OS RURAIS E A CIDADE: A MOBILIDADE SOCIOESPACIAL DOS HABITANTES DO CAMPO EM PEQUENOS MUNICÍPIOS DE ECONOMIA AGRÍCOLA

Nayhara Freitas Martins Gomes, Ana Louise Carvalho Fiúza, Neide Maria Almeida Pinto, Paula Cristina Almeida Cadima Remoaldo

Resumo


Este artigo trata, especificamente, da mobilidade socioespacial dos rurais em pequenos municípios situados na Microrregião de Viçosa, região de economia preponderantemente agrícola, característica, esta, comum a grande maioria dos municípios brasileiros. A mobilidade dos habitantes do campo, nestes pequenos municípios, tal como acontece em todo o Brasil, tem se intensificado em decorrência da maior facilidade de acesso aos meios de transporte e comunicação que permitem uma aproximação corriqueira com a cidade. Esta interação permite que os rurais estabeleçam múltiplas espacialidades, resultantes dos deslocamentos que realizam aos seus espaços de afinidade. O presente artigo objetivou compreender e identificar os espaços frequentados e ocupados na cidade pelos habitantes do campo, por compreender que os mesmos são reveladores do vínculo de pertencimento dos rurais com à cidade. O estudo foi realizado no pequeno município de Araponga, situado na Zona da Mata mineira, o qual tem na cafeicultura a base de sua economia. Realizou-se uma pesquisa cross-sectional com uma amostra representativa da população, composta por 94 habitantes do campo. Buscou-se identificar na pesquisa quais eram os espaços mais frequentados pelos rurais na cidade. Os resultados revelaram para além dos significados econômicos, culturais e sociais que orientavam a construção das espacialidades citadinas dos rurais, o fato destes se sentirem como parte integrante da cidade. Estas espacialidades representavam, portanto, as suas formas de apropriação da cidade. 


Palavras-chave


Campo; Cidade; Rurais; Espacialidades

Texto completo:

ARTIGO AUTORIZAÇÃO

Referências


ALVES, L. A.; SILVA, A. R. P. “Desafios e potencialidades das pequenas cidades no contexto de uma sociedade urbana: alguns apontamentos com base na realidade de Frutal-MG e São Gotardo-MG”. Raega -O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba,v. 35, p. 7–37, dez/2015. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/raega/article/view/38065. Acesso em: 16 mar. 2016.

BAENINGER, R. Deslocamentos populacionais, urbanização e regionalização.Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Brasília, v. 15, n.2, p. 67-81, 1998. Disponível em: https://www.rebep.org.br/revista/article/view/405. Acesso em: 12 ago. 2015

BAUMAN, Z. Modernidade Líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BELL, D; JAYNE, M. Small Cities? Towards a Research Agenda. International Journal of Urban and Regional Research. v.33, p. 683-689,2009.

BOLFARINE, H.; BUSSAB, W.O. Elementos de Amostragem. São Paulo: Edgar Blucher, 2005.

CANDIDO, Antônio. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. 11ª ed. Rio de Janeiro: Ourosobre Azul, 2010.

CASARIL, C.C.; SAMPAIO, F. S. “A inserção da cidade pequena de Ampére -PR na rede urbana a partir da dinâmica industrial”. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, Curitiba, v. 37, p. 227–54, 2016. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/raega/article/view/41683. Acesso em: 14 nov. 2016.

COLUCCI, D. G.; SOUTO, M. M. M. Espacialidades e territorialidades: conceituação e exemplificações. Geografias (UFMG), v. 7, n. 1, p. 114 -127, 2011. Disponível em:http://www.igc.ufmg.br/portaldeperiodicos/index.php/geografias/article/view/540/411. Acesso em: 03 mar. 2013.

CORRÊA, R. L. Globalização e Reestruturação da Rede Urbana –Uma Nota sobre as Pequenas Cidades. Revista Território, Rio de Janeiro, ano IV, nº 6, jan./jun., p.43-53, 1999. Disponível em: http://www.revistaterritorio.com.br/pdf/06_5_correa.pdf. Acesso em: 9 jul. 2012.

