USO E COBERTURA DA TERRA NO TERRITÓRIO AYAHUASQUEIRO EM RONDÔNIA: UMA ANÁLISE DE ARRANJOS INSTITUCIONAIS POR CLASSIFICAÇÃO ORIENTADA AO OBJETO

Julien Marius Reis Thevenin, Edson Luís Piroli

Resumo


Tendo em vista os problemas ligados às mudanças no uso e na cobertura da terra, em especial, ao desflorestamento da Amazônia no estado de Rondônia, foram analisados, neste estudo, os territórios religiosos de organizações que tem por prática o uso do chá Ayahuasca em seus rituais. A necessidade que essas religiões têm de plantar as espécies Banisteriopsis caapi e Psychotria viridis para o autoconsumo do chá Ayahuasca, e a necessidade reconhecida por essas instituições de que essas espécies precisam do ambiente florestal para um melhor desenvolvimento é o foco principal desse estudo. A presente pesquisa analisou o uso e a cobertura da terra em 24 propriedades rurais de religiões ayahuasqueiras no estado de Rondônia-BR. Para o mapeamento foram utilizadas imagens do satélite QuickBird extraídas do Google Earth por meio do aplicativo El-Shayal, em resolução espacial de 1,42 m. Utilizando-se do aplicativo Envi 5.0 foram realizadas classificações orientadas a objeto, que posteriormente foram corrigidas manualmente no aplicativo ArcGIS 10 com base em fotointerpretação e observações realizadas em campo. Os resultados mostraram que a expansão territorial ayahuasqueira está relacionada ao crescimento de áreas florestadas e/ou destinadas a plantios das espécies Banisteriopsis caapi e Psychotria viridis, em sistemas agroflorestais. Embora a área total dos 24 imóveis rurais seja relativamente pequena, 94% de todo o território permanece com cobertura arbórea em estágios intermediários ou avançados de sucessão, mesmo com o forte efeito de borda que sofrem em função do grande número de pastagens no entorno dessas propriedades. 


Palavras-chave


Ayahuasca; conservação florestal; reserva legal; Amazônia; religião

Texto completo:

ARTIGO

Referências


ALVES, C. D.; PEREIRA, M. N.; FLORENZANO, T. G.; SOUZA, I. de M. e. Análise orientada a objeto no mapeamento de áreas urbanas com imagens Landsat. Boletim de Ciências Geodésicas, Curitiba, v. 15, n. 1, p. 120-141, 2009.

BAATZ, M.; SCHÄPE, A. Multiresolution segmentation: an optimization approach for high quality multi‑scale image segmentation. Journal of Photogrammetry and Remote Sensing, v. 58, p. 12‑23, 2000.

BERNARDINO-COSTA, J.; SILVA, F. M. da. Construindo o mundo da hoasca: a organização da União do Vegetal. In: BERNARDINO-COSTA, J. (Org.). Hoasca: ciência, sociedade e meio ambiente. Campinas: Mercado de letras, 2011, p. 21-42.

BLASCHKE, T.; STROBL, J. What's wrong with pixels? Some recent developments interfacing remote sensing and GIS. GeoBIT/GIS, v. 6, p. 12-17, 2001.

BRASIL. Lei n. 12.651, de 25 de maio de 2012. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil: Poder Legislativo, Brasília, DF, 28 de maio de 2012a. Disponível em: . Acesso em: 03 jul. 2014.

______. Lei n. 12.727 de 17 de outubro de 2012. Diário Oficial da União: República Federativa do Brasil: Poder Legislativo, Brasília, DF, 18 de outubro de 2012b. Disponível em: . Acesso em: 09 de jul. 2014.

BROWN, J. C. Development in Rondônia, Brazil 1980-1990. POLONOROESTE, Nongovernmental Organizations (NGOs) and the World Bank. M. A. Thesis, Lawrence: University of Kansas, 1992.

CHUBEY, M. S.; FRANKLIN, S. E.; WULDER, M. A. Object-based analysis of Ikonos-2 imagery for extraction of forest inventory parameters. Photogrammetric Engineering & Remote Sensing, v. 72, n. 4, p. 383-394, 2006.

INPE. Projeto PRODES: Monitoramento da Floresta Amazônica Brasileira por Satélite. Disponível em: < http://www.obt.inpe.br/prodes/index.php>. Acesso em: 08 de abr. 2017.

