AVALIAÇÃO DA VULNERABILIDADE AMBIENTAL DE SÃO CARLOS – SP

Diego Peruchi Trevisan, Luiz Eduardo Moschini, Lívia Caroline César Dias, Juliano Costa Gonçalves

Resumo


A análise das paisagens em seu contexto geográfico local e regional, tanto quanto os estudos das estruturas tipicamente urbanas ecológicas são essenciais para o estabelecimento de formas de crescimento compatíveis com as metas de desenvolvimento sustentável. Essa realidade revela a importância de um planejamento adequado do território. Desta forma, o presente estudo teve o objetivo de avaliar a vulnerabilidade ambiental em São Carlos-SP. Foram utilizados Sistemas de Informações Geográficas (SIGs) para mapear o uso e cobertura da terra, a declividade, a geologia e a pedologia, os quais deram suporte para aplicação do índice de Vulnerabilidade ambiental. As classes de baixa vulnerabilidade ambiental correlacionaram-se com as áreas de menores riscos aos efeitos da ocupação antrópica e as classes de alta vulnerabilidade ambiental correlacionaram-se com as áreas de altos riscos aos efeitos da ocupação antrópica. O grau de vulnerabilidade ambiental identificou principalmente valores baixos e médios de vulnerabilidade. O balanceamento dos pesos atribuídos as diferentes características da paisagem contribuíram de forma correlacionar os diversos compartimentos da paisagem sem considerar que uma ou outra característica possui maior influência em sua vulnerabilidade ambiental. As características ambientais de São Carlos contribuem para seu estado de vulnerabilidade que é potencializada principalmente pelas características econômicas ligadas as atividades agrícolas existentes na região.


Palavras-chave


Análise de paisagens; conservação dos recursos naturais; ecologia de paisagem.

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


BIOTA FAPESP. Sub-bacias hidrográficas do estado de São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 31 de maio de 2017.BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Vulnerabilidade ambiental: desastres naturais ou fenômenos induzidos? Brasília: Ministério do Meio Ambiente 2007.

BURSZTYN, M. A difícil sustentabilidade: política energética e conflitos ambientais.Paris: Garamond, 1ª ed, 2001,259p.

CARRIJO, M. G. G. Vulnerabilidade ambiental: o caso do Parque Estadual das Nascentes do Rio Taquari, 2005. Dissertação (Mestrado em Saneamento Ambiental e Recursos Hídricos) -Programa de Pós-Graduação em Tecnologias Ambientais, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Campo Grande, 2005.

CEPAGRI. Centro de pesquisas meteorológicas e climáticas aplicadas à agricultura. Clima dos municípios paulistas, 2017. Disponível em: . Acesso em: 31 de maio de 2017.

CORRÊA, R.L. O espaço Urbano. São Paulo: Ática, 4ed. 2003.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. 1999. Latossolos. Disponível em Acesso em 23 de abril de 2017.

GRIGIO, A. M. Aplicação do sensoriamento remoto e sistemas de informação geográfica na determinação da vulnerabilidade natural e ambiental do município de Guaramé (RN): simulação de risco às atividades da indústria petrolífera. 2003. Dissertação (Mestrado em Geodinâmica) -Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofísica, Universidade Federa do Rio Grande do Norte, Natal, 2003.IAC. Instituto Agronômico de Campinas. Carta de Solos, folhas SF-23-V-C-IV, SF-23-Y-A-I e SF-22-X-D-VI,1981. Disponível em: < http://eusoils.jrc.ec.europa.eu/esdb_archive/EuDASM/latinamerica/lists/cbr.htm>. Acesso em: 31 de maio de 2016.

IBGE. Instituto de Geografia e Estatística. Divisão territorial brasileiro e limites territoriais: IBGE cidades –São Carlos,2017.Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/cidadesat/painel/painel.php?codmun=351930#>. Acesso em: 31 de maio de 2017.IBGE. Instituto de Geografia e Estatística. Manual Técnico de Uso da Terra 3ª Edição,2013. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/geociencias/recursosnaturais/usodaterra/manual_usodaterra.shtm>. Acesso em: 31 de maio de 2017.

IGC. Instituto Geográfico e Cartográfico. Região administrativa Central, 2017. Disponível em: < http://www.igc.sp.gov.br/>. Acesso em: 31 de maio de 2016.

LORENA, R. B.; SANTOS, J. R.; SHIMABUKURO, Y. E.; SANT’ANNA, H. M.; SANT’ANNA, H. S. S.; MENEZES, R. S. Dados multitemporais de sensoriamento remoto para análise da dinâmica do solo e da cobertura da terra na região do Peixoto (AC). Anais. SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, Foz Do Iguaçu, INPE, v. único, p. 1653-1656, 2001.

MURO, D.M. 2000. Zoneamento de áreas quanto a possível contaminação por produtos químicos. 2000. Dissertação (Mestrado em Geotecnia) -Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico,2000.OCDE, Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico: Rumo ao desenvolvimento sustentável. Indicadores ambientais. Salvador: Secretaria de Planejamento, Ciência e Tecnologia, 1ed,2002.