ENDLICH, A. M. Pensando os papéis e significados das pequenas cidades do Noroeste do Paraná. Presidente Prudente: UNESP, 2006.FRESCA, T. M. Centros locais e pequenas cidades: diferenças necessárias. Mercator, Fortaleza, vol. 9, n. 20, 2010.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2010.IBGE. Sítio oficial do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.IBGE. Classificação e caracterização dos espaços rurais e urbanos do Brasil: uma primeira aproximação / IBGE, Coordenação de Geografia. –Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

JUNIOR, O. M. As cidades pequenas na Geografia brasileira: a construção de uma agenda de pesquisa. GEOUSP: Espaço e Tempo, São Paulo,n. 35, p. 19-33,2013.

MAIA, D. S. Cidades Médias e Pequenas do Nordeste: Conferência De Abertura. IN: LOPES, D. M.F.; HENRIQUE, W. CIDADES MÉDIAS E PEQUENAS: TEORIAS, CONCEITOS E ESTUDOS DE CASO. SALVADOR, SEI, 2010. 250 p.

MARENGO, S. N.; RAINER, B. F. Abordagens teóricas e metodológicas para pensar as cidades pequenas: alguns apontamentos. Simpósio Cidades Médias e Pequenas da Bahia. 2014. Anais... 2014, 15p.

MATOS, R.; BAENINGER, R. Migração e urbanização no Brasil: processos de concentração e desconcentração espacial e o debate recente. Cadernos do Leste, Belo Horizonte, IGC/UFMG, v. 6, n. 6, p. 7-44, 2004.

MATOS, R. Das grandes divisões do Brasil à ideia do urbano em rede tripartite. En R. Matos (Org). Espacialidades em rede: população, urbanização e migração no Brasil contemporâneo.Belo Horizonte: C/Arte, 2005.

PEREIRA, S. R. MOBILIDADE ESPACIAL E ACESSIBILIDADE À CIDADE. OKARA: Geografia em debate, João Pessoa, v.1, n.1, p. 43-76, 2007. Disponível em: http://www.okara.ufpb.br/ojs2/index.php/okara/article/view/1246 Acesso em: 13 set. 2014.

REICHARDT CS & COOK TD. Beyond qualitative versus quantitative methods. In TD Cook & LS Reichardt (orgs.). Qualitative and Quantitative Methods in Evaluation Research. Sage, Londres,p. 7-30, 1979.

SANTOS, M. Espaço e Sociedade. Rio de Janeiro: Vozes, 1979a. ______. O espaço dividido: os dois circuitos da economia urbana dos países subdesenvolvidos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1979b.______. A Urbanização brasileira. São Paulo: Hucitec, 1993.

SILVEIRA, T. V. O papel das pequenas cidades na rede urbana: um estudoacerca do desenvolvimento da microrregião de Viçosa-MG.Viçosa, 2014. 98f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) –Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal de Viçosa –UFV, Viçosa, 2014.

VASCONCELLOS, Eduardo Alcântara. Transporte urbano, espaço e equidade: análise daspolíticas públicas. São Paulo: Annablume, 2001.

VEIGA, J. E. A dimensão rural do Brasil. Estudos Sociedade e Agricultura, São Paulo, n. 22, p. 71-94, abril, 2004.Disponível em: http://r1.ufrrj.br/esa/V2/ojs/index.php/esa/article/view/246. Acesso em: 19 abr. 2013.

WAGNER, D; ASSIS, W, S de. Conexões entre campo e cidade na Amazônia paraense: agricultores familiares e suas relações com a cidade de Marabá-PA. Revista Extensão Rural, Santa Maria, v. 21, n.2,abri-jun de 2014. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/extensaorural/article/view/8932. Acesso em: 21 out. 2014.




DOI: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v44i0.50204

Direitos autorais 2018 Raega - O Espaço Geográfico em Análise

_____________________________________________

ISSN (IMPRESSO) 1516-4136 até 2008

ISSN (ELETRÔNICO) 2177-2738 a partir de 2009