LANDAU, E. C.; CRUZ, R. K. da; HIRSCH, A.; PIMENTA, F. M.; GUIMARÃES, D. P. Variação Geográfica do Tamanho dos Módulos Fiscais no Brasil. Sete lagoas: Embrapa Milho e Sorgo, Doc. 146, 2012.

MAUSEL, P. et al. Spectral identification of successional stages following deforestation in the Amazon. Geocarto International, v. 8, n. 4, p. 61-71, 1993.

MITRI, G.H.; GITAS, I. Z. A performance evaluation of a burned area object-based classification model when applied to topographically and non-topographically correct TM imagery. International Journal of Remote Sensing, v. 25, n.14, p. 2863-2870, 2004.

OLIVEIRA, S. J. de M.; BACHA, C. J. C. Avaliação do cumprimento da reserva legal no Brasil. Revista de Economia e Agronegócio, v. 1, n. 2, p. 177-204, 2003.

PRATT, W.K. Digital image processing: PIKS scientific inside. 4.ed. New York: J. Wiley, 2007.

ROCHA, A. D. Estabelecimento de Metodologia de Classificação de Imagens de Alta Resolução para Identificar e Avaliar o Crescimento e Áreas de Ocupação Irregular. 2007. Dissertação (Mestrado em Ciências Geodésicas) - Universidade Federal do Paraná-UFPR, Curitiba.

RONDÔNIA. Lei Complementar n. 312, de 06 de maio de 2005. Diário Oficial do Estado de Rondônia: Poder Legislativo, Rondônia, n. 264, 10 maio 2005. Disponível em: . Acesso em: 14 de jul. 2014.

ROSS, J. Ecogeografia do Brasil: subsídios para planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de Textos, 2006.

SALATINO, A. Nós e as plantas: ontem e hoje. Rev. brasileira de Botânica, v. 24, n. 4, p. 483-490, 2001.

SILVA, M. Avaliação por imagens SAR da Reserva Legal dos Assentamentos no Estado de Rondônia aplicando o Código Florestal Brasileiro. 2008. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) – Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC, Florianópolis.

SKOLE, D. L. et al. Physical and Human Dimensions of Deflorestation in Amazonia. BioScience, v. 44, n. 5, p. 314-322, 1997.

SOARES, P. V.; MOREIRA, A. de A.; RIBEIRO, C. A. A. S.; GLERIANI, J. M. Mapeamento da Áreas de Preservação Permanente e dos fragmentos florestais naturais como subsídio à averbação de Reserva Legal em imóveis rurais. Revista Cerne, Lavras, v. 17, n. 4, p. 555-561, 2011.

THEVENIN, J. M. R. A natureza nos caminhos de ayahuasca: territorialidade, arranjos institucionais e aspectos fitogeográficos de conservação florestal na Amazônia (Rondônia/Brasil). 2017. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Estadual Paulista – UNESP, Presidente Prudente.

TUCKER, C. M.; SOUTHWORTH, J. Processos de mudança florestal em nível local e de paisagem em Honduras e Guatemala. In: MORAN, E. F.; OSTROM, E. (Orgs.). Ecossistemas florestais: Interação homem-ambiente. São Paulo: Senac/Edusp, 2009, p. 327-354.

VERÍSSIMO, A.; ROLLA, A.; VEDOVETO, M.; FURTADA, S. de M. Áreas Protegidas na Amazônia Brasileira: Avanços e Desafios. Belém: IMAZON; São Paulo: ISA, 2011.

YAN, G.; MAS, J. -F.; MAATHUIS, B.H.P.; XIANGMIN,Z.;VAN DIJK, P.M. Comparison of pixel-based and object-oriented image classification approaches- a case study in a coal fire area, Wuda, Inner Mongolia, China. International Journal of Remote Sensing, v. 27, n. 18-20, p. 4039-4055, 2006.

ZHONG, C.; ZHONGMIN, Z.; DONGMEI, Y.; RENXI, C. Multi-scale segmentation of the high resolution remote sensing image. In: ANAIS DO GEOSCIENCE AND REMOTE SENSING SYMPOSIUM, 2005.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v43i0.52146

Direitos autorais 2018 RA'E GA - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009