OLIVEIRA, C. H.; SANTOS, J. E.; TOPPA, R. H. Efeitos do uso do solo urbano na qualidade ambiental e de vida, na vegetação e na impermeabilização do solo. IN: SANTOS, J.E.; CAVALHEIRO, F. PIRES, J.S.R.; OLIVEIRA, C.H. PIRES, A.M.Z.C.R. (Org.). Faces da Polissemia da Paisagem. 1ª ed. v. 2, São Carlos:Rima,2004, p. 585-619.

PICKETT, S. T. A.; CADENASSO, M. L.; GROVE, J. M.; NILON, C. H.; POUYAT, R. V.; ZIPPERER, W. C.; COSTANZA, R. Urban ecological systems: linking terrestrial ecological, physical, and socioeconomic components of metropolitan areas. Annual Review of Ecology and Systematics, v. 32,p. 127-157, 2001.

PINATTI, J.M.; MOSCHINI, L. E.; DOS SANTOS, R.M.;TREVISAN,D.P.Dinâmica da Paisagem da Zona de Amortecimento do Parque Estadual do Vassununga, SP. IN: José Eduardo dos Santos; Elisabete Maria Zanin. (Org.). Faces da Polissemia da Paisagem. 1ed.São Carlos, SP: Rima, 2013, v. 5, p. 144-162.

RIBEIRO, F.L.; CAMPOS, S.; PIROLI, E.L; SANTOS, T.G.; CARDOSO, L.G. Uso da terra do Alto rio pardo, obtido a partir da análise visual in: Anais. I CICLO DE ATUALIZAÇÃO FLORESTAL DO CONESUL SANTA MARIA: UFSM, 1999. v. único, p.75 –81, 1999.

RITTERS, K.H.; O’NEIL, R.V.; HUNSAKER, C.T.; WICKHAM, J.D.; YANKEE, D.H. TIMMINS, S.P. A factor analysis of landscape pattern and structure metrics. LandscapeEcology, v.10, n.1, p. 23-39, 1995.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia/FFLCH/USP, n.8, p. 63-73, 1994.SANTOS, J.E.; NOGUEIRA, F.; PIRES, J.S.R.; OBARA, A.T.; PIRES, A.M.Z.C.R. The value of the Ecological Station of Jatai’s ecosystem services and natural capital. Revista Brasileira de Biologia, n.61,p.171-190, 2001.

SEADE. Fundação Sistema Estadual de Análise de dados. Perfis municipais, 2017. Disponível em: . Acesso em: 31 de maio de 2017.SILVA, V. C. B.; MACHADO, P.S. SIG na Análise Ambiental: Susceptibilidade Erosiva da Bacia Hidrográfica do Córrego Mutuca, Nova Lima -Minas Gerais. Revista de Geografia, Recife, v. 31, p.66-78, 2014.

STEFFEN, W.; SANDERSON, A.; TYSON, P. D.; JÄGER, J.; MATSON, P. A.; MOORE III, B.; OLDFIELD, F.; RICHARDSON, K.; SCHELLNHUBER, H. J.; TURNER, B. L.; WASSON, R. J. Global change and the earth system: A planet under pressure, New York: Springer-Verlag Berlin Heidelberg, 2004.

TAGLIANI, C.R.A. Técnica para avaliação da vulnerabilidade de ambientes costeiros utilizando um Sistema Geográfico de Informações. Anais. SIMPÓSIO BRASILEIRO DE SENSORIAMENTO REMOTO, Porto Alegre, INPE, v. único, p. 1657 -1664, 2002.

TEIXEIRA, M.A.; MAGALHÃES, P.S.G.; BRAUNBECK, O.A. Equipamento para extração de

amostras indeformadas de solo. Revista Brasileira de Ciência do Solo, v. 24, n.4, p. 693-699, 2000.

TREVISAN, D. P.,2015. Análise das variáveis ambientais causadas pelas mudanças dos usos e cobertura da terra do município de São Carlos, São Paulo, Brasil. São Carlos. Dissertação (Mestrado) -Universidade Federal de São Carlos, São Carlos,2015.

TREVISAN,D.P.;MOSCHINI,L.E.Determinação da Fragilidade Ambiental do município de São Carlos, São Paulo, Brasil. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 20, p. 159-167, 2016.

TREVISAN,D.P.;MOSCHINI,L.E.. Dinâmica de Uso e Cobertura da Terra em Paisagem no Interior do Estado de São Paulo: Subsídios para o planejamento. Fronteiras: journal of social, technological and environmental science, v. 4, p. 16-30, 2015.

TROMBETA, L.R.; GARCIA, R.M.; NUNES, R.S.; GOUVEIA, I.C.M.C.; LEAL, A.C. Análise da fragilidade potencial e emergente do relevo da unidade de gerenciamento de recursos hídricos pontal do Paranapanema, São Paulo, Brasil. Caderno de prudentino de geografia, nº36, Volume especial, p.159-173,2014.

UNIÃO EUROPÉIA. Bens e Serviços Ecossistémicos, 2010. Disponível em < http://ec.europa.eu/environment/pubs/pdf/factsheets/Ecosystems%20goods%20and%20Services/Ecosystem_PT.pdf> Acesso em 27 de janeiro de 2017.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v44i0.50439

Direitos autorais 2018 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009