia, Uberlândia, v. 13, n. 24, p. 24-40, 2017.

SALES, D. M; ASSIS, W. L.; FONSECA, B. M. Clima urbano e saúde: elementos climáticos e doenças respiratórias observadas no município de Belo Horizonte (MG) entre 2013 e 2014. Revista Brasileira de Climatologia, Curitiba, n. 14, p. 271-289, 2018.

SAMPAIO, R. A. A violência do processo de urbanização. In: CARLOS, A. F. A (Org). Crise urbana. São Paulo: Editora Contexto, 2018, Cap. 4, p. 55-84.

SANTOS, M. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da Geografia. São Paulo: Hucitec, 1998.

SAWYER, D. O.; LEITE, I. C.; ALEXANDRINO, R. Perfis de utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 7, n. 4, p. 757-776, 2002.

SEPLAN, SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E COORDENAÇÃO. Mapa Perímetro Bairros (2009). Disponível em: < http://www.montesclaros.mg.gov.br/infraestrutura/mapas.htm>. Acesso: Mar. 2018.

SILVA, J. S. V.; SANTOS, R.F. Zoneamento para planejamento ambiental: vantagens e restrições de métodos e técnicas. Cadernos de Ciência & Tecnologia, Brasília-DF, v. 21, n. 2, p.221-263, 2004.

USGS, UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY. EarthExplorer. Disponível em: . Acesso: Dez. 2017.

USGS, UNITED STATES GEOLOGICAL SURVEY. Using the USGS Landsat Level-1 Data Product. Disponível em: . Acesso: Abr. 2018.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v48i0.66973